Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘BE’

Em dezembro considerei Marta Temido um elefante a partir tudo na saúde, que abria demasiadas frentes e por isso dificilmente venceria. O tempo e o desentendimento agora entre o PS e o BE para vir a impedir no futuro a privada no Serviço Nacional de Saúde (SNS), independentemente de quem governa e como forma de quase impor uma ideologia a outros que proponha diferente e vençam democraticamente eleições está a dar-me razão.

A ministra que tem vindo a ser associada ao escândalo de manipulação de dados de tempos de espera no SNS, que abriu uma sindicância à ordem dos enfermeiros, que não se tem entendido com os médicos, teve a maior guerra até hoje com os enfermeiros e outros técnicos de saúde que não resolveu até hoje de modo que se visse nenhum problema de fundo que recebe e tem tido como bengala o BE, esquecendo que o PS é um partido de centro e não de extrema esquerda está cada vez mais desacreditada.

Como se diz hoje o diretor do Expresso no seu artigo Uma ministra fraca, numa pasta que se quer fraca, pois toda a política de Saúde, além de ser feita na sede do Bloco de Esquerda, esta condicionada pela insistentes recusa de Mário Centeno em passar cheques.”

Em resumo: Marta Temido parte louça e não resolveu nada que tenha encontrado partido.

Read Full Post »

No grupo parlamentar do BE há irmãos eleitos com o voto dos eleitores e ninguém tem poder executivo, no Governo há escolhas de casais, pais e filhos, cunhados e irmãos nomeados por escolhas não validadas em eleições transparentes e ainda por cima têm poder executivo…

Read Full Post »

Felizmente ainda há que esteja atento a manobras sujas dos partidos e este artigo descobriu a nojeira dos partidos que silenciosamente estavam a legislar para não pagarem IVA e não terem limite de receber dinheiro de angariações privadas. Se a segunda medida é questionável ideologicamente, a primeira, num País que massacra os cidadãos com impostos diretos e, sobretudo, indiretos, é de uma falta de moral execrável.

Neste conluio sigiloso, mas legal, pois os deputados e partidos podem legislar em causa própria (algo que é um defeito grave no estado de direito em que vivemos que já me levou, como testemunha, a um tribunal defender um diretor de jornal que denunciou há anos uma medida então tomada no parlamento dos Açores de benefício próprio dos deputados), mas prosseguindo, neste conluio nenhum partido do acordo sai bem do processo, mas uns têm mais responsabilidades éticas que outros, onde destaco o PSD.

O PSD ideologicamente não deve ter problemas em receber dinheiro de ações privadas, pois nunca defendeu uma postura de ser o Estado a assumir grande parte ou tudo o que mexe na sociedade, apoiando mesmo a intervenção privada em áreas fundamentais, contudo, no que se refere ao IVA, depois de ter aumentado os impostos diretos e indiretos aos cidadãos e de lhes ter cortado até o vencimento com o argumento de que as pessoas estavam a viver acima das suas possibilidades, não pode agora apoiar uma medida onde ele mesmo se isenta e reduz o seu contributo às receitas públicas.

Paralelamente, o PSD, que em público em nada coopera com o PS, não pode em privado estar a fazer o jogo do partido do Governo que está cheio de dívidas, inclusive ao próprio Estado que tutela. Pior ainda, a coligação de esquerda assume a constitucionalidade dos seus atos como bandeira contra o executivo anterior, mas não teve pudor em apoiar uma lei com efeitos retroativos para beneficiar os socialistas cheios de processos judiciais por não terem pago o IVA, o que vai contra o espírito da Constituição e do Estado de Direito, e o PSD aceitou.

O Presidente da República também não anda pela via exemplar. Se tem de aguardar um período para auscultar a constitucionalidade do acordo, deveria ter assumido logo à partida que iria fazê-lo e se o Tribunal Constitucional fizer o frete de dar um parecer positivo a esta vergonha (pois se não lhe reconheci isenção política em todas as decisões no passado, não excluo agora um favor aos partidos que nomearam os juízes), o Presidente deve assumir ele próprio a sua oposição a esta vergonha.

Para já isto é um escândalo em termos de ética e moral, mesmo que todo o procedimento e desfecho desta vergonha seja legal.

 

Read Full Post »

É bom para Portugal que a Fitch tenha retirado a dívida pública na categoria de investimento subindo a sua nota em dois degraus. É também bom que a economia esteja a crescer, sobretudo, pelas exportações, o que sempre defendi, e não pelo consumo interno que eu contestava. É igualmente bom que ao nível do investimento seja o setor privado o que mais contribui para crescimento económico. Agora estes facto escondem alguns aspetos ideológicos interessantes.

Não foi preciso reformas nos últimos dois anos para a economia, que já vinha a crescer ligeiramente desde meados de 2014, dar um pulo, pois a única reversão de políticas foi a de reposição de vencimentos com o argumento que o consumo seria o motor do crescimento, só que o aumento económico veio e não foi pelo consumo.

O turismo é classificado como exportação na análise económica e todos sabemos que este cresceu e muito nos últimos anos, logo a fuga de turistas do mundo árabe e Turquia revelou-se benéfica para Portugal e foi uma aposta correta aqueles anos de promoção em força do País na Europa e agora estamos a colher bons frutos disso.

O facto de o investimento privado estar a superar o público torna evidente que a política de cativações é a estratégia de rigor que ocupou a de austeridade, se mantém para o Estado não gastar dinheiro, uma forma agora mais subtil de não colocar dinheiro na sociedade do que a do passado e por isso melhor tolerada.

Agora basta um incidente que afete o ânimo económico ou afaste os turistas para tudo isto voltar a trás, pelo que toda a cautela é pouca, mas estes indicadores não apontam para que se tenha seguido nestes dois anos uma via minimamente semelhante à das ideias defendidas pelo BE e CDU e aqui também está outro risco para o Governo e também evidencia como a direita não via o caminho que o executivo estava a trilhar.

Read Full Post »

O desacordo entre BE e PS, na taxa aos fornecedores de energia alternativas à rede, resultou daquele querer acabar com a injustiça do Estado pagar rendas a estas empresas sobre lucros de investimentos comparticipados. Algo iniciado com Sócrates, ampliado com Passos e levou à demissão do seu Secretário de Estado da Energia e preservado com Costa. Aqui não há reversão!

Efetivamente há uma subserviência e conluio neste setor energético que vai, pelo menos, da ala direita do PSD até à ala esquerda do PS, uma nojeira! Uma política que legisla e acorda em prejuízo dos cidadãos. Não sei se há corrupção ou tráfico de influências ou outro mal, mas que é uma vergonha: é, e mostra que ser legal não é ser justo.

Não sendo de eu da extrema esquerda como se conota o BE, não tenho problema em assumir que nesta luta é do lado do Bloco que me encontro, nem sempre as medidas populares e em parte justas por ele propostas têm perspetivas de longo prazo em termos dos benefícios que aparentam para os cidadãos e a economia,  mas não é este o caso.

Para alguém que queira saber mais quanto e como este roube se implementa pode consultar este post.

Read Full Post »

Os fogos deste verão não só mataram muita gente e puseram a nu a incompetência da equipa de Proteção Civil, como também expôs preconceitos irracionais e meias verdades no BE. 1.º – Tiago Oliveira trabalhava nas celuloses de papel e foi nomeado pelo Governo para para a missão dos fogos florestais, mas isso não o impede nem valida de ser bom técnico; 2.º – o eucalipto tem muitos problemas ambientais, mas foi das espécies que proporcionalmente menos ardeu em Portugal este Verão.

Por muito que custe ao BE pode-se trabalhar por opção ou por oportunidade na privada e até mesmo em setores que também existem na pública e isso é independente de se ser melhor, pior ou igualmente competente e honesto que outro trabalhador de formação equivalente que por opção ou por oportunidade trabalha para o Estado na mesma área. O BE ao criticar António Costa por nomear para uma tarefa tão urgente como a da missão dos Fogos Florestais alguém que trabalhou até ao presente no setor das empresas de celulose apenas evidenciou um preconceito seu contra quem dinamiza a privada é um preconceito como qualquer outro que o BE normalmente com razão combate.

Criticar as empresas de celuloses por fomentarem em Portugal a floresta de eucalipto é uma argumentação ambientalmente correta, este provoca desequilíbrios ecológicos nos sistemas hidrológicos, ecossistemas biológicos e paisagem tradicional que devem ser evitados. Tentar ligar os fogos em Portugal à floresta de eucalipto é aproveitar a ignorância de muita gente para enviesar a verdade para vencer um debate, algo que se critica em muitos políticos. Bastava os Portugueses saberem que da área ardida neste País apenas 13% foi em eucalipto e que os terrenos que melhor enfrentaram os fogos foram os que estavam sob a gestão das empresas de celulose (porque interessadamente punham em prática ações corretivas algo que o Estado não fez nos seus terrenos) permite mostrar que o BE enferma dos mesmos defeitos de outros partidos que ele acusa de desvirtuarem a verdade.

Infelizmente não há santinhos neste debate sobre os fogos em Portugal, mas que há muita falta de ação que urge implementar… há. Isto para que nova catástrofe semelhante não se repita.

Read Full Post »

Não haja dúvida, António Costa é um caso de estudo, pois consegue liderar um Governo minoritário do partido mais europeísta de Portugal, o PS, e consegue assegurar o apoio do BE, que quer preparar o País para  este sair do Euro, e da CDU, que nunca desejou, nem quer estar ligado a esta União Europeia e de onde vem grande parte do dinheiro que mantém o sistema políticoeconómico nacional sem colapsar.

Em contrapartida, a oposição a Costa vem precisamente dos partidos que comungam do mesmo objetivo central do PS: preservar Portugal numa economia de mercado livre, integrado na  União Europeia e na NATO, sendo que esta foi mesmo criada para combater os Estados que tinham os modelos políticos defendidos pela CDU e BE.

Esta capacidade de Costa, não sei se é sustentável para sempre, mostra um engenho político notável do atual Primeiro-ministro: une interesses opostos e sem nada em comum e abafa concorrentes que têm objetivos semelhantes e métodos pouco diferentes. Por isso não admira que, com esquemas ou sem eles, o atual Governo tenha conquistado sucessos imprevisíveis face à incompatibilidade da sua base de apoio, mas presumo que é o perigo destes interesses opostos que espreitam nos apoiantes do Executivo que faz Marcelo agir como um manto protetor a esta solução à partida impossível de se conciliar, mas que pode conseguir mesmo o que não era viável de outro modo e sem uma CGTP comprometida e maniatada a esta geringonça que de facto tem funcionado.

Não admira o desnorte de Passos, mas penso que as energias que dispensou contra a atual solução sem dar o benefício da dúvida que cimentou interesses tão opostos à esquerda no Parlamento e Costa maquiavelicamente de novo soube explorar muito bem esta estratégia da direção do PSD em benefício próprio e para preservar o apoio que precisava fazendo o contrário das muitas coisas que o BE e a CDU sempre defenderam e dizem defender.

Read Full Post »

António Costa desde que chegou a Primeiro-ministro abriu uma hostilidade ostensiva a Passos Coelho, passou para este as culpas de haver lesados na sua decisão de privatização do BANIF, quer acusá-lo dos custos da sua opção de nacionalização do Novo Banco, assume como seus os louros com o aproveitamento das reservas financeiras que herdou e ridiculariza o líder da oposição que ganhou as últimas eleições quando fala de reversão das decisões do anterior executivo.

Várias vezes tenho alertado que a crispação não é boa conselheira na política, não tenho complexos de assumir que estou em desacordo com Passos em muitos aspetos, mas ele herdou um Portugal falido deixado pelo PS e este recebeu um País sem troika, com dinheiros nos cofres e com isto este tem feito flores como se tal fosse apenas resultado da sua governação e nunca das condições com que lhe entregaram o País.

Desde o início Passos assumiu que dada a forma como Costa chegou ao poder este não poderia contar com o PSD como muleta quando os seus parceiros de acordo discordassem das suas opções. Pode não ser a atitude mais patriótica, mas não assisti a nenhuma diplomacia da parte do atual Primeiro-ministro para apaziguar esta contenda, antes pelo contrário, sempre tem ridicularizado e sido sobranceiro para com o líder da oposição. Desprezando a eventualidade de vir a necessitar deste pontualmente.

A descida da TSU para os patrões foi, provavelmente, a questão que iniciou a queda de Passos na opinião pública e o PS foi uma das vozes que se bateu contra tal medida, agora Costa pretende algo semelhante e contou desde o início com a aprovação do PSD sem falar com este e, ainda por cima, a hostilizá-lo.

Curiosamente a comunicação social reinante considera coerente um Governo que inverte a sua posição sobre esta matéria e incoerente com quem esteve de fora no acordo da concertação social e se queimou com uma medida deste teor agora decida não apoiar novamente aquilo que levou à sua queda.

Curiosamente também a boa imprensa considera coerente que os partidos que apoiam o Governo possam estar contra esta opção do executivo por eles apoiado e ainda critiquem a força política adversária a este, como se não fosse o BE e a CDU que tivessem obrigações de dar condições a António Costa para governar e não os opositores do atual Primeiro-ministro, mas são as partes desta esquerda  que nos seus desentendimento tem obrigação de pautar pela continuidade dos acordos através de negociações nas diferenças entre eles, umas vezes com vitórias, outras cedendo, e agora cabia a vez da extrema esquerda ceder sem esperar que fossem os seus adversários a dar continuidade às condições do governo a que se opõem.

Por isso em questões de coerência todos estes partidos e políticos estão cheios de contradições, mas quem mais tem dificultado a possibilidade de entendimentos com a oposição tem sido mesmo António Costa, com a sua hostilidade ostensiva a Passos Coelho e em seguida até o próprio Presidente da República que se tem comprometido descaradamente com o Primeiro-ministro em vez de se manter acima destas brigas para poder ser uma entidade de consenso quando estes desacordos devam ser ultrapassados.

Read Full Post »

É preciso perder a vergonha de ir buscar a quem está acumular” foi esta a declaração de Mariana Mortágua que mais tem incendiado as redes sociais e tal não tem a ver apenas com o lóbi de ricos a tentar proteger-se, é que esta ideia também ameaça quem se sacrifica a poupar todos os dias, poupou no passado ou investiu com dificuldade as suas poupanças em habitação para assegurar a sua velhice ou proteger o futuro dos seus filhos.

Numa sociedade onde 54% das famílias não paga imposto, a classe média que suporta as receitas do Estado está acima do rendimento médio do País: professores, técnicos superiores, médicos, enfermeiros e outras profissões por conta de outrem ganha na sua maioria mais que a média nacional, são o maior contributo do Orçamento de Estado em IRS e IVA e foram os mais sacrificados em termos de rendimento de trabalho no pós-resgate de 2011 e, mesmo com dificuldades, é também daqui que são a maioria das contas bancárias um pouco acima dos 50 mil euros e do património imobiliário ligeiramente acima dos 500 mil euros, até porque muitas das casas foi reavaliada aquando da alteração do sistema do IMI e depósitos e habitação foi onde esta classe investiu as suas poupanças.

Há quem acumule porque rouba, mas há quem acumula porque poupa e este discurso alimenta o ódio a quem se sacrifica a poupar por quem nem consegue poupar e o receio a quem se sacrifica por pretende poupar.

A luta de classes nos países em que se tornou força de regime empobreceu mais este tipo a classe média citada do que fez subir o rendimento médio da população, veja-se os rendimentos dos médicos e outros técnicos que fugiram para o ocidente com o fim da guerra fria e aquela frase de Mortágua é uma lança neste grupo social.

Read Full Post »

Não acompanhei em pormenor a Convenção deste fim de semana do BE, exceto parte do discurso final da sua líder Catarina Martins e foi um pouco assustador ver o tom ameaçador e algo alienado desta, isto num momento em que não se sabe como a União Europeia se vai acomodar à situação do Brexit e sabendo que Portugal apresenta uma fragilidade económica que de um momento para o outro o pode fazer cair em nova bancarrota.

Falar nesta altura em tom ameaçador para a UE, no caso de eventuais sanções a Portugal por défice excessivo que nenhuma força política nacional concorda, dizer que é uma declaração de guerra, só demonstra que o BE é mesmo um partido anti União Europeia. Num momento de crise, em vez de saber apaziguar as hostes e diplomaticamente tirar proveito inteligente para o País, apenas soube atear fogo e animosidade, quando é o nosso Estado a parte mais fraca e débil, neste braço de ferro e conjuntura.

O Reino Unido votou Brexit porque está convicto que não precisa do dinheiro da Europa, pois tem uma economia forte. Portugal é um subsidiodependente dos fundos da União Europeia há mais de 3 décadas, super-endividado e não autossuficiente. Precisamos do dinheiro da Europa não apenas para fazer crescer a nossa economia, como até para financiar muito dos serviços do Estado e da produção nacional. Ameacem que saiem e Bruxelas fica com menos um País que mais do que ser um contribuinte líquido é um encargo de uma nação que depois de tantos subsídios nunca se soube desenvolver.

Por isto, foi evidente que após o discurso, nenhum partido português, nem o próprio PCP, nem o Presidente da República ficaram do lado do BE, este ficou isolado na sua ameaça e dando mais um tiro no pé.

Read Full Post »

Older Posts »

%d bloggers like this: