Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘ironias’

Meu artigo de ontem no diário Incentivo:

O FAIAL QUANDO PERDEU NUNCA GANHOU

Ao olhar os comportamentos de muitos nesta nossa ilha do Faial e ao observar várias situações, concluo que a melhor forma de não me deprimir é levar mesmo tudo isto em tom de brincadeira porque brincar alivia a tensão e se pode levar alguns a perceber a realidade.

No último fim-de-semana decorreu o Encontro do Mundo Rural, o evento de ilha a cargo de entidades locais para substituir a Feira Açores – esta tinha abrangência de arquipélago, era paga pelo Governo Regional e tudo o que se programou para o encontro caberia numa feira – mas, perante a decisão do executivo de Vasco Cordeiro em a retirar do Faial, a Câmara Municipal até declarou que podíamos ficar a ganhar. Depois percebeu-se que nem ela sabia o que ganharia com a retirada da Horta daquela feira. É de ficar mesmo com pena do que terá perdido a ilha maior que se vê obrigada agora a receber a Feira Açores 2017 por deliberação do Governo dos Açores. Coitadinha!!!

Por cá o Faial ficou a ganhar menos dinheiro investido pelo Governo dos Açores, menos visitantes de organizações de outras ilhas, o diminuir da projeção do evento à escala regional e a menor publicidade paga a determinados meios de comunicação social locais.

Todavia houve uma coisa que de facto me surpreendeu: após anos a ser criticado pelo atual  Presidente da Câmara quando apresentava na Assembleia Municipal votos com exigências reivindicativas para o Faial ao Governo dos Açores, o número um do Município dava a entender que negociava era em trabalhos de bastidores e, por isso, geralmente propunha votos contra as críticas públicas, mas agora já tem o estilo reivindicativo da oposição e fez exigências ao executivo regional no discurso público da sessão de abertura do Encontro do Mundo Rural! Quem o ouviu antes e o ouve agora tão interessante conversão de estilo fica mesmo admirado.

Reconheço que com esta nova postura o Faial fica a ganhar e aplaudo a mudança de comportamento. Só receio, um temor pessoal que timidamente confesso aqui: será que é por estarmos em ano de eleições autárquicas e a sombra da derrota rosa no passado mês de outubro estão a criar uma ansiedade que obriga agora a esta alteração de postura e já se pode fazer exigências públicas? Espero que seja mesmo o reconhecer do líder da Câmara da razão das críticas ao Governo que se levantavam naquela Assembleia e com que a sua bancada tanto se indignava.

Ainda nesta onda de ganhos para o Faial, registo a satisfação com que os Faialenses receberam os afetos de S. Exa. o Presidente da República, mesmo aqueles que, ao contrário de mim, ainda no início do ano passado desvalorizavam o candidato. Devo agora crer, após as dificuldades sentidas por Marcelo Rebelo de Sousa em chegar a esta ilha para distribuir abraços, beijinhos e selfies, devido às questões meteorológicas que insistem em prejudicar a operacionalidade do aeroporto da Horta e onde o RISE e a ampliação também não chegam, que tanta alegria prova a resolução desta questão. Pois se até muitas crianças só aceitam dar um beijinho se em troca houver algo em troca (uma guloseima ou outra coisa que se deseja arduamente), se até nestas existe esta capacidade negocial mínima, estou seguro que a felicidade de tantos adultos nesta terra ao se entregaram aos afetos do chefe máximo do Estado só pode ter sido por se ter conseguido aquilo que mais falta nos faz: as obras de ampliação da pista do nosso aeroporto, ou será que estão contentes por aquele processo não estar de facto avançar e pensam que com isso o Faial ganha?

Continuando a analisar esta estranha ideia de que é a perder que se ganha, na internet assisti ao descontentamento de um rosa com o facto de alguém laranja ter demonstrando que existiam mecanismos financeiros comunitários para compensar pescadores que estão a passar dificuldades económicas por falta de rendimento do seu trabalho, por vezes devido a exigências superiormente impostas e esclareceu que ajudá-los só os prejudicava. Foi esta ideia peregrina que me permitiu perceber o desagrado de um apoiante do governo por alguém ter mostrado que existem mecanismos financeiros europeus a que os Governos que nos tutelam poderiam recorrer de forma a desbloquear a falta de dinheiro para a ampliação da pista da Horta. Só pode mesmo ser medo de que tal apoio prejudique o Faial!…

Pela minha parte sempre pensei diferente, não sou um recém-convertido que só agora recorre publicamente ao tom das exigências reivindicativas, continuo a pensar que o que prejudica o Faial é essa mentalidade tacanha que permitiu encolher o porto, que não avança com a frente-mar, decepou a variante, nos tirou a Rádio Naval, votou contra reivindicações para a nossa ilha, pois estas e outras perdas nunca trouxeram ganhos ao Faial e que Santo António nos ajude neste seu dia.

Read Full Post »

Para que se fizeram os paraísos fiscais? Para líderes de topo e ricaços escaparem com dinheiro que iria direitinho para os impostos. Então porque se mantém os paraísos fiscais? Pela força da corrupção que mina o alto exercício de cargos políticos nos Estados. Mas, quando dá jeito, lá se acusa um dos que não lidera de modo incólume a corrupção. Chegou a vez de nos distraírem com Cristiano Ronaldo.

O Luxemburgo, entre outros Estados-membros continuam a ser paraísos fiscais na União Europa e o anterior Primeiro-ministro daquele ducado até preside esta União. Pois, nada a dizer isto é como aquelas legalidades à medida da EDP que Mexia nos explicou. Vamos é nos distrair com o mauzão do Cristiano Ronaldo, os outros são todos bonzinhos.

Read Full Post »

O Reino Unido votou no Brexit porque não estava disposto aos sacrifícios que a União Europeia necessita para coexistir, apesar das muitas críticas de falta de solidariedade dentro desta. A Primeira-ministra do RU convoca eleições para reforçar o poder negocial do país no Brexit, ela que fora contra, mas os britânicos curiosamente dão num voto que enfraquece a sua capacidade negocial e pode gerar uma crise económica na ilha. São mesmo estranhos estes ingleses que pensam como se fossem os maiores do mundo e começaram a dar tiros nos seus próprio pés sucessivamente.

Curiosamente, muitos dos que se congratularam com o Brexit do lado lusitano faziam-no porque queriam enfraquecer a UE, numa linguagem onde tanto querem a solidariedade europeia para nos ajudarem como querem colocar os pés fora da União, mas já comecei a ver congratulações nestes por o Reino Unido ficar mais fraco com o resultado eleitoral que as projeções estão a dar.

Não é o mundo que está louco, é apenas a visão eleitoralista dos partidos e das ideologias a curto-prazo que nesta continua contradição para ganhos imediatos envenena também a democracia a longo-prazo. Efetivamente votar no brexit e a seguir votar no enfraquecimento negocial deste é mesmo de uma incoerência a toda a prova.

Portugal, há muito, e o Reino Unido nos últimos tempos têm levado esta incoerência aos píncaros da democracia, as consequências veremos no futuro. Para já penso que esta noite a UE deve estar intrigada, mas a rir-se do comportamento dos lordes ingleses com este tiro no pé.

 

 

Read Full Post »

O mal de uns, por vezes é o bem dos outros, a política mais pacifista de Obama era bem-vistas, mas diminuía a importância da base das Lajes e os Açorianos temiam isso, agora as ideias de reforçar o papel mundial da América de Trump e os sinais de agressividade bélica que ele tem mostrado levam a que o papel desta base cresça e os benefícios financeiros deste reforço parecem bem recebidos nos Açores, que até esquecem o maior risco de guerra mundial.

Quando a base das Lajes era de facto considerada como uma estrutura fundamental dos EUA nos Açores e sem perspetivas de esvaziamento, havia quem criticava a presença norteamericana na Região, mas quando houve o risco de saída de serviços militares, alguns destes começaram a fazer exigências daquele país para a Terceira, agora aguardo com curiosidade como reagirão se se seguir um reforço daquela presença fruto dos interesses estratégicos de Trump… o mundo dá mesmo muitas voltas e pode até ficar de pernas para o ar e por dinheiro muitos vendem não só a alma como a coerência!

Read Full Post »

Hoje, nos diretos na SIC-notícias, de um entrevistados lesado do Banif deduzia-se que um dos argumentos que os gestores de conta utilizaram para alguns clientes adquirirem certos produtos propostos pelo Banif foi o da segurança do banco, pois então o banco era um público na sequência da intervenção do Governo. Confesso, que me senti representado por esse lesado, pois a mesma ideia também foi passada a mim há poucos anos.

Sim, eu sei que o Banif intervencionado tinha ações privadas, mas o grande acionista poderoso de então era o Estado e foi uma decisão do Governo que prejudicou muitos dos que se sentiram confortados por então o seu banco ter capitais públicos e foi o atual Primeiro-ministro que deliberou entregar ao desbarato aquele que era a maior instituição financeira nas Regiões Autónomas a uma entidade espanhola em prejuízo de muitos Portugueses.

A Caixa foi outro banco público cujo estatuto a justiça está a investigar com a suspeita de ter sido uma peça ao serviço da corrupção e não dos Portugueses, mesmo assim, na guerrilha ideológica até parece que um setor público público é um garante de defesa dos direitos dos cidadãos… uma falácia sem dúvida, nem privado, nem público, garantem a defesa dos mais fracos na sociedade, sobretudo quando os interesses dos mais fortes estão em jogo.

Read Full Post »

Novamente um cruzeiro de turistas foi para o cais de mercadorias, pois para se poupar se encolheu o cais norte, para se poupar, também não se desassoreia a sua baía, mas apostou-se num grande terminal de passageiros de trânsito local que, na mentalidade de alguns, se for bem gerido, o Faial pode ficar a ganhar, algo assim como encolher no estratégico regional e internacional para apostar na pequenez local como se fez na feira Açores… Certo? 😜

Read Full Post »

O que mais me surpreendeu em 2016 foi mesmo a derrota em outubro dos políticos do Faial que desculpavam estratégias que prejudicavam esta ilha. Destaco o à vontade com que desde então deram a volta ao seu discurso, passando até a criticar a administração da SATA e a reconhecer a importância de ampliação da pista da Horta como se em setembro nem tivessem rejeitado votos de protesto sobre os mesmos assuntos. Mas assumo ainda bem que juntaram a sua voz aos que falavam alto em defesa desta ilha. Espero apenas que não seja fogo de vista e que esta viragem dê frutos até outubro próximo. Ao nível do Porto da Horta já estes derrotados tem tido um discurso ambíguo e estão a desresponsabilizar o Governo dos Açores dos atentados que por ali se podem ainda praticar

Não sei até que ponto e por quanto tempo é sustentável financeiramente a estratégia do governo de António Costa, mas que, em termos de imagem da crise, a situação social e económica no final de 2016 parece muito mais apaziguada e com melhores perspetivas de ultrapassar as dificuldades sentidas que o pensado em final de 2015, há que reconhecê-lo. É verdade que os aspetos negativos aparecem esbatidos: nunca o investimento público foi tão baixo, apesar de ser uma das alavancas antes defendida pelos atuais governantes para a retoma, o crescimento ficou muito aquém do anunciado e a dívida pública e juros desta crescem paulatinamente e parecem bombas relógios que temo, também assumo. Agora que o desemprego baixou e isto estava entre o fundamental dos Portugueses, foi um objetivo bem conseguido. A obsessão pela redução do défice que era alvo de críticas aos anteriores governantes passou a ser o maior trunfo dos que agora ocupam o poder, uma mudança substancial e uma bandeira de sucesso, tal como a coesão da esquerda que se mostrou capaz de engolir sapos perante as dificuldades da realidade foi uma surpresa que garantiu uma estabilidade que se duvidava ser conseguida com os acordos da denominada geringonça. Assim, Costa está em alta e surpreendeu pela positiva.

Desportivamente a vitória de Portugal no euro 2016 foi sem dúvida a maior conquista do País e praticamente poucos acreditavam ser possível. A seleção nacional não brilhou nos vários jogos da corrida para a sua meta, mas no momento final arrancou e alcançou um feito que parecia impossível.

Internacionalmente a guerra na Síria e os refugiados pareciam ser os acontecimentos que maiores marcas deixariam em 2016, até que a vitória do Brexit fez mudar os holofotes da Europa para a necessidade de coesão entre os Estados da União e sem dúvida que Merkel e Bruxelas passaram a ser mais tolerantes com os países em dificuldades económicas, mas o que parece mesmo ser o maior fenómeno do ano foi a vitória eleitoral de Trump e, provavelmente, será este o evento que mais irá condicionar a política internacional do futuro próximo ou mesmo distante da Terra, tudo depende de como ele irá mudar a estratégia de enfrentar os problemas internos e externos dos Estados Unidos.

Claro, há outros acontecimentos marcantes, refiro aqui apenas: a chegada a Secretário-Geral das Nações Unidas de Guterres, mas sem dúvida que o prestígio é maior que a eficácia do cargo para este conseguir com eficácia que o mundo rume para uma política global mais justa e humana. Embora de outra índole, não me esqueço da destituição de Dilma Rousseff num Brasil que se afunda na fossa da corrupção que tudo suja, mas lamento que  Lula tenha aceite entrar para o Executivo de molde a deixar a ideia que era para fugir à justiça, mesmo que esta não pareça neste processo mais limpa que os restantes políticos, mas os heróis também devem saber marcar a diferença e ele neste ano não soube, mas este parece-me que é um fenómeno com maior efeitos apenas dentro do Brasil do que a nível Internacional.

Read Full Post »

Older Posts »