Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘indignação’

Meu artigo de ontem no diário Incentivo

DESCULPAS FALSAS E MÁ-VONTADE

No meu primeiro artigo deste ano para esta coluna, quando ainda nem se pensava na pandemia, escrevi “para o ano novo de 2020 que agora começou, insisto que a prioridade do Faial se mantém: é a questão do aeroporto. É verdade que existem outras necessidades menores nesta ilha, úteis para o Governo nos desviar do essencial, mas a que serve de demonstração de que quem está no poder vai atender ao maior anseio dos Faialenses: é a pista do aeroporto da Horta”.

A última visita do Governo dos Açores ao Faial veio dar razão aos meus receios de que o executivo regional fez tudo para desviar atenções do essencial, ofertou-nos com um conjunto de projetos mais ou menos importantes e deixou de fora o principal: a ampliação da pista do aeroporto da Horta. Tal como deixou atrás aquela que talvez seja a mais antiga e a mais importante das restantes reivindicação da ilha: a conclusão da variante à cidade da Horta.

Na questão do aeroporto, há políticos no poder regional que continuam a vender a mentira de que os Açores não investem na ampliação desta pista por este ser de uma empresa privada, quando é falso! Só a gestão está concessionada à Vinci. Mas a infraestrutura é nacional, localizada nesta ilha e daqui ninguém a tira para a levar para outro lugar como aconteceu já com outros investimentos.

Vasco Cordeiro pode dar as voltas que quiser, a única verdade é que não disponibiliza verbas do orçamento regional para esta obra apenas porque: Não Quer! Não se esconde em desculpas reais de mau pagador, inventa uma falsa para a sua má vontade! Sei que há um coro de gente local que o acompanha sabendo a verdade toda, mas propaga a mentira imposta e obedecendo espera um cargo para si em detrimento de defender o interesse geral dos Faialenses.

Quanto à variante, gostei de ler um artigo na passada semana no Incentivo, escrito por um jornalista da ilha não envolvido com partidos. Este denunciava a falácia vendida pelo Governo dos Açores de que não podia completar a variante à Horta por o executivo do anterior Primeiro-ministro ter acordado que o financiamento de estradas tinha uma “prioridade negativa”. Isto quando precisamente este governo regional, que usava tal desculpa, acabava de anunciar a construção de duas variantes na ilha de São Miguel. Aprendam: para nós a desculpa de que o tipo de projeto não cabe nos financiamentos comunitários mas ao mesmo tempo cabem dois se for para outra ilha.

Assim vemos que as duas obras em que os Faialenses mais se envolveram nas suas reivindicações são precisamente as que o Governo dos Açores não atende. Tal deve-se apenas à falta de vontade do Governo Regional em resolver as necessidades maiores do Faial. Má Vontade, insisto, e algumas pessoas aqui residentes e encostadas ao poder repetem os falsos argumentos mandados de cima para nos enganar. Só não vê quem não quer ver a verdade. Mas em democracia somos livres até de apoiar a mentira e de nos deixarmos enganar.

Apesar da recusa de Vasco Cordeiro em atender ao essencial desta ilha, reconheço que o Governo dos Açores deu-nos um conjunto de outras prendas interessantes e benéficas para o Faial de modo a nos entretermos com isto e não darmos atenção ao essencial e estou convencido que muitos até ficam imensamente agradecidos e deixam-se levar neste engodo.

Cortar fitas de uma obra que ainda não sabemos quando e como vai entrar em funcionamento, assinar protocolos de cooperação com instituições da ilha e anunciar projetos foi de facto uma mão cheia de prendas que o Governo dos Açores no legou. Só faltou mesmo o mais importante: assumir comparticipar na ampliação da pista do aeroporto da Horta de modo a facilitar e a desbloquear a execução desta pretensão; e assegurar a construção da segunda fase da Variante à Horta, uma infraestrutura fundamental para o bom desempenho do projeto do Município e já em implementação de arranjo e reordenamento da frente-mar da cidade.

Para já há quem continue a tentar tapar-nos os olhos e a camuflar a verdade dos factos, enquanto outros conscientemente não querem ver a verdade, mas a democracia tem destas coisas.

Read Full Post »

Segundo dados do Público de hoje, só em julho morreram em Portugal mais 2137 pessoas do que no mesmo mês do ano passado e o Covid-19 só justifica 1,5% deste excedente.

O Governo, sem a fiscalização da oposição, limita-se a dizer que foi do calor, a verdade é que o número de mortes anormalmente alto já vinha dos meses mais frios e durante os quais nunca a oposição apertou os calos ao Executivo para perceber porque os Portugueses sem Covid estavam a morrer tanto sem se perceber o porquê.

A verdade é que nos últimos tempos, mesmo se descontarmos as mortes por Covid-19, o número de mortos em Portugal subiu excessivamente, são mais do que as próprias mortes provocadas pelo SARS-Cov2 e ninguém da oposição cumpriu eficazmente o seu papel de fiscalizar o Governo nesta matéria.

Quantas pessoas desta mortandade em Portugal nos últimos meses estariam hoje vivas se Rui Rio tivesse cumprido o seu papel de fiscalizar o Governo como líder da oposição estando atento ao muito que havia para fiscalizar desde o início da da pandemia neste País? Nunca o saberemos penso eu, mas suspeito que muitas.

Read Full Post »

Meu artigo de hoje publicado no diário da Horta “Incentivo”:

CELEBRAR ABRIL EM EMERGÊNCIA E TODA VERDADE

Pela primeira vez, desde 1974, Portugal vai celebrar o 25 de Abril com restrições à Liberdade devido à declaração do Estado de Emergência em virtude da pandemia Covid-19. Parece uma contradição celebrar a Liberdade retido pela imposição de ficar em casa e quando é interdito aos Portugueses de circularem como lhes apetece ao ar livre. Mas a vida está cheia de contradições.

Um dos compromissos do Presidente da República quando da declaração do Estado de Emergência foi com a verdade, mas parece que tal não obriga a que se diga toda a verdade. Assim, bastam verdades selecionadas à medida que, sem se mentir, se faz um retrato da realidade aos Portugueses diferente da verdade, mas o meu patriotismo exige que se diga toda a verdade. Ao percorrer-se os dados desta pandemia referente aos vários países europeus descobre-se uma realidade distinta da comunicada pelas autoridades nacionais e telejornais.

No combate à pandemia, até ao momento, Portugal felizmente não atingiu os números negros de mortes por milhão de habitantes como os que se têm verificado em França, Itália, Espanha e, sobretudo, o pior índice de todos e não falado da Bélgica. Assim, os nossos políticos escudam-se nas manchetes destes países para falarem de milagre e ficarem bem na foto. Mas manda a verdade que se diga, Portugal, infelizmente, apresenta números de mortos por milhão de habitantes bem piores que os da Alemanha, Áustria, República Checa e, sobretudo, os da endividada e empobrecida Grécia, esta mesmo com dimensão populacional semelhante, tem cerca de seis vezes menos mortos que nós, e existem muitos mais Estados Europeus perante quem fazemos pior figura, com quem há muito a aprender, pois fizeram bem melhor que Portugal e isto não é dito aos Portugueses.

Um Estado de Emergência comprometido com a verdade não se fica pela meia verdade conveniente ao Presidente e ao Primeiro-Ministro. Tal como é verdade que, apesar da continuidade territorial imposta por estes e de um certo descontrolo em S. Miguel, os Açores apresentam números bem melhores que os do Continente e até excelentes em 8 das 9 ilhas: tão bons como os de Macau!

Os partidos da oposição, e muito bem, assumiram, na generalidade, ser cooperantes com o governo nesta luta e não entrar em conflitos que enfraquecessem o objetivo de vencer o SARS-Cov-2. Mas na verdade isto não pode ser complacente com aproveitamentos políticos do partido no poder e é patriótico exigir pudor nos abusos. Em janeiro viu-se bem o que estava a acontecer na China, mas só em março Portugal tentou comprar mais ventiladores e até recomendou o não uso de máscaras: nem havia o suficiente para todos e a linha da frente de combate! Logo, não é correto agora fazer cartazes de aquisições tarde e a más horas de equipamento já em plena batalha, pois deveriam ter sido adquiridos quando se via o que acontecia em Wuhan, até porque as verbas são pagas pelos Portugueses para serem coladas depois ao símbolo do partido no poder e a fotos de propaganda.

É verdade que um dos objetivos nesta luta era evitar a rotura do Serviço Nacional (Regional) de Saúde e com o esforço da maioria dos Portugueses e as medidas que estão a ser impostas isto tem sido conseguido sem falhas evidentes. Pelo menos não tão graves de modo a alguém ter sido rejeitado numa Unidade de Cuidados Intensivos por falta de capacidade ou de equipamentos, por isso, mesmo em estado de emergência, festejemos algumas vitórias e celebremos, como possível a cada um, a festa da Democracia, com toda a verdade e sem censura: Viva a Liberdade de Abril!

Read Full Post »

Meu artigo no diário Incentivo:

É NATAL… MAS DISPENSAVA ESTAS PALHAÇADAS

As últimas semanas evidenciaram como os nossos Governantes e seus nomeados andam a brincar com os Faialenses e a fazer de nós parvos. Tento não embarcar neste vocabulário, mas a verdade é que andam a gozar descaradamente connosco e quem não se sente não é filho de boa gente.

O Presidente da Câmara de Comércio da Horta esteve reunido com o Secretário de Estado das Comunicações e Infraestruturas do Governo da República onde se discutiu a questão do aeroporto do Faial. Ficou-se a saber da encomenda de mais um estudo, agora ao LNEC e ainda por acabar, como se isto fosse um assunto novo e o Governo tivesse a começar a estudar. Não! A questão deste aeroporto tem décadas e todos andam a adiar o problema com mais estudos como desculpa para não chegar a uma decisão que todos sabem qual é necessária: a ampliação da pista de forma a garantir a sua utilização sem constrangimentos dos aviões com dimensões que assegurem o pleno desenvolvimento da Faial e Triângulo. Isto é público e o mínimo é conhecido por todos há muito.

Assim não me venham falar de novas encomendas de estudos! Contudo, o governante para arranjar mais um problema, lançou o boato da eventual necessidade de ter de mexer-se com o Morro de Castelo Branco. Eis que após anos a discutir-se o assunto ele foi capaz de pôr um novo obstáculo na mesa, algo que nunca existiu nem existe como tem sido demonstrado em todos os velhos estudos.

Mas esta palhaçada não acaba aqui, voltou a brincar-se com a questão do financiamento. Aqui, o Secretário de Estado voltou a incluir o Governo Regional, como se este já não tivesse publicamente se descartado dizendo que não estava para financiar a ANA e como se Vasco Cordeiro e o governante não fossem todos do mesmo partido e não estivessem a estratégia articulada.

Gozam connosco cada vez mais descaradamente e, apesar de ser Natal, não gosto deste circo.

Mas isto de gozar não acaba aqui nem se limita aos Faialenses. Ainda há um mês aqui escrevi que não era suficiente termos como administrador da empresa do Governo dos Açores de transportes aéreos, a SATA, uma pessoa competente na matéria para que pudéssemos ficar descansados.

Em audiência no Parlamento Regional, Luís Rodrigues deixou claro que a reestruturação da SATA vai doer. A quem? Em quê? Onde? ou Como? Ainda não sabe, ainda não estudou bem o assunto. Assim o novo Presidente do Conselho de Administração da SATA não esclareceu nada, nem apresentou uma única ideia. Evidentemente que com esta palhaçada nenhum deputado poderia ficar satisfeito e teria de criticar a audição. Mas não, eis que o representante da bancada do único partido que apoia o Governo dos Açores, o dono da SATA, discorda dos que lamentaram a falta de esclarecimentos que foram todos os outros. Para ele os “não sei” foi suficiente.

Entretanto, em janeiro Luís Rodrigues toma posse mas até ao verão vai repartir a sua atenção entre a SATA nos Açores e compromissos académicos no Continente e só depois de meio ano é que ficará a tempo inteiro a gerir a empresa a doer. Ah! Já me esquecia, ele ao menos já sabe quanto vai ganhar, mas eu não sei. Assim continuam as palhaçadas na gestão da transportadora aérea regional.

Como estamos em meados de dezembro, época de circo cujos argumentos já vos deixei, envio a todos os leitores os meus votos de Boas Festas e de Feliz Ano Novo!

Read Full Post »

É bonito e simbólico, mas o importante seriam medidas concretas para enfrentar o problema e disto nada vi.

Seria importante criar legislação adequada que não deixasse facilitada a vida ao criminoso enquanto a vítima continua em estado de perigo permanente e obrigada a esconder-se da sociedade. Algo que competia aos políticos produzirem em vez de atos simbólicos.

Infelizmente hoje, em dia de luto por causa da violência doméstica, mais uma mulher foi morta… e outra foi encontrada decepada sem se saber a razão do crime, manchas que caem neste dia simbólico onde não ouvi nenhuma solução efetivamente proposta para o problema.

Read Full Post »

1.149 milhões de euros é quanto o Novo Banco vai pedir ao fundo do resolução para o Estado injetar nas suas dívidas, passados quatro anos e meio do seu colapso e de já ter sido privatizado.

Não haja dúvida, a banca é o sugador mais eficiente dos dinheiros públicos para fazer face às suas dificuldades e o maior sugador do suor do povo para tirar dividendos na sua gestão normal cujos lucros nunca beneficiam as pessoas. Não é preciso ser de esquerda para se perceber e ver isto.

Salgado disse, com razão, que havia outras soluções para os problemas do BES. O que ele não disse é que em todas as alternativas seria sempre o Povo a pagar e logicamente preferia uma em que os cidadãos vissem os dinheiros fruto dos seus impostos ser injetado no seu banco e ele a continuar a gozar o seu estatuto de homem sério sem ter de responder por tudo o que fez.

Houve pela primeira vez com o BES uma tentativa de encontrar uma via diferente para os banqueiros arcarem com as suas dívidas, só que, pelos vistos, a alta finança tem sabido dar a volta para continuar a ser sempre os que estão de baixo a pagar.

Read Full Post »

Pode parecer simpático mas é parolice a pessoa Marcelo Rebelo de Sousa telefonar em direto à estreia de um novo programa de entretenimento para cumprimentar a apresentadora Cristina. Pior: havendo uma guerra entre canais privados de TV, desencadeada precisamente por este programa e transição de apresentadora, o cidadão, sendo Presidente da República, só tinha de estar de fora deste combate sem tomar partido.

Coragem tinha sido Marcelo Rebelo de Sousa intervir em direto num programa quando se estava a branquear o currículo de um condenado e se vendia a ideia que era um mero perseguido por delito de opinião, isso sim, não era populismo, mas um ato patriótico em nome da democracia e da verdade…

Read Full Post »

Não emito opinião na reivindicação dos professores sobre a contagem de tempo de serviço na carreira pública, o que me irritou neste caso foi que quando nas Regiões Autónomas se resolveu um conflito, ao contrário do Continente, logo comentadores nacionais se deram ao luxo de invocar limitações aos Governos Autónomos para chegarem a entendimento com os seus funcionários, invocando a Constituição e dada a falta de capacidade negocial, teimosia ou outra opção do Governo da República que não lhe permitiu chegar a acordo com os docentes a seu cargo.

Já não é a primeira vez que diletas personalidades nacionais que vivem à sombra da política emanam ataque aos estatutos da Autonomia procurando restringir a liberdade negocial dentro destas Regiões.

O centralismo é um mal demasiado frequente no pensamento dos políticos nacionais que me indigna profundamente, estes, por norma, aproveitam todas as oportunidades para tentar lançar para o espaço público ideias de restrição dos poderes autonómicos. Mas se a Constituição é um problema, a solução é mudar a Constituição e não invocar restrições na Autonomia.

Felizmente existe ainda muito espaço de mudança constitucional sem comprometer a unidade do Estado que eu também defendo, nomeadamente a possibilidade dos Governos Regionais terem acordos distintos com os seus funcionários quando o da República se mostra incapaz de tal.

Será que a incompetência nacional de resolver um assunto também tem de ser seguida pelas entidades regionais só para não comprometer a unidade de Portugal?

Será que os políticos regionais, independentemente da ideologia, não conseguem apresentar propostas de alteração da Constituição com acordos abrangentes para não dar oportunidade destes senhores invocarem inoportunamente e com tanta frequência restrições constitucionais à autonomia?

Read Full Post »

Há vários mecanismos que geram tsunamis ou maremotos, se os sismos são os mais frequentes, outros são bem conhecidos e não são raros os movimentos de massas de deslizamentos de gelo e terras para dentro de água ou em fundos destes reservatórios, além de explosões vulcânicas cuja mais famosa é a do Cracatoa em torno do qual hoje ocorreu o tsunami de ontem que ESTUPIDAMENTE a proteção civil Indonésia não soube interpretar os sinais, levando à não adequada defesa de vidas humanas, o que deveria ser o seu papel.

Todos os tsunamis tem uma causa anterior, os movimentos de massa dão registos nos sismógrafos, tal como as explosões vulcânicas, as avalanches e até as quedas de meteoritos, por isso algo falhou no sistema de Proteção Civil indonésio que em vez de alertar acalmou as pessoas antes de serem atingidas pela catástrofe cujas consequências poderiam ter sido minimizadas…

Read Full Post »

Dos telejornais deduz-se que da greve dos enfermeiros pode estar a resultar situações de risco de vida de Portugueses, mas na dos estivadores houve o risco de impacte económico na fábrica de automóveis de Palmela. O Governo esforçou-se então por um acordo para proteger a economia e teima em arrastar a paralização que afeta a saúde dos Portugueses. Algo que não me surpreende…

Portugal no seu melhor… um indício da gestão política que temos: primeiro a economia que conta para as estatísticas… a seguir as Pessoas sem voz… infelizmente!

Read Full Post »

Older Posts »

%d bloggers like this: