Feeds:
Artigos
Comentários

Meu artigo de ontem no diário Incentivo:

PLACA GIRATÓRIA DE PASSAGEIROS EM PONTA DELGADA DE VENTO EM POPA

Não haja dúvida, devagarinho, mas não tão devagar quanto se possa pensar, aquela infeliz intenção, que qualquer pessoa perspicaz verifica existir no Governo dos Açores embora nunca assumida às claras por este, de transformar o aeroporto de Ponta Delgada na placa giratória de entrada e saída dos passageiros residentes ou visitantes ao nosso Arquipélago, vai avançando na prática.

Às vezes a Administração do grupo SATA, nomeada pelo poder regional e por isso destinada a ser serviçal à estratégia centralista dos transportes aéreos pretendida pelo Governo dos Açores, comete uns descuidos comunicacionais e lá tem de recuar nas palavras ou dar a volta para acalmar a coisa. Assim aconteceu no inverno passado com o excessivo descaramento e deste modo fácil de rebater por quem tinha acessos aos números e não tinha complexo em defender o Faial, quando, com estatísticas trabalhadas para apoiar a intenção oculta de desviar passageiros para Ponta Delgada, Paulo Menezes deu uns valores de baixa ocupação dos aviões da rota entre Lisboa e Horta para a esvaziar e não atender às justas reivindicações dos Faialenses nesta ligação.

Foi um deslize mal feito e logo rebatido por certos Faialenses atentos e não subservientes aos interesses de quem está no poder. Então a Administração lá se remeteu ao silêncio para a coisa passar, mas não houve mudança estratégica que comprometesse a intenção de levar a cabo a placa giratória no aeroporto João Paulo II. Pena este nome, pois o Santo até não tem culpa nenhuma destas diabruras do Governo Regional!

A estratégia de centralizar o transporte de passageiros em S. Miguel continua também a aproveitar o acordo de serviço público nas ligações entre os Açores e o Continente ao fazer que seja mais barato quase sempre as viagens do Faial, Flores ou Pico para Lisboa se o passageiro optar por uma rota com escala em Ponta Delgada, acredito que isto é para esvaziar em primeiro lugar a rota direta ao exterior a partir da Horta.

Efetivamente este centralismo vai de vento em popa e já começou a atingir a Terceira com o fim da sua ligação direta ao Porto pela Azores Airlines, aquela ilha sofre agora na pele o seu erro estratégico de tentar dividir outras menores do Arquipélago, a pensar ficar com as migalhas dos mais pequenos, mas, como acontece nestes casos, nem fica com estas e até é espoliada pelo topo fortalecido. Estou solidário com os protestos terceirenses, embora estes sejam o fruto amargo da sua opção errada contra nós e serviu apenas aos defensores da placa giratória em Ponta Delgada.

Não deixa de também de ser estratégia deste centralismo de transporte aéreo a demora que estamos a ter na efetiva concretização no aeroporto da Horta do projeto RISE, o apoio aos argumentos contra a ampliação da pista no Faial e até a facilidade com que se desviam aterragens para outra ilha às menores dificuldades em chegar à freguesia de Castelo Branco, mais ainda, se depois a ligação ao destino final pretendido parecer descoordenada como se queixaram passageiros que na terça-feira passada, com bom tempo e apenas uma brisa ligeira cruzada na pista, viram o voo da Azores Airlines ir para o Pico. Até porque para este argumento subsistirão sempre dúvidas, bem exploradas pelos centralistas, entre as condições reais, a sua afetação no avião e a sensibilidade do piloto, que favorecem a centralização que, como Faialense, recuso.

Não sou contra a expansão de outras rotas e infraestruturas, mas já não é a primeira vez que estas são usadas apenas para espicaçar divisões entre ilhas mais pequenas, mas depois do veneno injetado são esvaziadas sem nenhuma outra contrapartida, mas com novo reforço do centralismo da placa giratória em Ponta Delgada. Mas há gente que ainda não aprendeu com a repetição desta maldade!

Há muito que existem políticas centralistas nos Açores, por vezes claras, como a de tirar a Rádio Naval da Horta só para a colocar em Ponta Delgada, mas as mais perigosas são as implementadas com subterfúgios a argumentos falsos e a contar com os Migueis Vasconcelos nas ilhas mais pequenas que por um cargo colaboram com o inimigo, por vezes cegos pela sua grande ambição.

Apesar do muito que se tem falado de estudos pagos por cá, mas incapazes de levar a compromissos dos destinatários a executar o projeto de ampliação da pista da Horta, é a intenção disfarçada do Governo dos Açores de centralizar as ligações aéreas para o exterior em Ponta Delgada que vai avançando contra a nossa vontade de vento em popa e tornando-se cada vez mais irreversível.

Duas semanas de encerramento de uma via tão importante e a única estrada que une nos dois sentidos o norte da ilha do Faial ao sul através da zona urbana da Horta para instalar equipamentos da festa da Semana do Mar, que se sabem ser sensivelmente sempre os mesmos,  é muito tempo para uma terra desenvolvida, mas é legal e manda quem pode… mesmo que mande mal ou mesmo muito mal.

Há sempre a hipótese de quem manda também ter a mentalidade, não assumida, de que não governa uma terra minimamente desenvolvida social e culturalmente para se aperceber disto ou a consciência de que uma maioria dos seus eleitores se deixa mesmo tratar assim mal. O que é pena, mas é possível, pois tal abuso  repete-se há anos e tem saído impune a quem depende de eleições democráticas e assim tem mandado.

Há duas coisas que odeio na linguagem futebolística: a demagogia e mentira que se iguala à da política para disfarçar o que não está bem; e a maledicência contra os adversários com graves acusações, semelhante à da política para enfraquecer os opositores. Falando claro: o plantel do Benfica tem problemas, nomeadamente lacunas graves a preencher e Rui Vitória sabe isso e eu sou benfiquista mas não aceito que me tomem por ingénuo.

Nem acredito que Rui Vitória esteja já satisfeito ainda com este plantel, nem eu estou. É desvalorizar a inteligência dos benfiquistas dizer isso agora, mesmo que aprenda mais e se corrija melhor os problemas para a época com os desaires da pré-época do que com os sucessos desta.

Contudo, para o que der e vier estou sempre ao lado do meu Benfica

Não sei porquê, nem se onde isto irá parar e quais as consequências para o futuro de Portugal. Sei que no seio de tantas boas notícias, aquela que de facto não muda é o crescimento da dívida pública portuguesa, sendo o nosso País o Estado onde esta é das mais elevadas de toda a Europa. Mas não foi o excessivo endividamento que levou Portugal à crise de 2011? Certo que os juros estão mais baixos e isso reflete-se no défice. Mas será sempre assim? Como se dá a volta a este problema nacional?

Mas por agora lá nos vamos aliviando com as boas notícias de curto-prazo e quem levantar preocupações de longo-prazo é mau…

 

Estava bom tempo. Fixe bem esta verdade: BOM TEMPO! Nada de alertas meteorológicos à vista, nada de vento forte, nada de nevoeiro, nada de teto baixo, nada de neblina, nada de trovoada, nada de chuva, mas a companhia do Governo dos Açores que se farta de desrespeitar os Faialenses voltou a não aterrar no aeroporto da Horta. Comentários são desnecessários. Mas há quem sinta as costas quentes e até tenha aliados nesta ilha para que coisas inexplicáveis contra esta ilha possam acontecer impunemente.

Falta ainda saber porque o avião optou por aterrar noutra ilha… terá simplesmente ficado convencido que com o aumento dos toques noutro aeroporto já nem precisa de aterrar no Faial nos voos destinados à Horta? :-O

Desde o início que Costa usa com sucesso a sua estratégia comunicacional: tudo o que de bom tem acontecido durante a sua governação são louros seus, o que de mau aconteceu é herança do passado, ora do anterior governo, ora de uma empresa privatizada. Mas o SIRESP não saiu de uma ideia original dele e negociada por ele no passado com a PT? Não é esta rede uma herança mesmo de Costa e do modo como a deixou criar?

Claro que isto também só funciona porque há outra estratégia associada com o conluiu de muitos que conseguiram implantar socialmente a seguinte ideia:  toda comunicação social ou comentador que questione incomodamente o atual Governo não é isenta e é partidária do anterior executivo e como este, além dos seus erros se tornou impopular paga pelas falhas do seu tempo e as da atualidade… e como a subserviência do pensar bem não permite dar ouvidos ao contraditório de quem questiona Costa continue a sair impune dos lapsos de que ele e a sua equipa é culpada.

Quanto tempo isto vai durar? não sei.

Mas que continua resultar… continua, pois muito Português também não sabe ter espírito crítico suficiente e deixa-se levar por esta ideia de que todo o mal vem da governação impopular (mas algum mal vem mesmo de então) ou de uma empresa privatizada que por isso deixou de estar em estado de graça no modo politicamente correto de pensar em Portugal, como se as maiores desgraças não tivessem vindo do tempo em que a PT era pública.

Até conheço gente que considero capaz que se deixa levar na conversa e não lê jornais ou ouve opinadores incómodos aos atual regime, como se a verdade não se tornasse mais evidente após se ouvir o contraditório ou será que têm medo dessa mesma verdade?

Pinto da Costa não foi inocentado pelo Conselho de Justiça, simplesmente, por questões processuais o Conselho de Justiça recusou a aceitação das provas que antes o levaram à sua condenação, é algo como: sei que as provas existem, estão disponíveis, mas não as aceito face às regras do jogo.

Não há pior condenação pública do que não ficar provada a inocência mas apenas a recusa das provas de culpa conhecidas publicamente.

O futebol há muito que e um campo de jogos sujos, não pelos jogadores, mas por gente nos bastidores que mexem os cordelinhos fora de campo. A verdade é que não vi nenhuma prova nos últimos tempos de interceção de troca correspondência de clubes adversários ao Porto e denunciadas por este resultar de mandatos de juízes… por aqui já se vê quem pode ficar descansado face a este precedente que até parece ter sido encomendado pelo principal adversário do FCP.