Feeds:
Artigos
Comentários

Meu artigo no diário Incentivo de hoje.

EVOLUÇÕES DO ESTADO POLÍTICO A DAR LIÇÕES DE MORAL

Com os anos a passar por mim vejo-me cada vez mais a olhar para trás e a analisar a mudança dos tempos na sociedade. Depois pergunto-me: temos evoluído no bom sentido ou andamos às voltas e ficámos na mesma ou até recuámos enquanto se foi vendendo a ideia de avanço para que aceitássemos certas leis morais que nos foram impondo?

Um dos campos em que penso com mais frequência refere-se a questões de boa educação no trato social. Quando criança, a generalidade dos pais de então educavam-nos para que nos espaços com bancos ou em filas darmos o nosso lugar aos mais velhos, a senhoras com crianças ao colo, aos doentes ou outras dificuldades. Nem questionávamos isso, era uma questão de boa-educação.

Depois veio a fase em que a minha geração, onde muitos já eram jovens pais, foram politicamente alertados para os direitos das crianças e da cidadania. Então, os mais novos tinham os mesmos direitos dos adultos e os pais pagavam os seus impostos para que os serviços fossem obrigados a ter cadeiras para todos e as filas fossem rápidas. Era com orgulho que se via uma criança ou adolescente a ocupar um banco e a não ceder a sua vaga a nenhum adulto. Os serviços e os transportes nunca alcançaram o objetivo de rapidez e lugares para todos. Ninguém questionava, pois era moral cada um sentir-se um cidadão de pleno direito sem cedências desde pequeno.

A falta da qualidade de serviços levou a outra fase, o Estado impôs lugares reservados para pessoas que já não eram bem iguais, passou a haver nos edifícios e nas filas espaços para atendimento prioritário a certos grupos. Esta evolução não teve contestação, afinal, apesar de todos cidadãos, nem todos estamos em igualdade de condições e parecia justo tratar diferente casos distintos.

A seguir chegou a fase de inclusão. O Estado explicou a moral de que tudo tinha de ser feito de modo a não se distinguir ninguém de forma ostensiva e isso refletiu-se, sobretudo, nos espaços com filas como supermercados, venda de bilhetes, etc. Acabaram-se as caixas prioritárias (um bom motivo por vezes para ter menos uma pessoa a atender) e pode-se escolher a fila mais curta ou mais rápida que agora nada impede que após um tempo de espera não apareça alguém onde todos os outros são obrigados a ceder o seu lugar ou o trabalhador a chamá-lo, caso contrário: o cidadão já cansado de esperar, ou o operário, ou a empresa pagam uma multa por desrespeito à lei desta moral.

Nestas voltas, todas fomentadas pelo Estado, após os governantes se meterem anos a fio na etiqueta social e de desvalorizarem princípios de boa-educação que se aprendiam em família, tudo em nome de uma superioridade moral que certas ideologias estão sempre dispostas a vender, quem arranjou mais uma fonte de receitas foi o Estado e prejudicado ficou o cidadão comum de pleno direito.

Pouco depois do 25 de Abril o Estado criou uma disciplina no 7.º ano de escolaridade, penso que se chamava “Ciências Sociais”, e da qual fui aluno. Apesar do nome inocente, o seu programa era uma educação para a cidadania e ali se evidenciavam muitas das virtudes das economias de mercado central dos países de Leste e os defeitos do capitalismo no Ocidente. Talvez muito do que lá se aprendia fosse verdade, mas só se dizia uma parte de modo a moralizar os alunos para uma ideologia com superioridade moral sobre a outra. Calhou-me a sorte de ter tido uma excelente professora, penso que ela não desrespeitou o conteúdo da matéria, mas foi capaz de limpar a via tendenciosa e de mostrar de forma clara o jogo todo para não sermos alvo de uma lavagem cerebral.

Nos últimos anos o Poder em Portugal fez chumbar alunos por falta a uma disciplina de educação para a cidadania alternativa a religião e moral cujos pais não queriam os filhos a frequentar, isto por consideraram que nesta o Estado se estava a intrometer na sua esfera de educação. Confesso que, lendo na internet as diretrizes do programa da cadeira, concordo com tudo o que lá está, mas daí e vendo as voltas que é possível dar ao texto e como o Estado desbaratou a boa-educação em nome de uma moral maior e daí agora já cobra receitas, confesso que tenho muitas dúvidas e até medo de quem no fim tem razão, mas estou convencido, em política, o Estado fica a ganhar e não o cidadão.

Meu artigo de opinião de hoje no diário do Faial, “Incentivo”

PRECISAM-SE DE IDEIAS PARA O FUTURO DO FAIAL E DOS AÇORES

No final da passada semana, o Presidente da República promulgou a nova lei eleitoral para as legislativas da Região Autónoma dos Açores. Esta dá maior facilidade de conciliar a mobilidade dos açorianos com a possibilidade de exercer o direito de voto, criando condições para todos os eleitores deste ato deslocados fora da sua ilha de recenseamento poderem, naquele dia, votar noutra ilha deste Arquipélago, no da Madeira ou ainda numa das capitais de distrito no Continente, desde que comuniquem, atempadamente, onde pretendem exercer o seu direito de voto.

É verdade que este novo sistema permite reduzir uma desculpa para não votar. Agora se vai reduzir a abstenção… confesso, tenho muitas dúvidas pelo que abaixo escrevo, depois veremos se foi eficaz ou se o elevado número de eleitores que não votam fazem-no mesmo por não quererem votar.

Logo a seguir, o Presidente da República marcou a data das próximas eleições para o Assembleia Legislativa Regional da Região Autónoma dos Açores que, se não surgirem imprevistos até à última hora, ir-se-ão realizar no próximo dia 25 de outubro, coincidente com o dia proposto pela maioria das forças políticas com representação parlamentar regional e haverá excecionais exigências de saúde pública para não gerarem focos de contaminação pelo coronavírus SARS-Cov2.

Apesar das eleições, o que me preocupa é não estarem a surgir ideias novas, válidas e importantes nos vários partidos sobre o que pretendem para o futuro socioeconómico dos Açores, de modo a entrarem na agenda da discussão dos Açorianos e no confronto da campanha. À falta de ideias, o que até agora tem surgido é um desfile de caras a integrar nas listas candidatas dos diferentes partidos às eleições regionais e, como de costume, repetem-se as mesmas situações do passado que são essencialmente as três seguintes:

  1. O partido que está no poder repete a maioria das caras do parlamento ou do governo anterior nos lugares potencialmente elegíveis e consegue uma grande quantidade novos nomes, como estrelas conquistadas e capazes de melhorar o exercício da governação destas ilhas, para posições não elegíveis. Os antigos não apresentam ideias novas, limitam-se a dizer que agora é a vez de fazer o que não fizeram antes e os recém-chegados assistem calados e sem juntar novas ideias. No passado e acabada as eleições, a grande maioria destes novos nomes caiu no esquecimento como simples estrelas cadentes de vida política curta ou foram premiados para ocupar um lugar de nomeação política, vivendo neste limbo sem brilho. Os membros da força no poder que ansiavam por lugares elegíveis e deixados fora ficam caladinhos para evitar retaliações, pois mantém a esperança que, repetida a vitória, sejam lembrados para cargos na próxima máquina governativa.
  2. O maior partido da oposição, por ter um número de membros bem superior aos lugares disponíveis com perspetiva de eleição, tem neste período de apresentação de caras a preocupação de preservar os nomes que já são da máquina. Contudo, aqui não há o silêncio de todos os que ficaram de fora das vagas elegíveis, este sofre sempre o problema de ouvir neste altura protestos na praça pública, pois, como há pouca esperança de surgirem alternativas de nomeação a seguir às eleições, não há período de nojo para os preteridos que desejavam ocupar esses espaços ou para aplacar ódios intestinos aos escolhidos. Como habitual neste confronto, não se discutem ideias, só nomes.
  3. Os partidos mais pequenos têm escassez de membros para completar a suas listas e como praticamente qualquer lugar só é elegível com alguma sorte. Então, poucos estão individualmente a contar de facto com o período pós-eleitoral para ser eleitos ou nomeados, o que vier de bom será bem-recebido. Deste modo reina uma maior união em torno das listas, mas mesmo assim, aqui as caras novas surgem bem antes de haver lugar a qualquer nova ideia a defender.

Assim, apesar da nova realidade da pandemia, o período pré-eleitoral do ano de 2020 parece igual aos do passado, onde não se discutiram ideias que seriam bem-vindas. Só desfilam caras, o que não garante nada de novo e há ainda quem se admire com a habitual elevada abstenção nos Açores.

Agora com o caso de Reguengos de Monsaraz parece que Portugal acordou para a situação a que foram votados os idosos em lares. A verdade é que acuso o Governo e os Portugueses de pouco terem olhado para os mais velhos e ainda menos olharam para os idosos não institucionalizados.

Neste País só houve medidas para ostracizar idosos asilados e nem uma consistente para os que vivem em família. Houve para quem tinha crianças, o grupo de menor risco, mas nenhuma especifica para quem tinha velhos a seu cargo ou ativos em ambiente familiar, nem vi a sociedade olhar para isto.

Agora há mortalidade a mais não Covid e há risco a mais para idosos em lares e nas casas por onde estão distribuídos neste País e vejo duas explicações para isto:

  1. dava mais votos fechar escolas e creches para contentar um grupo profissional e casais novos, do que proteger de facto os mais vulneráveis a esta pandemia: os velhos, institucionalizados ou não.
  2. era bem mais fácil fechar instituições com crianças e serviços públicos e dava nas vistas do que de facto implementar medidas para proteger os idosos mantendo a sociedade a funcionar.

Infelizmente Portugal não foi o único, isto foi transversal à generalidade dos Estados democráticos no ocidente, agiram copiando-se uns aos outros sem corrigir o que estava mal… e insistem nos erros.

Meu artigo de ontem no diário Incentivo

DESCULPAS FALSAS E MÁ-VONTADE

No meu primeiro artigo deste ano para esta coluna, quando ainda nem se pensava na pandemia, escrevi “para o ano novo de 2020 que agora começou, insisto que a prioridade do Faial se mantém: é a questão do aeroporto. É verdade que existem outras necessidades menores nesta ilha, úteis para o Governo nos desviar do essencial, mas a que serve de demonstração de que quem está no poder vai atender ao maior anseio dos Faialenses: é a pista do aeroporto da Horta”.

A última visita do Governo dos Açores ao Faial veio dar razão aos meus receios de que o executivo regional fez tudo para desviar atenções do essencial, ofertou-nos com um conjunto de projetos mais ou menos importantes e deixou de fora o principal: a ampliação da pista do aeroporto da Horta. Tal como deixou atrás aquela que talvez seja a mais antiga e a mais importante das restantes reivindicação da ilha: a conclusão da variante à cidade da Horta.

Na questão do aeroporto, há políticos no poder regional que continuam a vender a mentira de que os Açores não investem na ampliação desta pista por este ser de uma empresa privada, quando é falso! Só a gestão está concessionada à Vinci. Mas a infraestrutura é nacional, localizada nesta ilha e daqui ninguém a tira para a levar para outro lugar como aconteceu já com outros investimentos.

Vasco Cordeiro pode dar as voltas que quiser, a única verdade é que não disponibiliza verbas do orçamento regional para esta obra apenas porque: Não Quer! Não se esconde em desculpas reais de mau pagador, inventa uma falsa para a sua má vontade! Sei que há um coro de gente local que o acompanha sabendo a verdade toda, mas propaga a mentira imposta e obedecendo espera um cargo para si em detrimento de defender o interesse geral dos Faialenses.

Quanto à variante, gostei de ler um artigo na passada semana no Incentivo, escrito por um jornalista da ilha não envolvido com partidos. Este denunciava a falácia vendida pelo Governo dos Açores de que não podia completar a variante à Horta por o executivo do anterior Primeiro-ministro ter acordado que o financiamento de estradas tinha uma “prioridade negativa”. Isto quando precisamente este governo regional, que usava tal desculpa, acabava de anunciar a construção de duas variantes na ilha de São Miguel. Aprendam: para nós a desculpa de que o tipo de projeto não cabe nos financiamentos comunitários mas ao mesmo tempo cabem dois se for para outra ilha.

Assim vemos que as duas obras em que os Faialenses mais se envolveram nas suas reivindicações são precisamente as que o Governo dos Açores não atende. Tal deve-se apenas à falta de vontade do Governo Regional em resolver as necessidades maiores do Faial. Má Vontade, insisto, e algumas pessoas aqui residentes e encostadas ao poder repetem os falsos argumentos mandados de cima para nos enganar. Só não vê quem não quer ver a verdade. Mas em democracia somos livres até de apoiar a mentira e de nos deixarmos enganar.

Apesar da recusa de Vasco Cordeiro em atender ao essencial desta ilha, reconheço que o Governo dos Açores deu-nos um conjunto de outras prendas interessantes e benéficas para o Faial de modo a nos entretermos com isto e não darmos atenção ao essencial e estou convencido que muitos até ficam imensamente agradecidos e deixam-se levar neste engodo.

Cortar fitas de uma obra que ainda não sabemos quando e como vai entrar em funcionamento, assinar protocolos de cooperação com instituições da ilha e anunciar projetos foi de facto uma mão cheia de prendas que o Governo dos Açores no legou. Só faltou mesmo o mais importante: assumir comparticipar na ampliação da pista do aeroporto da Horta de modo a facilitar e a desbloquear a execução desta pretensão; e assegurar a construção da segunda fase da Variante à Horta, uma infraestrutura fundamental para o bom desempenho do projeto do Município e já em implementação de arranjo e reordenamento da frente-mar da cidade.

Para já há quem continue a tentar tapar-nos os olhos e a camuflar a verdade dos factos, enquanto outros conscientemente não querem ver a verdade, mas a democracia tem destas coisas.

Segundo dados do Público de hoje, só em julho morreram em Portugal mais 2137 pessoas do que no mesmo mês do ano passado e o Covid-19 só justifica 1,5% deste excedente.

O Governo, sem a fiscalização da oposição, limita-se a dizer que foi do calor, a verdade é que o número de mortes anormalmente alto já vinha dos meses mais frios e durante os quais nunca a oposição apertou os calos ao Executivo para perceber porque os Portugueses sem Covid estavam a morrer tanto sem se perceber o porquê.

A verdade é que nos últimos tempos, mesmo se descontarmos as mortes por Covid-19, o número de mortos em Portugal subiu excessivamente, são mais do que as próprias mortes provocadas pelo SARS-Cov2 e ninguém da oposição cumpriu eficazmente o seu papel de fiscalizar o Governo nesta matéria.

Quantas pessoas desta mortandade em Portugal nos últimos meses estariam hoje vivas se Rui Rio tivesse cumprido o seu papel de fiscalizar o Governo como líder da oposição estando atento ao muito que havia para fiscalizar desde o início da da pandemia neste País? Nunca o saberemos penso eu, mas suspeito que muitas.

Meu artigo de opinião publicado ontem no diário Incentivo.
 
SEM SEMANA DO MAR E POUCO CORREIO
Fosse este um Verão normal e esta semana, talvez estivesse a escrever sobre a Semana do Mar 2020, o seu programa lúdico, que por norma é mais debatido em público do que o náutico que está na raiz da festa, e a confessar, outra vez, que apesar da sua pequena inovação desde há décadas e de já não ter a projeção regional que teve no século passado, até pela atual concorrência das festas da Praia da Vitória, eu continuava a ser um assíduo participante desta, sobretudo, pelo convívio com os amigos.
Mas, infelizmente, devido à pandemia, este ano não há Semana do Mar. Um festival que apenas me lembro de ter sido interrompido na sequência do sismo de 9 de julho em 1998. Só espero que este vazio sirva para refletir sobre a possibilidade de se inovar e projetar este evento sem mais interrupções por motivos de calamidade local, regional, nacional ou global como a de este ano.
A verdade é que se neste Verão escasseiam festas na ilha, o mesmo acontece com o serviço de correio, pelo menos em várias freguesias do norte do Faial. Eu já me tinha apercebido de atrasos de correspondência vinda do Continente, mas eis que Faialenses residentes nesta área rural começaram a chamar-me à atenção para os atrasos nos jornais locais, um assunto de que ninguém denunciava publicamente. Após investigações, confirmei a razão dos lamentos, como se não bastasse já o isolamento social devido à pandemia e a paragem da Semana do Mar, veio agora juntar-se a redução da prestação de outro serviço de contacto das pessoas: o dos correios no Faial.
Teoricamente, o serviço de correios estaria a ser prestado nesta estação em dias alternados (o que não acontecia nem no tempo do famigerado Salazar!), mas depois e segundo testemunhos, nem isto! Curiosamente, o melhor meio de controlo desta realidade veio de assinantes do “Incentivo”, este como jornal diário é distribuído com esta periodicidade mas tem faltado nas caixas dias seguidos, sendo estas depois atafulhadas com esta publicação e outra correspondência acumulada.
Efetivamente, passar a receber nos alvores da terceira década do século XXI as notícias “frescas” dos jornais locais com um atraso de mais de 72 horas é um retrocesso civilizacional injustificável. Receber no início da semana de trabalho o semanário local feito para ser lido ao longo do fim de semana não lembra a ninguém com bom-senso.
Não é a privatização que justifica as queixas de tão mau serviço de que me fizeram chegar, mesmo reconhecendo que o economicismo privado não é pródigo a servir a população. Isto acontece ou por má gestão ou escassez de carteiros para as necessidades de assegurar um serviço mínimo que não comprometa a sua qualidade. Conheço muitos destes profissionais na ilha e sei que eles dão o seu melhor. Não se compreende que nem haja o cuidado para que a correspondência local para o fim de semana chegue a tempo neste serviço que é pago.
Não é admissível que num concelho urbano que até tem a sede do Parlamento Regional e órgãos do Governo dos Açores haja localidades a escassos quilómetros destes que estejam a ter um tão mau serviço de correios nesta época e nenhuma entidade política tenha a iniciativa de assumir publicamente que está a intervir no assunto. Num meio tão pequeno isto não pode estar a passar despercebido das autoridades que devem defender o Povo sem ser com um fechar de olhos destas.
Recebi há dias uma carta do Governo dos Açores a informar-me que vem esta semana visitar o Faial e está disponível para me receber como Faialense. Agradeço a amabilidade, mas deixo-lhe o tempo que estaria reservado para me ouvir na ilha para poder intervir no sentido de resolver o problema acima denunciado. Sei que apesar de muitas vezes os Governantes gostarem de descansar à sombra do argumento de que os Correios foram privatizados, recordo que o caderno de encargos tinha exigências de serviço público a assegurar pelo privado que os adquiriu, cujo incumprimento leva a penalizações, pelo que o Governo tem trunfos para agir e impor uma correção nesta matéria com as armas legais que dispõe. Se os Correios não estão a cumprir a sua parte, ao menos que o Governo dos Açores faça a sua: investigue, verifique e, em caso de incumprimento, faça cumprir ou penalize.
 

Meu artigo de de hoje no diário Incentivo:

UM VERÃO DIFERENTE E A QUESTÃO DO QUARTEL DE BOMBEIROS

Não haja dúvida que a realidade da pandemia está a tornar este verão diferente: os turistas são poucos, menos ainda que na época baixa, embora eles já andem por aí e cruzo-me com eles nos mais diversos pontos a visitar o Faial.

Mas a diferença é mais evidente por estarmos em ano de eleições legislativas e ver-se um pacífico confronto político, é como se o dia dos votos estivesse muito distante. Sem dúvida que a estratégia da oposição desaparecer durante o período de emergência não deu espaço à reentrada posterior de um debate de ideias sobre o que se pretende para os Açores no ciclo pós-pandemia, mesmo sem se saber quando este vá terminar já que tudo aponta para que o seu fim não esteja próximo.

É verdade que o Governo dos Açores, quer através de visitas estatutárias, quer por iniciativas das suas Secretarias Regionais, lá vai apresentando quase diariamente projetos em vias de arrancar no terreno ou iniciativas de projetos a passar a papel; sinal claro que está atento ao período pré-eleitoral que atravessa. Mas exposição e debate de ideias para o futuro dos Açores neste verão: nada!

Entre os projetos cujo papel está pronto para arrancar no terreno, felizmente, está o Novo Quartel de Bombeiros do Faial a construir em Santa Bárbara. Efetivamente o atual, talvez o mais bonito de todos os que já vi na Região, enferma de numerosos constrangimentos devido à sua longa idade, enquadramento urbano e o evoluir das exigências aos soldados da paz em termos de serviços operacionais de Proteção Civil.

Recordo-me de há vários anos ter sido pessoalmente auscultado sobre a localização em Santa Bárbara e lembro-me então, dado o troço da variante então em construção, o outro a pensar-se construir e as características geológicas do sítio de implantação, ter sido de opinião que o Novo Quartel de Bombeiros do Faial teria um enquadramento excelente para servir bem toda a ilha.

Depois disso, o segundo troço da variante à cidade da Horta caiu, apesar de quase concluído em papel não saiu dos gabinetes do Governo para o terreno e a realidade do magnífico enquadramento para servir bem toda a ilha mudou: o que também já denunciei há uns anos aqui neste jornal.

Fico contente se a obra for em frente, mas já não posso dizer que o enquadramento permite melhorar a rapidez de atendimento a todas as partes da ilha. Há zonas que ficarão com condições de prestação de serviço mais rápidas: as freguesias do lado sul. Mas, sem o segundo troço da variante ou sem uma alternativa de acesso livre e desimpedido que assegure uma circulação a grande velocidade em segurança para o norte da ilha, esta zona poderá sofrer maiores demoras de atendimento que urge pensar e compensar.

Não vale a pena negar a situação, o estado de negação só serve para não resolver o problema. Há sim que encontrar soluções. Se não for a variante, a que antes estava preconizada, então que seja outra. Passar a obrigar os veículos de socorro a circular ao longo de toda a cidade de sul a norte não torna mais rápido o trajeto para chegar às freguesias além Espalamaca. O percurso pela rua da Travessa no início parece desafogado, mas desemboca em afunilamentos na Volta ou em Santo Amaro que não estão resolvidos. Analisar a questão de forma séria e sem partidarismos é necessário.

Não usufrui ainda do novo Largo do Infante, mas já vi que está diferente. Uns gostarão mais, outros menos. Uns defenderão apenas por quem fez, outros criticarão por ser quem fez. Eu não me vou pronunciar num arranjo que tem virtudes e defeitos mas onde o essencial é todo o conjunto da Frente Mar da Horta ainda por concluir. Tal como acontece com o projeto de Saneamento Básico da cidade de que já não se fala. Apreciar bocados de projetos globais por concluir dificulta um juízo válido do todo e, tal como já demonstrei hoje no caso da variante, o não se fazer tudo o que estava convenientemente planeado no início pode dar depois resultados bem diferentes do idealizado. Espero para ver tudo um dia…

Os que se regozijaram com o facto de Bolsonaro estar contaminado e a sofrer de alguns sintomas ligeiros de Covid-19, o homem que sempre desvalorizou a doença e a pandemia, esquecem-se que no caso de ele não passar por uma situação crítica como a de Boris Johnson esta infeção pode-lhe dar mais trunfos do que nunca para criticar todos os que defendem medidas duras para proteção da propagação da doença em detrimento da economia.

O homem que sempre disse que se fosse contaminado esta não seria mais do que um simples resfriado ou uma gripezinha pode de facto provar que consigo foi assim.

Assim, se for ligeiro o modo como ele atravessar esta doença, esta pode tornar-se num dos trunfos e ele usará isso quando falar da sua situação em particular como prova de tudo o que dissera antes.

Então veremos os seus adeptos mais fãs da sua estratégia, o Brasil mais dividido nesta guerrilha e temo que muito pior do que já está neste momento e Bolsonaro sairá reforçado politicamente perante os seus seguidores.

Sim, há a probabilidade de acontecer-lhe pior, mas pelas estatísticas face à idade estas são lhe favoráveis aos seus intentos em cerca de 80%. Já imaginaram isto?

Pode até estar inocente de tudo o que dizem dele em relação a casos que o apontam que deveria ir a julgamento. Agora não me lembro de no meu tempo de adulto de nenhum Presidente do Benfica em funções ser levado à condição de réu por casos gravosos de prisão… Vale Azevedo só viu a justiça portuguesa cair-lhe em cima quando saiu do cargo de presidente do Benfica.

Assim, não sei se esta candidatura é pelo clube, o do meu coração, ou para suspender a justiça… a dúvida é para o réu que sem julgamento se presume inocente, mas esta situação também não elimina a incerteza nem demonstra a inocência.

Meu artigo de 30 de junho no diário incentivo:

HORTA ABERTA AO MUNDO E PARABÉNS À CIDADE

No tempo que parece o da duração de um relâmpago concluiu-se o mês de junho, não se deu pelo Santo António, o São João não foi à Estrada da Caldeira e nem o São Pedro desceu a vários portinhos do Faial. Só a pandemia é que se eterniza a ameaçar o mundo à nossa volta, insiste em não passar rápido e a humanidade anseia por uma cura efetiva que elimine o seu carácter mortal.

A nossa ilha, felizmente, já tem a sua marina aberta e o nosso aeroporto também retomou as suas ligações diretas ao Continente. Só que, para azar nosso, esta retoma coincidiu precisamente com um novo surto do SARS-Cov2 na região de Lisboa, o qual tristemente já remeteu o nosso País para o segundo pior lugar entre os Estados da União Europeia no que se refere ao aparecimento de novos casos de contágio por milhão de habitantes, mais grave que nós agora só mesmo a Suécia.

Infelizmente, isto aconteceu logo a seguir aos nossos Governantes terem, por interesse político, promovido a ideia de que o pior já passara e éramos dos melhores na Europa. Até foram a espetáculos com milhares pessoas em recinto fechado. Agora, tanto o Primeiro-ministro como o Presidente da República, têm o desplante de acusar de irresponsabilidade simples jovens que depois disso fizeram festas com centenas de participantes. Quem foi que começou por dar o mau exemplo?

Como de costume, os Governantes, quando as coisas correm bem, elogiam-nos enquanto chamam a si louros do sucesso, mas se por erros deles isto dá para o torto começam logo a acusar o Povo.

Embora os Açores tenham implementado uma estratégia de controlo de potenciais contaminados com o SARS-Cov2 para as pessoas que entrem na Região, infelizmente este método não é completamente eficaz, não só pela possibilidade de poderem ocorrer falsos negativos devido a uma contaminação ainda muito recente do infetado, como alguns com teste feito no Continente puderem contaminar-se logo a seguir no aeroporto, situado mesmo junto às freguesias de maior risco de contágio em Portugal, ou no avião. Por isso compreendo os novos alertas lançados há uma semana pela Unidade de Saúde da Ilha do Faial, pois agora o perigo dos Faialenses serem apanhados pelo Covid-19 é bem mais elevado do que desde abril último até ao passado dia de São João.

A demonstrar este risco já houve a situação de apenas numa segunda análise de um visitante a São Miguel este ter dado positivo e quando o alerta saiu o mesmo já nem se encontrava naquela ilha: o que desencadeou uma busca de potenciais contactos suspeitos, felizmente parecem ter escaparam ilesos… mas pode não ser sempre assim e no futuro pode acontecer ao contrário aqui no Faial.

Infelizmente, agora que o risco subiu passei a sentir aqui no Faial um maior relaxamento e vi a maior contestação em Faialenses à tomada de medidas de precaução para evitar o contágio. Certo que eram pessoas de idade com menor risco de desenvolverem sintomas graves da doença, mas não só contactavam com outros que eram próximos de idosos, como com visitantes. Cada vez tenho mais a ideia de que no desconfinamento muitas das medidas foram demasiado transversais e pouco específicas para proteger os mais velhos e os seus contactos próximos. Não é por certos Serviços Públicos terem atendimento exclusivo a idosos entre as 9 e as 11 horas que eles ficam mais protegidos, o vírus não é um noctívago que fica na cama até tarde durante a manhã: contamina a qualquer hora. Neste surto, Lisboa pode exportar contágios e atingir idosos em várias regiões.

Nesta semana a Horta fará 187 anos como cidade, não haverá também a habitual festa do mercado, apesar deste agora estar renovado e ser um espaço convidativo para passar umas horas numa noite de verão, nem haverá outras celebrações oficiais comemorativas que reúnam muita gente, mas ficam aqui os meus Parabéns para esta cidade da Horta onde trabalho e ao seu concelho onde decidi viver por amor a esta Terra das minhas raízes e onde tive a oportunidade de trabalhar. Faço votos para que a Horta tenha um futuro brilhante e os seus filhos possam continuar a ter orgulho nesta Ilha e ainda encontrem a oportunidade de cá se empregar, viver e de serem Felizes.

%d bloggers like this: