Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Transportes’

Meu artigo de hoje no diário Incentivo:

O BULLYING DA SATA AO FAIAL

O atual Presidente do Conselho de Administração do Grupo SATA, Luís Rodrigues, bem avisou no fim de 2019 que a reestruturação da empresa iria doer. Isto para corrigir a sua situação financeira fruto de descalabros de gestão nos últimos anos devido às opções estratégicas erradas do Governo dos Açores implementadas por servis figuras obedientes dos seus presidentes nomeados pelo executivo regional. Só não disse onde doeria, mas logo suspeitei que o Faial apanharia por tabela.

Desde há já muitos anos que quando se tomam medidas estratégicas para alargar os serviços da SATA, o Faial, por norma, não beneficia dessa expansão: foi assim ao se compraram os últimos aviões e se escolheram aparelhos que não tinha condições para aterrar no aeroporto da Horta e onde já se sentia a falta de equipamentos; foi assim quando se aumentou o número de ligações para concorrer com outras empresas devido à liberalização do destino Ponta Delgada; e até foi assim ao se anunciar o alargamento da rota do Pico que se fez à custa do encolhimento das ligações ao Faial, mantendo o Triângulo o número insuficiente que a procura já exigia. Por outro lado, sempre que existem ações de reduções dos serviços da SATA o Faial volta a ser vítima direta dessas medidas.

Paralelamente, nos últimos anos, enquanto o aeroporto da Horta tem aumentado no número de passageiros e na procura, a quantidade de ligações desta infraestrutura ao exterior dos Açores tem vindo tendencialmente a diminuir. Pelo que não só já se perderam pessoas que pretendiam voar diretamente entre o Continente e o Faial que recusaram toques noutras ilhas e demoras de viagem daí resultantes, como se atrofiou a taxa de crescimento da circulação de passageiros nesta ilha pela falta de oferta disponível por parte da SATA.

Agora, com a falta de aviões que a SATA tem na sua frota para aterrar no Faial e a reestruturação da empresa anunciada, aonde é que havia especialmente de doer mais? No Faial, logicamente!

Descobriu-se isto apesar da SATA ter disfarçado o novo ataque ao Faial, anunciou em voz alta o mesmo número de ligações enquanto, por falta de aviões adequados a este aeroporto por opção anterior do Governo, em voz baixa, contratou o serviço a uma outra empresa: a Hifly, e esta assegura-o com um aparelho que leva menos passageiros. O que, na prática, corresponde à redução da oferta de lugares equivalente a menos uma ligação por semana.

Assim, independentemente do tipo de estratégia levada a cabo no grupo SATA: expansão, contração ou reestruturação; o Faial leva sempre pancada a doer. Deste modo e durante anos a fio, o Governo dos Açores, não só, mas sobretudo através do seu braço SATA, tem vindo constantemente a agredir o Faial. Uma espécie de bullying, palavra inglesa para a pratica de tirania e valentia contra os mais fracos indefesos, o que o poder político tem exercido continuamente contra os Faialenses.

Tal como nas escolas; onde o bullying tende a ser exercido pelos mais fortes com a ajuda de outros aliados oportunistas sobre alunos fragilizados, submissos que se calam e sofrem sem se revoltarem de forma eficaz que penalize o agressor; também no Faial se tem assistido a um tipo de passividade que nunca doeu ao prevaricador que nos agride e que se mantém poderoso à custa de alguns aliados que beneficiam de migalhas, enquanto a generalidade do Povo Faialense vai sofrendo sem uma revolta verdadeiramente eficaz. Até quando este bullying vai continuar?

Read Full Post »

Meu artigo publicado hoje no diário Incentivo da cidade da Horta

COMPETÊNCIA NÃO BASTA

No passado dia 13 os Açorianos conheceram o nome do novo Presidente do Conselho de Administração da SATA: Luís Rodrigues, nomeado pelo dono do grupo: o Governo dos Açores.

O escolhido tem no seu currículo o desempenho de cargos de Administrador Executivo e de Presidente do Conselho de Administração de empresas do Grupo TAP, o que à partida garante ter conhecimentos na área de gestão financeira e comercial de transportes aéreos de passageiros, ao contrário do seu antecessor que numa declaração infeliz durante uma entrevista no início do seu mandato deixou transparecer a sua ignorância para a matéria em que fora empossado.

Se tal currículo pode dar garantias de potencial capacidade individual do nomeado para o cargo em questão, infelizmente tal não afiança que Luís Rodrigues possa gerir convenientemente o grupo SATA. Pois, além do novo líder desta administração ter de articular uma boa gestão financeira e comercial das empresas envolvidas com as necessidades a prover ao nível de serviço público de transporte aéreo de passageiros, cargas e acessibilidades aos Açores, ele continuará sujeito aos riscos resultantes dos interesses políticos dos governantes da Região e seus devaneios irracionais ao tutelarem esta empresa pública.

Desengane-se desde já quem acima perspetivou uma pretensão a defender a privatização, no todo ou em parte, do grupo SATA. Nada disso. Sobre esta opção não me pronuncio neste artigo, aliás, quem já pretendeu vender a privados a empresa Azores Airlines foi o socialista Governo dos Açores e as críticas que então lhe enderecei nesse campo foi do desastroso modo como conduziu o processo e escondeu aos Açorianos o fiasco daí resultante nas negociações com os pretendentes islandeses.

O que quero realçar é o facto de que no passado a SATA já teve administradores competentes e afastados dos cargos pelas interferências absurdas impostas pela tutela e com denúncias de erros crassos nas opções estratégicas de gestão e compra de equipamento que o Governo dos Açores impunha à empresa pública. Situações cujo tempo veio dar plena razão aos primeiros sem nenhum mea culpa (máxima culpa mesmo) assumida pelo Excetivo Regional, o que desembocou no descalabro financeiro do grupo e na degradação colossal da qualidade do serviço de transporte de passageiros e carga ao Arquipélago com reflexos negativos bem evidentes nas ilhas do Faial e Pico.

Lembro-me dos avisos públicos havidos ao anúncio de rotas não rentáveis que nem interessavam aos Açorianos e na compra de aviões que não se adequavam a vários aeroportos das ilhas, quando já era necessário melhorar o serviço e cujos encargos daí resultantes só agravaram o que estava mal. Infelizmente não foram esses bons administradores que levaram água ao seu moinho, mas sim a teimosia irracional de certos governantes que ainda vão tutelar Luís Rodrigues e os mais recentes administradores que foram sobretudo subservientes à irracionalidade destes políticos que continuam a mandar sem nunca terem sido responsabilizados pelo descalabro que provocaram na SATA.

Assim, embora a carreira do novo administrador indicie capacidades para implementar uma boa gestão na SATA, tal não garante que possa tapar os gigantes buracos feitos e muito menos impor-se às vontades irracionais de certos governantes regionais e não é justo apagar agora da memória os bons administradores afastados do cargo por teimosia dos políticos que têm destruído a SATA.

Read Full Post »

Meu artigo de hoje no diário Incentivo

SUBSÍDIO DE MOBILIDADE: UM SINAL PREOCUPANTE

O subsídio da República de apoio à deslocação por avião dos Açorianos e Madeirenses entre as Regiões Autónomas e o Continente foi considerado pelo Primeiro-Ministro, em entrevista ao Jornal de Notícias da Madeira, como “absurdo e ruinoso”. Esta declaração criou incómodo nos comprometidos com o Governo dos Açores, mas o que foi dito por António Costa foi declarado de livre vontade por ele e todos sabemos que este não é nenhum ingénuo político para se expressar sem ter pesado bem o que disse. Por isso o sinal dado foi intencional e preocupante.

Dias mais tarde, o diário nacional Público pormenorizou, com base nas suas informações jornalísticas, “Costa quer limitar apoios à mobilidade aérea das ilhas”, reforçando que o Primeiro-ministro dissera que o atual modelo de apoio às viagens aéreas para as ilhas é “insustentável”. O mesmo sinal preocupante do que aí está para vir.

O assunto pode incomodar os que têm interesse em dizer que o líder nacional do PS é muito amigo das autonomias e dos Açorianos, não sendo conveniente informar da sua intenção em impor novos limites ao subsídio de mobilidade. Só que esta comunicação partiu de António Costa e não há volta a dar. Se o disse antes de eleições legislativas é porque nos está a preparar para algo que aí vem se continuar a chefiar o Governo. Não vai ser depois de conquistar os votos que se vai tornar mais benevolente do que agora se mostra quando lhe seria politicamente inoportuno levantar a questão.

Para quem a mudança vai ser mais desfavorável ainda não se sabe. Serão os Governos Regionais a arcar com uma parte do atual encargo? As transportadoras aéreas, como a TAP e a SATA, terão limites à especulação dos preços nas viagens de serviço público? ou para os cidadãos dos Açores e da Madeira aumentando os preços base dos bilhetes? Ou para todos com uma combinação de tudo isto? Nestas matérias costuma ser o Zé Povinho quem apanha a pior fatia. Outro sinal preocupante.

É verdade que o atual regime parece mais proteger os interesses das empresas de transporte do que o das pessoas que necessitam ou queiram viajar. Uma vez que a SATA e a TAP ao venderem bilhetes a preços elevados ficam com o nosso dinheiro e só depois os cidadãos são reembolsados do valor acima do definido para as ligações Açores, Madeira e Continente. O que disponibiliza verba em caixa às empresas em causa. Enquanto os Açorianos e Madeirenses que não consigam fundo de maneio à partida para cobrir a diferença de preço inicial são os que ficam sem poder comprar a viagem que desejam e como o que há é falta de lugares e não de passageiros quem perde são sempre os residentes destas ilhas interessados em viajar.

O esquema de fazer entrar dinheiro a mais na SATA, graças à especulação dos bilhetes pagos por nós, só não foi mais rentável porque os juros têm sido de rendibilidade nula e, sobretudo, porque a interferência do Governo dos Açores na gestão desta foi um desastre total: ao fazer, por interesse político, a transportadora regional optar por novas rotas e aviões que foram um desastre financeiro. Assistiu-se assim a uma oportunidade perdida de aproveitar bem as entradas elevadas de verba cobradas aos Açorianos que até poderia ter servido para bons investimentos que salvaguardassem o futuro da SATA, mas foi um desperdício total e à nossa custa! Agora não sei o que aí virá, mas seria conveniente ficar bem esclarecido antes das eleições. Pois suspeito que serão as pessoas que ficarão com a fatura mais pesada se isto não ficar convenientemente esclarecido a tempo.

Read Full Post »

Meu artigo de hoje no diário Incentivo:

DA SEMANA DO MAR AO REGRESSO DA TAP

Mais uma Semana do Mar passou e não sendo 2019 um ano de autárquicas não seria de esperar um cartaz de arromba como o de há dois anos atrás para os concertos em terra e, pelo que ouvi, no mar o festival foi programado como habitualmente.

Nunca escondi que gosto da Semana do Mar e mesmo sem ter seguido a grande maioria dos concertos e apesar do espaço ter sido encolhido (devido às obras na Praça do Infante) coube toda a gente que quis vir à festa. Entre o que mais apreciei este ano encontra-se o desfile coreográfico “Sambódromo do Mar Profundo”, trouxe cor, luz e novidade numa hora acessível a todos os que não podem estender a sua participação pela madrugada fora e foi portador de uma mensagem sobre a problemática dos oceanos e do ambiente, tema pertinente neste festival: o mar; mais ainda nos tempos que correm.

Apesar de a meteorologia não ter sido a melhor, pelas reportagens e conversas, tal pouco afetou as tasquinhas e os restaurante, sinal da importância da Semana do Mar para o convívio das pessoas, que ultrapassam o obstáculo da chuva e se juntam para o encontro de amigos e famílias em partilha gastronómica, importância que esta festa, à semelhança das do Espírito Santo, não perdeu, ao contrário de muitas outras tradicionais desta ilha onde a afluência dos Faialenses tem vindo num progressivo decréscimo, sobretudo dos mais jovens.

Contudo a notícia da semana foi a que o Diretor Executivo da TAP, cargo atualmente conhecido pela sigla CEO, Miguel Frasquilho, comunicou à Câmara do Comércio da Horta de que o regresso ao Faial da transportadora aérea nacional “é uma possibilidade a ter em conta”. Não sendo uma promessa garantida – aliás, falta de garantias em boas notícias é o que a população desta ilha está habituada – não deixa de ser uma oportunidade a que todas as forças-vivas desta terra se devem associar para que não esmoreça e mais uma vez se gore esta pretensão de tantos Faialenses.

Não estou certo se a melhor solução para os aeroportos do Triângulo, mais especificamente os do Pico e da Horta, seja a liberalização do espaço aéreo a estas infraestruturas, como se deduz da notícia. Mas estou seguro que a situação atual de serviço prestado pela Azores Airlines não serve os interesses desta zona dos Açores e até despromoveu este destino devido à falta de qualidade e de garantias das ligações entre estas ilhas e Lisboa ao longo dos últimos anos.

Assim, queiram tanto os grupos profissionais do turismo, comércio e indústria; como os representativos dos cidadãos aqui residentes, eleitos nos mais diferentes órgãos políticos, ter engenho, arte e espírito de cooperação para levar a bom porto, ou a bom aeroporto neste caso, a resolução deste assunto para bem de todos.

Desejo uma solução que não coloque as gentes do Triângulo reféns de ninguém. Uma solução capaz de planear a sua atividade a longo-prazo para que seja viável, não só aos turistas que nos queiram visitar, como também aos que cá residem e à diáspora destas ilhas, programar as suas deslocações com a devida distância ou proximidade temporal adequada aos tempos atuais. Uma solução que seja do interesse da própria transportadora dinamizar as ligações ao Faial e ao Pico através das suas gateways sem querer desviar os passageiros para outras portas de entrada e saída dos Açores.

Read Full Post »

Vendo a qualidade do serviço da transportadora aérea açoriana nos últimos tempos, recomendo que o Governo dos Açores primeiro resolva a questão da Azores Airlines e só depois arranque com este concurso de promoção turística dos Açores no Canadá, é que com as falhas que tem havido nas rotas para o novo mundo não haverá promoção que resista à despromoção que poderá vir das queixas dos clientes com a qualidade prestada pela SATA.

Não digam depois que eu não avisei a tempo. 😉

Read Full Post »

A Secretária Regional com a tutela dos transportes deixou claro que confia absolutamente na Administração da SATA e está certa que desta ouvirá as devidas explicações. Nem outra coisa seria de esperar, se há algo que a SATA nunca deixou de fazer foi de obedecer cega e acriticamente a todos desmandos do Governo dos Açores.

A explicação é por isso clara: a causa foi a subserviência à tutela política e esta minou totalmente a racionalidade da gestão empresarial do grupo SATA.

O pior é que isto não foi para assegurar o serviço público de transporte aéreo entre as ilhas dos Açores e destas ao exterior, antes pelo contrário, foi comprometendo-o a médio prazo este serviço para com loucuras obter dividendos partidários a curto-prazo.

Read Full Post »

O meu artigo de hoje no diário Incentivo:

ACESSIBILIDADES AO FAIAL E TRIÂNGULO: DE MÁS A PIOR

Não haja dúvida, no que se refere à questão das acessibilidades do exterior ao Faial e no Triângulo o Governo dos Açores, através das suas empresas SATA e ATLANTICOLINE, demonstra uma linha estratégica de degradação contínua dos serviços de transportes que presta a esta Terra que ao longo dos últimos anos não muda: é sempre a piorar de ano para ano.

Podem até mudar as Administrações das empresas regionais, mas o Governo dos Açores não muda a sua estratégia: servir cada vez pior estas ilhas. Sobretudo no verão, para que, de uma forma ou de outra, quem nos visite considere preferível recorrer ao aeroporto em São Miguel do que se arriscar a ficar retido em Lisboa, na Horta ou no Pico se optar por uma ligação direta.

Contudo, se antes no Triângulo já não bastava a má prestação da SATA e a recusa do Governo dos Açores em desbloquear a sério a execução de um projeto de ampliação da pista da Horta, nos últimos anos este executivo decidiu adicionar também o caos na programação e nas ligações marítimas inter-ilhas.

Quem diria que após tantos anos de gestão de transportes, concursos públicos de aluguer de navios, compra de aviões ou a contratar trabalhadores, o Governo dos Açores passasse a ter falta de tudo: não chegam a tempo os navios para navegar, há carência de aviões para voar para os aeroportos da Horta e Pico e são insuficientes as tripulações para os equipamentos de transporte disponíveis. Depois do presidente da SATA tanto falar da pouca procura da rota do Faial e sua rentabilidade, mesmo quando não havia lugares disponíveis a meses de distância, agora passou a faltar tudo o que compete ao Governo Regional assegurar, menos a única coisa que não estava nas mãos do Poder: passageiros para voar. Mas se dependesse dele, suspeito que até faltariam!

É um obra monumental: o Governo dos Açores e as suas empresas com gestores de confiança política conseguiram desaires em todas as frentes nas acessibilidades ao Faial e ao Triângulo!

Nos transportes marítimos, como não se venderam os navios com mais de um quarto de século, do tempo de Mota Amaral, eis que devido à incompetência governativa que se instalou no século XXI nos Açores, aquelas velhinhas embarcações vieram socorrer a má gestão de hoje em dia.

Nos transportes aéreos, a verdade é que antes a SATA era pequenina, certinha e sabia negociar com a TAP para que com muito menos recursos no Governo Regional as programações, embora sem serem ideais, fossem de confiança. Depois optou-se pela megalomania sem visão das reais necessidade dos Açorianos. Compraram-se aviões gigantes que foram um fiasco, pois não servem para voar para estas ilhas e foram convidar passageiros de longe que não quiseram vir nas quantidades rentáveis à estratégia, pelo que estes aparelhos deram um prejuízo financeiro monstro enquanto se deixavam mal servidos os passageiros que queriam vir para o Faial, o Pico e outras parcelas do Arquipélago que não São Miguel.

Após tanta propaganda do Governo dos Açores, agora além de não haver um número de ligações suficientes para o Faial e o Triângulo, estas poucas até deixaram de ser de confiança: ora por falta de equipamentos, ora por falta de tripulação, ora por falta de condições na pista por falta de quem tem o poder na Região assumir as suas responsabilidades em resolver a sério esta situação.

Read Full Post »

Bem dizia eu no Incentivo que mudaria o Presidente da Administração da SATA, mas que não previa grandes mudanças no serviço desta empresa ao Faial pois isto era uma estratégia do Governo dos Açores. Se antes deixou de pegar a desculpa de com bom tempo dizer que era o mau tempo. Agora a moda é: falta de tripulação técnica. A mesma má-vontade a mesma má gestão o mesmo mau serviço ao Faial.

Entretanto já conheço pelo menos já duas pessoas que perderam consultas médicas a que iam amanhã… para isto não há indemnização da SATA que pague o transtorno que pode provocar às pessoas pela sua má gestão.

Read Full Post »

Da análise do Incentivo ao relatório do acidente que o navio Mestre Simão sofreu deduz-se que: apesar de já se estar dentro da baía do porto e do navio não ter respondido às manobras que corretamente o mestre deu a partir do leme… a culpa é do mar! Não há problemas com o projeto de abrigo do porto, nem com as características do navio. Não há surpresas ou esperavam uma conclusão que responsabilizasse algo ou alguém que não a natureza?

Tudo como dantes no castelo de Abrantes.

Read Full Post »

Quase não há semana em que algo que envolva a SATA não acabe comprometido: desde viagens que não se fazem com desculpas esfarrapadas, a pretensas negociações de aquisição que vão bem e não se fecham, até operações que não se assegura no prazo. A administração nunca é responsabilizada e de facto a culpa é da tutela: o governo dos Açores está paulatinamente a destruir a transportadora e a sua credibilidade.

A administração parece aquele fantoche que está em cena apenas para servir de escudo dos maus, mas se um fantoche real não pensa e se na SATA alguém faz figura de fantoche de forma consciente é porque não tem vergonha de dar a cara enquanto vai assistindo à destruição da transportadora aérea pública regional.

Agora foi a situação do avião cargueiro, na Madeira o consórcio sabe operar, mas nos Açores lá tropeçou na SATA e esta é uma caixinha de imprevistos que já nem poupa São Miguel…

Quem pensou que o mal da SATA se iria restringir apenas a ilhas pequenas agora já começa a sentir os efeitos do veneno que mata aquela empresa

Read Full Post »

Older Posts »

%d bloggers like this: