Feeds:
Artigos
Comentários

Eutanásia, reflexões

Pelo credo que professo não sou dono da minha vida ou do meu corpo, mas sou livre de decidir sobre isso e é desta liberdade que resulta a minha responsabilidade perante Deus das minhas decisões. É por eu ser livre que não me sinto no direito de impedir o outro, crente ou não, de em liberdade decidir conscientemente se quer pôr termo à sua vida e para tal recorra ajuda se fisicamente incapacitado para isso.

Há o caminho dos tratamentos paliativos e estes devem estar sempre disponíveis a todos, mas infelizmente não estão e o mau é querer-se morrer por falta de paliativos que a ciência já tornou possíveis, mas pior ainda, é impedir-se alguém de livremente escolher e obrigá-lo a aceitar o tratamento paliativo porque pela fé ou ética de terceiros ele não é livre.

Há riscos de abusos e de desvios ao legislado. Sim, mas presentemente e com limitação da liberdade de um direito individual esse problema já existe e para o incumprimento da legislação continuará a haver penalizações.

Nem a Eva, na tradição da minha fé, se impossibilitou o direito de desobedecer e muito menos foi impedida a intervenção da serpente, tal não invalidou que ela tenha livre e devidamente informada optado pelo que é considerado o mal…

Anúncios

O meu artigo de hoje no diário Incentivo:

A ESTRATÉGIA DA SATA CONTRA O FAIAL TEM MUITOS ANOS

Recentemente reli alguns dos meus escritos passados para o Incentivo e deparei-me com este texto de abril de 2010: “São necessárias medidas concretas e transparentes que assegurem que a SATA cumpre convenientemente o serviço público nas ligações aéreas ao Faial e, em caso contrário, tem de ser duramente penalizada. Pois se nenhuma empresa deve prejudicar as nossas ilhas, muito menos uma empresa dos Açores tão intensamente comparticipada para garantir esta rota.”

No artigo era evidente que o tema resultara dos protestos dos Faialenses face aos anormais e frequentes cancelamentos da SATA na rota entre Lisboa e Horta nos dias em que esta assegurava a ligação em comparação com o mesmo serviço feito pela TAP. Assim, já há mais de 8 anos que o Faial é maltratado pela SATA. Recordo que o então Presidente da empresa, Luís Parreirão, mais tarde se demitiu pela ingerência do Governo dos Açores que não lha permitia gerir de forma conveniente e desde que a liderança da transportadora aérea regional se acomodou ao executivo regional as reclamações dos Faialenses por este serviço da SATA tem vindo progressivamente a aumentar e a qualidade do serviço da agora Azores Airlines tem-se degradado.

Este historial e a contradição do discurso do atual presidente do grupo SATA que garante que a empresa assegura o necessário ao Faial enquanto os Faialenses sentem a falta de lugares e o cancelamentos nos voos, evidenciam que o problema resulta de uma intenção estratégica, com cobertura do Governo dos Açores: desvalorizar e esvaziar a rota direta Horta-Lisboa.

Não sei como fundamentava o PS-Açores esta maldade às estruturas de ilha do partido e aos seus eleitos pelo Faial, mas estes deixavam-se convencer, pois só tal justifica que tenha levado anos a que o poder rosa do Faial em vez de apoiar os protestos dos Faialenses e juntar a sua voz às criticas pelo serviço da SATA tenha, na maioria dos casos, desculpado a empresa e inocentado o Governo dos Açores, isto enquanto a ilha vinha a ser prejudicada cada vez mais intensamente.

A verdade é que com esta cooperação as coisas chegaram a um extremo que nunca deveriam ter chegado. Só nos últimos meses parece começado a haver uma aproximação entre o Presidente da Câmara da Horta e os protestos dos Faialenses, desejo que resulte de uma conversão sincera, depois disto ter ido demasiado longe pois há culpados no Faial e a estratégia de ataque não parou.

Entretanto perderam-se muitas oportunidades de se resolver a questão, não sei quantos Faialenses foram de facto prejudicados nas suas vidas até hoje por não poderem viajar quando necessitaram, não sei quantos turistas deixaram de nos visitar e o impacte que isso teve nas empresas de alojamento e restauração da ilha, não sei quantos investimentos não se fizeram no concelho da Horta porque a viabilidade económica parecia comprometida face aos obstáculos criados na ligação a Lisboa e nem sei quanto tal maldade terá pesado para que a pista não tivesse sido ampliada desde que foi reconhecida a necessidade dessa obra.

Infelizmente há muitas incógnitas, mas há que manter estas reivindicações, tentar recuperar o tempo perdido e, sobretudo, não deixar que esta maldade contra o Faial prevaleça e andem por aí alguns oportunistas a tirar dividendos à custa das dificuldades da maioria dos Faialenses.

Após anos em que os Procuradores da República mandaram arquivar investigações aos governantes, aos dirigentes de clube e a outros poderosos, agora sente-se que a Justiça começou a enfrentar em Portugal os graúdos do sistema. Joana Marques Vidal é o rosto desta mudança na Procuradoria. Há uns meses viu-se a tentativa do Governo de a afastar e a cobardia da oposição em a suportar. É momento da estratégia política de apoiar a atual procuradora, antes que seja tarde.

É verdade que nada chegou ao fim em termos de tribunal, mas já subiu a um patamar que nunca havia alcançado desde o 25 de Abril e parece ter força de impulsão para subir ainda mais.

Também é verdade que ainda há casos arquivados que não ressuscitaram e deveriam voltar a ser reabertos, para não dar a sensação de que uns saíram impunes por no momento da investigação a Justiça fechar os olhos aos poderosos e outros poderosos tiveram o azar de se depararem à frente da procuradoria com uma pessoa que exerce de facto as suas funções de Procuradora Geral da República. Por vezes é uma obrigação olhar para trás e corrigir o mal feito.

Este aspeto torna-se ainda mais importante porque pode levar à convicção de que na política houve uma perseguição parcial a graúdos quase a um só partido, a um só clube e daí em diante e esta suspeita pode ser mortal para a continuidade de uma procuradoria geral da república como deve ser também no futuro.

Marcelo ao assumir que não se candidata se tudo correr tão mal este ano ao nível de incêndios como no ano passado, colocou uma pressão enorme sobre o Governo, embora seja improvável dois anos seguidos tão maus, é um risco para o Presidente, mas se alguém com tão grande popularidade disser que não se candidata devido ao caos na proteção civil na questão dos fogos, uma forma de dizer que a culpa não pode morrer solteira, como fica António Costa?

Um caso perfeito do que se pode dizer como é exercer o magistério de influência da Presidência da República, diplomaticamente de forma muito inteligente, Marcelo pressionou o executivo de uma forma como nunca tinha visto.

ascensão

O livro “Portugal ascensão e queda” expõe a estratégia de sobrevivência da independência de um Portugal pequenino face à muito mais poderosa Castela e depois Espanha, o que permitiu que este País sobreviva há mais de 800 anos contra dificuldades que praticamente o tornavam inviável quase desde o início.

Apesar disso, Portugal, com inteligência peculiar, sobreviveu à crise de 1383-85 dando voltas às regras de legitimação de um rei e preservando a sua independência com a implantação da dinastia de Avis, a que tornou o fraco Portugal numa potência mundial contra todas as possibilidades.

Depois dá-se o declínio e perda da soberania em 1580, mas o autor explica porque D. Sebastião não agiu em Alcácer Quibir por leviandade como muitos têm dito, fazia sim parte da mesma estratégia que obrigava o País a arriscar para sobreviver. Correu mal, mas havia uma lógica coerente no objetivo.

Depois das dificuldades, foi a persistência de mito do sebastianismo que permitiu a restauração da independência, foi a estratégia original de sobrevivência que permitiu novamente contra as regras a dinastia de Bragança prosseguir com este reino separado de uma Ibéria unida a Madrid e foi esta peculiar estratégica de Portugal que fez Napoleão tropeçar por cá, que permitiu perdurar o domínio colonial e até a longa duração do poder de Salazar e foi o afastamento acelerado desta via que fez com que a descolonização fosse mal feita e desse origem a outras guerras.

O 25 de Abril abriu novas possibilidades, houve pertinências e oportunismos, hoje há um saudosismo da imagem de glória de passado, mas talvez um esquecimento da continuação da estratégia que permitiu Portugal sobreviver.

Jaime Nogueira Pinto, sendo um pensador desalinhado com o politicamente correto, mesmo com algumas ideias extremistas e sem sofrer de hostilidade preconcebida a Salazar e ao seu regime, também permite apontar aspetos que outros censuram à partida e por isso vale a pena ler o livro para se ter uma visão mais completa do porquê de Portugal ser como é hoje. Depois cada um pense por si mas detentor das várias visões da história deste País.

 

Não sei porque de repente o Secretário-Geral do PS, o líder do Grupo Parlamentar do PS e o Porta-voz do PS, este um socrático de referência, todos de rajada numa semana se sentem envergonhados com Sócrates, ainda antes das acusações ao mesmo irem a julgamento. É verdade que o caso Manuel Pinho reabriu a questão, mas sobre o ex-líder nada de novo veio a público ou será que veio algo pelos bastidores do partido?

Recuso-me a condená-lo antes do julgamento nos casos em concreto das acusações que se encontram na justiça, agora também é verdade que deixei de confiar na honestidade do mesmo quando ainda era Secretário de Estado do Ambiente, bastava ter olhos e apreciar algumas decisões, mas nessa altura muitos o achavam um potencial salvador e poucos viam que era um grande vendedor de banha da cobra e oportunista, só que isto não era crime, mas um muito mau indício para outros poderes que o PS lhe entregou de bandeja e depois convenceu o País.

Agora se o PS envergonha com Sócrates, será que também vai começar a reconhecer que o sofrimento que o seu legado trouxe ao País não foi culpa exclusiva de quem a seguir teve de gerir uma bancarrota?

Será que estamos apenas perante mais uma jogada oportunista ao estilo de Sócrates?

Será que virão mais coisas a público que ainda não sabemos?

Estou desconfiado desta descolagem em série face a Sócrates e confesso-me curioso sobre o porquê da mesma.

O aeroporto da Horta está certificado para voos noturnos, aliás já aterrei perto da meia noite na pista do Faial, mas ontem, depois de horas e horas de atraso do voo da Azores Airlines que vinha de Lisboa, este divergiu para Ponta Delgada, pois o sol já se havia posto havia escassos minutos e os pilotos daquele equipamento da empresa pública do Governo dos Açores não foram ainda certificados para aterrarem no Faial com sol posto.

Isto não é culpa do tamanho da pista da Horta, da ANA e da sua privatização, da Vinci, de nenhum Governo da República ou dos Faialenses que reivindicam melhores acessibilidades à sua ilha, a culpa disto é única e exclusivamente da MÁ-VONTADE de quem tem poder de definir a estratégia da empresa regional: o Governo dos Açores e a Administração da SATA nomeada pelo mesmo Governo dos Açores.

Não há nada nenhuma desculpa, a empresa já voa para esta ilha há anos, mesmo antes da TAP de cá sair, já há vários anos que esta situação poderia estar resolvida, mais ainda sendo uma rota de serviço público, mas a má-vontade do Governo dos Açores, exercida através da sua empresa SATA no prejuízo dos Faialenses nas acessibilidades aéreas, é enorme e só com muito suor esta ilha consegue ultrapassar cada um dos obstáculos que esta política regional nos vai impondo diariamente e de forma vão sempre inventando desculpas esfarrapadas para manter a sua má-vontade contra o Faial.

É verdade, ainda há Faialenses que não perceberam isto, mas a culpa não é minha e continuarei a denunciar esta má-vontade do Governo dos Açores através da SATA nesta matéria