Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘combustíveis’

Aquilo que poderia ser uma greve com alguns incómodos aos Portugueses, estes conseguiram transformá-la num caso de estudo sobre o caos típico de um racionamento em tempo de guerra e dar um peso a este protesto e a este grupo profissional que o bom-senso da população o teria protegido desta loucura.

Read Full Post »

Mudar tem custos, uma coisa é falar-se do ambiente elogiando a belezas das plantas, a importância dos animais, a exigência de ruas limpas e água pura, outra coisa diferente é ter de arcar com as consequências de ter de mudar. Foi isto que foi evidenciado com o aumento dos combustíveis em França para desincentivar o seu consumo, levar à alteração de comportamentos arreigados e pagar os custos dos objetivos dos Protocolos de Quioto e Acordo de Paris que Trump rasgou para escândalo de muitos.

Todos sabem que a principal preocupação ambiental que passa no momento exige a redução drástica das emissões provenientes da queima dos combustíveis que implica a mudança do parque automóvel, das frotas de pesca (ninguém fala mas é verdade), transportes coletivos e do tipo de muitas centrais elétricas.

Só que tudo isto tem encargos e o mundo moderno capitalista e democrático está de mãos atadas nesta situação, pois levar à sociedade a fatura da mudança tem custos políticos demolidores e é muito bonito falar de liberdade de expressão e da força do povo quando não há que impor medidas duras. Não é só a crise económica que desgasta governos, também os custos das estratégias ambientais que se consideram necessários presentemente são enormes e podem ter efeitos demolidores na popularidade dos políticos.

Claro que se ao nível da origem do mal da poluição e da diminuição da biodiversidade há consenso que a culpa é do estilo de sociedade humana moderna e consumista, ao nível das alterações climáticas existe uma minoria que não aceita esta causa como verdadeira e neste grupo, além de alguns cientistas, estão também envolvidos grandes poderes económicos como o das empresas petrolíferas e muitos interesses financeiros.

O mundo fora dos Estados Unidos que se escandaliza com a recusa ambiental de Trump não tem problema nenhum em protestar ao chegar-lhe ao bolso a fatura de se seguir as exigências ambientais que o atual Presidente dos EUA rejeita e os jornalistas e muitos políticos Europeus têm todo o descaramento de se alimentar desta situação para daí tirar dividendos a curto prazo e claro que alguns aspirantes ao poder vão observando os protestos em França e cobardemente vão-se silenciando e muito provavelmente recuando e dando o compromisso por não dito. É a vida!

Read Full Post »

Uma das fortes fontes de receitas do Governo em Portugal são as taxas sobre os combustíveis que os colocam neste País entre os mais caros da União Europeia e mais ainda se virmos a relação do seu preço com rendimento dos Portugueses.

Contudo é irónico ver a cobertura da RTP aos protestos pelas taxas e preço dos combustíveis em França, onde são entrevistados coletes amarelos que falam português e só passa a mensagem contra o Presidente, na realidade se a RTP fizesse uma comparação entre o que cá se passa e a França até poderia promover uma onda de protestos em Portugal com muito mais razão de ser, mas o que temos no canal é o desfile de autoelogios acríticos do Governo e a autodestruição da oposição.

Read Full Post »

Enquanto muitos estão entretidos com a Campeonato do Mundo de Futebol, a jihad islâmica parece determinada em dominar o Iraque e as áreas petrolíferas.

Assim, enquanto os OCS ainda dão mais destaque aos resultados desportivos, devido ao choque da eliminação das seleção de Espanha e da possibilidade da Inglaterra cair e do elevado risco de tal vir acontecer também a Portugal, calmamente as nuvens de um novo choque petrolífero em resultado da ofensiva jihadista já começam a tomar forma e o gasóleo deverá já atingir um máximo do ano.

Por esta via pelo menos o risco deflacionista que parece estar a instalar-se na sequência do tratamento à crise económica na zona euro pode desaparecer para dar lugar a uma fase inflacionista. Só não sei qual dos dois problemas será agora mais difícil de enfrentar face à situação debilitada das economias dos países que enfrentam a situação de dívida soberana excessiva.

Uma coisa é certa, só um receio elevado de descontrolo da situação e do respetivo impacte económico global deve levar a que Obama no final da mesma semana comece a ter decisões que contrariem a anunciada não interferência no Iraque.

Se isto der para o torto é bem possível que o pior da crise ainda esteja por vir… infelizmente!

Read Full Post »

%d bloggers like this: