Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for the ‘Faial’ Category

A  denúncia da descoberta ontem casual por um agente de viagens do Faial de que a partir do próximo mês de outubro a SATA ou Azores-Airlines iria deixar de voar preferencialmente entre a Horta e Lisboa de forma direta, optando por voos redondos com escala na Terceira em muitas ligações no próximo inverno é o último ataque da empresa do Governo dos Açores ao Faial. Saliento, feito pela calada e mantida em silêncio pelos seu representantes partidários nesta ilha.

Acredito que devido à data da denúncia antes das eleições ainda seja possível reverter esta situação, mas se não tivesse sido descoberta ontem, portanto ainda a tempo do protesto em voto seguramente seria demasiado tarde.

Também haveria a hipótese de haver uma combinação com o PS-Faial para mostrar que o Governo ainda o ouvia se tivessem protestado a tempo, só que nesta hipótese a descoberta pioneira foi de uma agência de viagens e tal arranjo ficou estragado.

Aliás era mesmo muito sujo e nem quero crer que a Câmara desceria tão baixo e permitisse que esta programação viesse à luz do dia abrindo o cenário em que a Horta era prejudicada, mas ficando a ideia no ar para os voos redondos no futuro colocada em cima da mesa, por muito que critique na sua inoperância e subserviência dos autarcas municipais nem penso que sejam capazes de descer tanto, o Governo do PS dos Açores é que deve mesmo ser muito mau e o protagonista deste ataque ao Faial.

Anúncios

Read Full Post »

Meu artigo de ontem no diário Incentivo:

MILAGRES DAS DERROTAS DO PODER

Há quem diga: “todos os anos deveria haver eleições”, mas eu vi anos seguidos de eleições com a Horta sempre a ficar mais para trás. Aliás, a cada vitória do PS-Faial para os Açores, os vencedores logo diziam que os Faialenses tinham validado a sua estratégia e com este argumento nunca se corrigiram e o Faial foi sempre caindo mais depressa. As vitórias socialistas regionais e municipais na Horta só fizeram esta ilha perder importância nos Açores, até já há dados que nos comparam ao Corvo e foi este o resultado de anos de eleições com os mesmos no poder do Faial.

Só no ano passado quando pela primeira vez o PS local perdeu ao nível dos Açores algo mudou. A inesperada derrota do PS-Faial em outubro trouxe mais mudanças de atitude nos eleitos socialistas da Horta do que as suas anteriores vitórias municipais e regionais consecutivas. Uma derrota que causou autênticos milagres.

Na Assembleia Municipal até há um ano a norma era rejeitar qualquer protesto da oposição, desde então o entendimento do PS com os outros partidos aumentou e foram então possíveis mais consensos em torno do aeroporto e unanimidades a expressar descontentamentos pelos maus serviços da SATA. Um milagre claro para todos os que acompanham o trabalho deste órgão.

Em setembro de 2016, antes das últimas eleições, os Faialenses movidos por um grupo independente protestaram com uma afluência nunca vista em frente do Parlamento dos Açores pelo péssimo serviço que a SATA prestava ao Faial, reivindicaram a ampliação da pista do aeroporto e questionaram a continuidade do projeto RISE na Horta. Havia a união dos Faialenses em torno destas causas, mas olhando à volta faltava a generalidade dos eleitos socialistas desta ilha. Eles não se juntaram à gente desta terra, não estavam ali, não tinham nada a apresentar, nada para se associarem a nós Faialenses. Eles foram um grupo à parte dos Faialenses.

Mas logo a seguir à derrota: milagre! Acabou a timidez inicial de participar no abaixo-assinado sobre o aeroporto e felizmente começaram a aderir à causa dos Faialenses e até o Presidente da Câmara teve a iniciativa pública de criar o grupo de trabalho para se estudar a ampliação da pista.

Em novembro até elogiei esta mudança de atitude, mas escrevi sobre o estudo “Assim, só vendo a tempo resultados práticos consequentes e que tornem irreversível o atendimento da pretensão dos Faialenses, este anúncio se prova credível e para isso o Presidente da Câmara tem menos de um ano para mostrar…”. A seguir a conduta do Presidente não foi sempre de louvar. Por medo, em vez de unir todo o elenco camarário à sua volta para ter mais força reivindicativa conjunta com a oposição, preferiu ir sozinho levar as conclusões do estudo ao Governo da República, ao dos Açores e à ANA. Assim só se enfraqueceu e como não expôs quem tinha poder aos olhos das restantes forças políticas deu azo para que o Governo, o Presidente dos Açores e a ANA não se comprometeram com nada. Estes remeteram-se ao silêncio o que, tacitamente, é um não-compromisso e isto é por culpa de José Leonardo. Um verdadeiro líder não agia sozinho, sabe levar os seus adversários seguros a si. Infelizmente o Presidente nem nisto soube agir como líder, teve medo e falhou. Agora nem pode repartir as culpas pois desprezou os aliados que o reforçariam nesta causa e quem saiu prejudicado foi a ampliação do aeroporto e os Faialenses.

O medo não é bom conselheiro e foi o medo de nova derrota do PS que forçou a outros pretensos milagres feitos à pressa. Pressa que impediu eliminar defeitos graves que com bom senso e coragem seriam evitados. Assim, a obra acelerada e mal pensada junto à torre do Relógio ficaria bem feita e não teria tido tantas críticas técnicas e sem o medo a Câmara não teria censurado um cidadão por falar dela. Os líderes não mostram receio nem censuram, só os fracos usam esta estratégia.

Foi a ânsia que levou a Câmara a dizer que havia Faialenses que já se poderiam ligar à rede de esgotos, isto apesar das obras de saneamento já terem décadas de atraso e a Horta ter perdido milhões em fundos comunitários para isso. Mesmo assim é ainda tecnicamente inviável a ligação anunciada por falta de construção da estação de tratamento de águas residuais. Bons líderes não caem nas suas próprias armadilhas e expõem-se assim às suas inverdades.

Gostaria de ver a Horta governada por gente diferente, com capacidade de liderança, sem medo, sem censurar jovens ou criticar jornais e sem as fragilidades da Câmara dos últimos anos. Queria um Presidente que pensasse bem os seus investimentos. Um líder capaz de pôr ao seu lado os adversários para reforçar o poder reivindicativo do Faial, alguém que recuperasse do tempo já perdido e fizesse avançar o Faial no conjunto dos Açores. Desejaria ver gente não comprometida com a subserviência a S. Miguel, com coragem de estar ao pé dos Faialenses sem faltar como na manifestação de 2016. Gente que não precisasse de perder eleições para só a seguir mostrar obra feita à pressa. Mas respeitarei qualquer resultado das próximas autárquicas mas aposto na mudança.

Read Full Post »

Meu artigo de opinião de hoje no diário “Incentivo”

ABUSOS, NERVOSISMOS E CABEÇA PERDIDA

A maioria socialista da Câmara Municipal nos últimos tempos tem-se expressado e comportado com um nervosismo público exagerado como se sentisse em vias de perder as próximas autárquicas. Não tenho sondagens, mas sei que quem tem tido tais comportamentos pode perder cargos, mas tem os seus empregos assegurados ao contrário de muitos Faialenses. Por isso calma! Basta de atitudes de cabeça perdida e de tiques antidemocráticos preocupantes como eu nunca vira desde que a rosa conquistou o Concelho da Horta há já 28 anos atrás.

São normais discursos mais acalorados em períodos pré-eleitorais, mas nunca assistira a tentativas públicas de silenciar as vozes discordantes ao poder acomodado há tanto tempo. Tanto atacam concorrentes, algo expectável, como até amordaçam opiniões de jovens da sociedade civil e ainda criticam a imprensa, algo preocupante para a democracia Faialense e típico do antes 25 de Abril.

Não posso precisar os pormenores de silenciar nos protocolos da Câmara com jornais com cláusulas sobre sigilos, pois desconheço as propostas iniciais e finais. Mas, na qualidade de Presidente do Secretariado do PS-Faial, o Vice-Presidente da Câmara referiu que o diário do seu Concelho questionara a cláusula lá existente demonstra que algo no texto era ambíguo para o diretor pretender que os termos ficassem claros e o seu órgão não ficasse privado de livre expressão e do direito básico de informar. Mas ouvir alguém no exercício de um cargo partidário esclarecer um assunto interno do Município mostra bem a promiscuidade partido/autarquia.

Agora pressões vindas do Presidente do PS-Faial aos diretores de jornais e tentativas de desacreditar editoriais têm sido feitas por ele de modo público e indesmentível, pois estão nos seus artigos de opinião como Cronista do semanário desta ilha e sem dúvida demonstram o seu tique antidemocrático preocupante.

Igualmente é assustador ler que o Presidente do Secretariado de Ilha do PS que tem grande facilidade de acesso à comunicação social para informar o que quer e quando quer as suas opiniões (dada a sua múltipla qualidade de Presidente deste Secretariado, de Vice-presidência da Câmara, de Cronista e ainda de Presidente da Adeliaçor, um dono político disto tudo) critique noutro meio de comunicação social da internet o convite do diretor do semanário ao candidato independente apoiado pelo PSD e CDS para ser cronista do órgão que dirige e ainda a aceitação do deputado para segundo um calendário ali emitir as suas opiniões quinzenalmente.

Curiosamente, a acusação de oportunismo é feita ao jornal aonde o Vice-presidente do Município e braço direito do Presidente também escreve as suas crónicas não há muito tempo e, se bem me lembro, ele é o único que não tem o pudor de acumular o papel de cargos executivos de poder no Faial com o de Cronista, tendo assim condições muito privilegiadas para passar a sua mensagem na comunicação social e ainda, como membro  executivo da Câmara, pode ter papel ativo na decisão de subsídios ao mesmo jornal, o que reforça a sua ameaça de amordaçamento e mostra a promiscuidade de poder municipal, até porque é ele é quem está a implementar a estratégia suja de amordaçamento com origem ou consentimento do cabeça de lista socialista.

Mas o rol piora, pois as mordaças já se estenderam a cidadãos Faialenses e chama de oportunistas aos que denunciaram o facto de um jovem Faialense ter sido censurado na página de facebook da Câmara, por comentários com discordâncias técnicas a um projeto do Município, o jovem foi até bloqueado no acesso à página para o calar e o Presidente do PS-Faial tem o desplante de dizer que o assunto ainda está em averiguações internas, como se não fosse possível apurar a verdade em minutos, pois a gestão da página é entregue a pouca gente e seguramente de confiança política.

Depois dos retrocessos económicos da Horta face a outras terras dos Açores, depois da conivência dos políticos no poder do Faial com os atentados que o Governo Regional fez nos últimos anos a esta ilha, quando se inauguram à pressa obras em vésperas de eleições e se diz a mentira que no saneamento da cidade (com décadas de atraso e sem a indispensável estação de tratamento de água) as pessoas já se podem ligar à rede pública, mesmo sabendo que muitas não podem por falta da  referida estação, ainda haveria de se ver outro retrocesso no Faial: a limitação da liberdade de expressão de cidadãos Faialenses que ainda nem são políticos com a introdução da censura de comentários até de jovens da ilha pela Câmara Municipal!

Até onde recuará o Faial com gente deste calibre político a continuar a ser eleita nesta ilha e a comportar-se como dono político disto tudo?

Read Full Post »

A CCIH continua sem resolver o problema diretivo, contudo, qualquer sociedade e terra só é saudavelmente forte se as suas instituições representativas das suas entidades económicas, sociais, culturais, desportivas e recreativas estiverem organizadas e capazes de cooperar ou reivindicar com o poder político de modo eficaz e todos os setores civis que contribuam no progresso da comunidade. Assim, a inexistência de órgãos diretivos em pleno na Câmara do Comércio afeta pelo menos 4 ilhas, onde se inclui o Faial.

Não conheço tão em pormenor a realidade económica das outras três ilhas onde não moro, mas no Faial a perda acelerada do dinamismo económico é visível há anos,  mas se nas pescas e agricultura subsistem vozes autorizadas para falar dos problemas que se têm agudizado nestes setores, se os sindicatos estão pujantes para falar dos trabalhadores por conta de outrém, tem se verificado um progressivo enfraquecimento da capacidade organizativa dos representantes dos comerciantes e industriais do Faial.

É verdade que este enfraquecimento também resulta das várias machadadas que o poder político tem dado à economia Faial, mas também é verdade que a união dos empresários nesta ilha daria força e capacidade reivindicativa para melhor enfrentar o abandono a que o Governo Regional nos relegou.

Espero, para bem não só dos empresários que estes sejam capazes de cooperar para que a Câmara de Comércio e Indústria da Horta volte a ter órgãos diretivos motivados e apoiados por uma classe unida vinda dos seus associados. Isto para defesa não só dos seus membros do Faial, mas também dos das outras ilhas que a CCIH representa, para bem de toda esta área geográfica dos Açores.

Se eu pressiono para que tenhamos políticos ativos, não acomodados ou subservientes a outros interesses que não sejam os do Faial, também desejo que os setores da sociedade civil Faialense sejam fortes por serem um contributo para o desenvolvimento socioeconómico do Faial, mas também do Pico, das Flores e até do Corvo.

Read Full Post »

Em artigos, o Vice-presidente da Câmara da Horta desacreditou jornais do Concelho, acusou-os de estarem ao serviço de alguns partidos (deduzo que não o da Câmara, embora estes tenham notícias feitas por esta). Agora novo escândalo quando na página oficial do Município da Horta no facebook o seu gestor não só censurou com o seu “lápis azul” comentários opinativos de fundo técnico de um Faialense, como bloqueou o acesso deste à mesma. Ele um cidadão de pleno direito em Portugal e um Munícipe da Horta. É demais! Isto num Portugal que se orgulha justamente do 25 de Abril que pôs fim não só à ditadura, como à censura e ao delito de opinião!

Nenhuma Autarquia ou outra entidade institucional tem necessidade de ter uma página na internet onde expõe as suas atividades aberta à opinião pública, mas a partir da opção de criar este modo de interagir com os cidadãos tem de tratar todos estes em pé de igualdade, pode aceitar elogios e gostos, regozijando-se eles, mas também tem de aceitar críticas com as quais está de acordo ou não.

A partir do momento em que devido ao seu carácter público e oficial esta entidade opta por moderar comentários que não tenham carácter ofensivo ou ataque ao bom-nome das pessoas no seu direito individual, essa entidade está uma exercer censura, tal como a exerceu uma entidade eliminada com o 25 de Abril.

Não importa qual o partido ou credo dos comentadores de uma entidade oficial pública e se estes refletem ou não o seu modo ideológico: a democracia só existe quando as pessoas não têm de inibir as suas ideias base, políticas, religiosas ou outras legais quando se pronunciam sobre situações públicas.

Numa entidade particular esta pode limitar e condicionar acessos aos seus espaços publicitários, essa é uma grande diferença das outras entidades sujeitas ao escrutínio público

Assim, sempre que uma entidade oficial de carácter político corta a voz e o acesso de uma página oficial ou assumida como tal, nem que seja por omissão de não se desvincular dela, e começa a moderar comentários que não lhe são agradáveis, entramos então no domínio do fim da liberdade de expressão das pessoas: uma forma de Censura e, pelos vistos, e de acordo com o escrito pelo visado, a Câmara Municipal da Horta unilateralmente cortou direitos de liberdade e garantias a cidadãos que estão protegidos constitucionalmente em Portugal e ainda por cima seus Munícipes.

Quem diria que a Câmara Municipal da Horta 43 anos após o 25 de Abril deixasse de cumprir a Constituição quando esta não lhe convém ao nível da livre expressão dos seus Munícipes.

O problema é que depois de cortar os direitos a um primeiro cidadão nunca mais se sabe até onde isto poderá ir. Hoje o Tiago Silva, amanhã o Carlos Faria e depois quem sabe tu que leste este artigo.

Read Full Post »

Alagoa

Fizeram-me chegar protestos e fotos de que após a Semana do Mar o parque da Alagoa nunca mais foi o mesmo em termos de limpeza. O lixo não recolhido na primeira leva ficou lá plantado até agora, algum de usos íntimos que agora se expõem despudoradamente às pessoas que gostam de correr e passear com os perigos que tal implica.

Não sou utente do espaço, nem fui lá testemunhar, mas fica acima uma das fotos recebidas e não deixa de ser uma vergonha tal realidade numa cidade que no passado o seu Edil Municipal se orgulhava de ser uma das mais asseadas de Portugal.

Sim, eu sei que são sequelas da Semana do Mar por onde passaram muitos jovens e foram alguns deles que não tiveram cuidado, mas a Câmara Municipal ao promover momentos hedonistas como aqueles ali nas suas maiores festas da ilha também tem de obrigar-se a limpar a seguir um dos poucos espaços verdes dignos desse nome a seu cargo na Horta e com valências para outras atividades lúdicas, desporto e balneares.

ADENDA

Comunicaram-me que após este post o local foi limpo. Sinal que Mente Livre é uma voz ouvida e põe alguns a mexer. Ainda bem que foi limpo!

Read Full Post »

É o que se deduz desta notícia, até o sindicado denuncia que foi a SATA quem não acautelou o serviço mínimo  para a Horta imposto legalmente para esta greve. Erro grosseiro? Estou convencido apenas da má-fé, muita má-fé mesmo contra o Faial, não é apenas da Administração da empresa nomeada pelo Governo dos Açores, mas sobretudo do Executivo de Vasco Cordeiro que apadrinha isto tudo. Ainda alguém duvida deste ataque organizado ao Faial?

Contudo ainda não consigo distinguir quais os eleitos faialenses que são colaboracionistas neste ataque contra a nossa ilha por egoísmo e ambição de estarem no poder rosa daqueles que colaboram contra o Faial por pura ingenuidade, mas acredito que estes últimos não são os que têm maior poder no Faial.

Agora se explica a minha admiração exposta no post anterior onde já estranhava a greve só prejudicar o Faial está plenamente explicado, tal como começa a ficar evidente que nesta guerra os maus da fita não são os sindicatos, mas sim quem governa a SATA.

Nunca imaginei que o desplante contra o Faial viesse a ser feito tão às claras como é feito presentemente

Read Full Post »

Older Posts »