Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘questões’

Meu artigo de hoje no diário Incentivo:

JOGADA DE DISTRAÇÃO?

No Continente bastou uma distração na comissão de trabalho da Assembleia da República, onde os deputados da oposição não repararam a tempo que fora chumbada antes a única condição fundamental para aceitarem a recuperação do tempo total de carreira dos professores e a seguir aprovar a pretensão sem a salvaguarda essencial, para logo a esperteza, que favorece o sucesso dos políticos, deu um rombo enorme no trabalho estratégico de meses dos partidos opositores.

A política não favorece os ingénuos e desajeitados, mesmo que bem-intencionados, mas sim os espertalhões hábeis, independentemente da sinceridade destes, e por muito que as pessoas digam mal dos políticos tendem a preferir os segundos e não os primeiros.

Os momentos em que casos e projetos são levados para a comunicação social pelas instituições do poder instalado são, por norma, estrategicamente escolhidos de forma oportuna, faz parte da esperteza e habilidade política, servindo ora para eleições ora para desviar a atenção de algo por cumprir enquanto se lança a discussão de outro tema importante mas a concretizar depois.

Há um ano parecia consensual que a prioridade das prioridades que animava os Faialenses era garantir a execução da ampliação da pista da Horta com as dimensões necessárias para que esta infraestrutura pudesse servir convenientemente os objetivos de desenvolvimento atuais e futuros desta ilha e até do Triângulo sem constrangimentos limitadores do crescimento.

Eu próprio, no primeiro artigo de opinião que publiquei no Incentivo este ano, fui claro na questão do aeroporto ao classificá-la como: “A prioridade do Faial para 2019” e ao escrever: “os Faialenses têm de estar atentos a estes dois aspetos: se a obra terá as características suficientes para satisfazer as necessidades sem comprometer o futuro e se depois desta salvaguarda fica garantida de facto a sua construção ainda antes das eleições de 6 outubro”.

Tal não quer dizer que este assunto tenha o exclusivo das preocupações e reivindicações do Faialenses, mas se outra obra a fazer depois for colocada à discussão durante este período pelo poder instalado é preciso desconfiar da estratégia do malabarista: fazer desviar o olhar do público do local onde do malabarismo e quando o espectador se volta a focar no cerne da questão o truque já está feito, deixando-o deslumbradamente enganado.

Tenho estranhado o silêncio que se instalou nos últimos tempos no Faial em torno da questão da ampliação da pista. Isto depois da feliz iniciativa da Câmara Municipal ao encomendar um estudo num esforço singular de demonstrar a viabilidade de se atender às reivindicações dos Faialenses a preços aceitáveis neste investimento e bem divulgada pela Autarquia, embora não pudesse ser ela a assumir o projeto, e ainda depois da propaganda em torno da inclusão de uma alínea no Orçamento da República a falar da obra que afinal não comprometia ninguém nem assegurava a concretização do projeto nos termos pretendidos pela população desta ilha.

As eleições legislativas estão à porta e nada vi a assegurar o projeto do aeroporto nos moldes pretendidos pelos Faialenses. Quem reparou nisso? Será por isso que, de repente, uma instituição ligada ao Governo dos Açores criou condições para o Povo do Faial se entusiasmar com outro assunto enquanto a pista saía do foco da agenda? Na política, acreditar em acasos é ingenuidade…

Read Full Post »

Saúdo todos os que trabalham neste dia do trabalhador, tanto aqueles que auferem vencimento por conta de outrem, como aqueles pequenos empresários em nome individual que dependem de si e da sua família para os seus rendimentos, não sendo patrões de terceiros.

Mesmo reconhecendo a importância dos sindicatos, há anos que sinto que em Portugal estes são sobretudo braços partidários, claro há exceções, mas a verdade é que 2019 evidenciou que foram duas estruturas independentes das máquinas políticas, um sindicato de enfermeiros e outro de transportadores de mercadorias perigosas que de facto abalaram o sistema de equilíbrio entre o Governo apoiado pelos partidos que detêm maior força sindical quando de lutas laborais. O que é que isto demonstra?

Read Full Post »

Homo

Li o ebook Homo Deus do israelita Yuval Noah Harari em inglês por não existir em suporte digital na língua de Camões em Portugal, uma vez que a edição brasileira não é comercializada na Europa por direitos editoriais, mas esta obra encontra-se traduzida em papel e pode adquirir-se no nosso País aqui.

Na cultura ocidental o Homem desde o início quis ser igual a Deus, é esta a tentação feita a Eva. Durante milénios o mal: a fome, a guerra, a doença e a morte foram vistos como resultado de castigos de Deus ou caprichos dos deuses, esse que movia(m) os cordelinhos que o Homem não dominava. Harari evidencia que nos últimos séculos a humanidade, através da ciência e tecnologia, foi eliminando (pelo menos nas regiões mais desenvolvidas) a fome e muitas das epidemias, tornando-se cada vez mais dona de si, até que se tornou autoconfiante e nasceu o Humanismo onde o Eu do Homem passa a ser o centro e relega Deus para longe.

Humanismo tornou-se uma nova religião e no século XX a política conseguiu criar vastas e longas zonas da Terra sem guerra, a esperança de vida aumentou e já há a busca do grande elixir da vida longa e o Homem sente-se como o deus que gere o seu destino.

Nas últimas décadas a Inteligência Artificial tornou o atributo para muitos característica exclusiva do Homo sapiens numa realidade exterior ao próprio homem e a tecnologia passou a ser capaz de criar ciborgues que substituem danos no corpo e inclusive podem melhorar a suas limitações e arriscamo-nos a criar Super-homems. Só que o humanismo e esta nova via de seres que superam o Homem têm genes que colocam em riscos o próprio Homem e as questões que isto levanta e as preocupações são o cerne do desenvolvimento deste livro.Até onde vai este Homo Deus? Qual o futuro do Homem com sentimentos? Esses seres Inteligentes que criamos sem sensibilidade e exclusivamente lógicos tratar-nos-ão como nós tratámos os animais domésticos? Será o Homem um mero algoritmo que pode ser independente de si mesmo?

Um excelente livro cheio de inquietações que vale a pena ler, onde se fala das religiões das modernidade sem Deus mas que criam o mesmo fanatismo das religiões do passado sem a moral que estava na respetiva base.

Read Full Post »

Será coincidência que desde 1 de outubro já se viu voos que tinha deixado de ser redondos voltarem ser? Será por acaso que desde então já ficaram dezenas de alunos da secundária a dormir no aeroporto de Lisboa? Será coincidência que em setembro o serviço da Azores airlines quase não mereceu reparos e depois a insatisfação voltou? Uma coisa é certa, ninguém pode acusar que as reclamações agora surgem por eleitoralismo, será que se pode dizer o mesmo da acalmia verificada em setembro?

Quem mexia cordelinhos em setembro e não mexeu em defesa do Faial antes de depois do calor do período eleitoral das autárquicas?

Tantas questões que indiciam que quem está no poder desta ilha e Região está mais interessado em defender-se do que em defender os Faialenses, mas a ética e moral desta gente não é coisa que se deva questionar mas novamente estes sinais respondem por si.

Read Full Post »

Felizmente o desemprego continua a baixar, uma tendência que cobre todo Portugal. Mas, no Continente, onde a crise foi grande e é difícil o Estado disfarçar com programas ocupacionais, qualquer das suas regiões já tem menor desemprego que os 10% dos Açores. Pior só a Madeira, que faliu no final de João Jardim e fica-se pelos 11%. A média Nacional desceu para 8,8% e só não é melhor pelo mau desempenho das Autonomias neste tema, as piores taxas de desemprego do País. Algo de facto vai mail pelos Arquipélagos com governos próprios para os defender.

É verdade que o turismo deve ter muito a ver com a redução do desemprego, mas este começou a crescer nos últimos três anos e não foi só no Continente, pois também aconteceu nos Açores. O que se passa então nesta Região apesar de haver tanta gente a ser integrada no setor público com programas ocupacionais?

A Madeira ainda teve a crise da dívida como desculpa do atual governo, mas dizia-se que por cá a crise tinha passado ao largo dos Açores. Então porquê estarmos a ficar para trás?

Read Full Post »

Desde o início que Costa usa com sucesso a sua estratégia comunicacional: tudo o que de bom tem acontecido durante a sua governação são louros seus, o que de mau aconteceu é herança do passado, ora do anterior governo, ora de uma empresa privatizada. Mas o SIRESP não saiu de uma ideia original dele e negociada por ele no passado com a PT? Não é esta rede uma herança mesmo de Costa e do modo como a deixou criar?

Claro que isto também só funciona porque há outra estratégia associada com o conluiu de muitos que conseguiram implantar socialmente a seguinte ideia:  toda comunicação social ou comentador que questione incomodamente o atual Governo não é isenta e é partidária do anterior executivo e como este, além dos seus erros se tornou impopular paga pelas falhas do seu tempo e as da atualidade… e como a subserviência do pensar bem não permite dar ouvidos ao contraditório de quem questiona Costa continue a sair impune dos lapsos de que ele e a sua equipa é culpada.

Quanto tempo isto vai durar? não sei.

Mas que continua resultar… continua, pois muito Português também não sabe ter espírito crítico suficiente e deixa-se levar por esta ideia de que todo o mal vem da governação impopular (mas algum mal vem mesmo de então) ou de uma empresa privatizada que por isso deixou de estar em estado de graça no modo politicamente correto de pensar em Portugal, como se as maiores desgraças não tivessem vindo do tempo em que a PT era pública.

Até conheço gente que considero capaz que se deixa levar na conversa e não lê jornais ou ouve opinadores incómodos aos atual regime, como se a verdade não se tornasse mais evidente após se ouvir o contraditório ou será que têm medo dessa mesma verdade?

Read Full Post »

Não sei se será bom ou não para o Português comum, mas já percebi o amargo para Primeiro-ministro ao não ter o controlo da maior rede de comunicação em Portugal, pois a propaganda do atual Governo  passou por os média serem no mínimo simpáticos a este executivo rosa e, quando não, acusados de serem conotados com outro partido.

A Altice ao ser dona da estação de televisão com maior audiência nacional, duma estação de rádio, da maior rede de telefones e telemóveis, do maior fornecedor de internet e de distribuição por cabo em Portugal e sem necessidade de nenhuma subserviência ao espírito dominante de centro esquerda nacional, onde não se falar com um tom rosado se é imediatamente rotulado de se ser tendencioso e para se ser independente implica ser-se simpático com um certo tom politicamente correto de centro esquerda pode de facto ser um problema grave para Costa.

Seria possível acusar uma trovoada seca de uma tragédia resultante de um incêndio onde vários indícios apontam para este ter-se iniciado anteriormente se os OCS fizessem bem o seu papel sem se deixarem dominar pelo atual Governo?

Seria possível sair impune um Governo que leva 15 dias a desculpar-se da gravidade de um roubo de material bélico, demitir chefias militares e depois dizer-se descaradamente que se tratava de material obsoleto sem ser confrontado a sério pela comunicação social de modo doloroso?

Seria possível acusar-se sempre a herança dos adversários que saíram do poder de tudo o que corre mal e assumir os louros do que melhorou excluindo essa mesma herança se houvesse um escrutínio eficaz da comunicação social?

António Costa já fez a sua escolha de operadora, privada é certo pois são todas… mas eu também mantenho a minha, pois não me curvo perante a sua demagogia discursiva, que até reconheço ser inteligente e eficaz com uma comunicação que se deixa dominar pela sua estratégia informativa.

Agora se Altice será ou não uma boa rede integrada de comunicação e serviços para os Portugueses, isenta e se vai cumprir o seu papel na sociedade é ainda muito cedo para se tirar conclusões, mas que não está refém de Costa lá isso por agora não está e isso em princípio pode ser bom para o regime democrático.

Read Full Post »

Durante vários anos recentes não havia vaga de calor em que os OCS não despejassem números de mortos por problemas vários associados ao calor. No ano passado mudou o Governo e o assunto parece ter sido esquecido. Este ano Pedrógão Grande centrou as atenções, mas será que terminaram as mortes pelo calor em Portugal ou agora não interessa levantar o problema? Quem está a escrutinar esta situação?

A questão é independente da tragédia dos fogos, mas suspeito que o silêncio se prende com outros interesses que não são altruístas, mas sim de defesa política. Espero estar enganado sobre uma possível existência onda de mortes devido ao calor silenciada, mas na eventualidade dela ter ocorrido de forma despercebida aqui fica a chamada de atenção…

Read Full Post »

Deve a UE limitar o direito à greve a um grupo profissional específico como quer para os controladores aéreos? Por não ser uma lei generalista, a minha resposta é: Não. Pode a UE ou um Estado criar limitações à greve generalistas que impeçam o País ou o Continente de ficar refém de reivindicações de um grupo fulcral à organização pública?Aqui, a minha resposta é: Sim.

Efetivamente mesmo entre aqueles que falam de igualdade de tratamento das pessoas e das classes nunca deixaram de promover a desigualdade do poder reivindicativo em função da capacidade que determinados grupos profissionais ou setores têm de desestabilizar a organização socioeconómica de um País, região ou cidade. Transportes são um desses setores e os controladores aéreos efetivamente tendem a servir-se dessa possibilidade para terem uma estatuto económico e laboral muito mais favorável que a maioria do cidadão que trabalha também em prol do bem-comum.

Todos consideram normal que em democracia as forças-armadas e de segurança quando descontentes não devem agir de forma a vergar o Estado, viu-se as consequências do aproveitamento deste poder no estado do Espírito Santo no Brasil, tal como se está a ver o inverso na Venezuela onde as forças-armadas servem de braço de ferro para a musculatura de um Presidente de tendência ditatorial populista em controlar a liberdade de expressão e descontentamento mas que satisfaz os militares que assim asseguram o enviesamento da democracia.

A força do Estado de Direito está em não criar regras específicas para favorecer ou limitar uma classe ou setor, mas sim ser suficientemente impessoal, isenta e equitativa para assegurar que o poder de uma classe ou setor não se sobreponha a toda uma sociedade de uma Cidade, Região ou País. Mas também é verdade que este equilíbrio há muito que anda perdido na UE, em muitos países atuais e na onda global capitalista ultraliberal, o que não é menos perigoso que medidas legislativas particulares para um grupo em concreto.

Read Full Post »

A justiça portuguesa acusou o Vice-presidente de Angola Manuel Vicente de corrupção, situação normal num país democrático onde o poder judicial é independente do poder político. Só que no regime angolano quem governa manda, manda mesmo em tudo, e as relações Portugal-Angola já há muito que são uma pedra no sapato português perante este Estado africano, que no seu interesse gosta de impor que os lusitanos silenciem a justiça ou fechem os olhos quando está em causa um governante de Luanda. Como acabará esta história?

Suspeito que com o tempo algo levará a que com uma desculpa mais ou menos esfarrapada a acusação caia em saco roto e o caso seja arquivado com alguns pseudo-esclarecimentos vindo do hemisfério sul. Veremos quanto manda Angola em Portugal  com este caso? Temo que que sim.

Estou curioso.

Read Full Post »

Older Posts »