Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘opinião’

Meu artigo de opinião de hoje no diário do Faial, “Incentivo”

PRECISAM-SE DE IDEIAS PARA O FUTURO DO FAIAL E DOS AÇORES

No final da passada semana, o Presidente da República promulgou a nova lei eleitoral para as legislativas da Região Autónoma dos Açores. Esta dá maior facilidade de conciliar a mobilidade dos açorianos com a possibilidade de exercer o direito de voto, criando condições para todos os eleitores deste ato deslocados fora da sua ilha de recenseamento poderem, naquele dia, votar noutra ilha deste Arquipélago, no da Madeira ou ainda numa das capitais de distrito no Continente, desde que comuniquem, atempadamente, onde pretendem exercer o seu direito de voto.

É verdade que este novo sistema permite reduzir uma desculpa para não votar. Agora se vai reduzir a abstenção… confesso, tenho muitas dúvidas pelo que abaixo escrevo, depois veremos se foi eficaz ou se o elevado número de eleitores que não votam fazem-no mesmo por não quererem votar.

Logo a seguir, o Presidente da República marcou a data das próximas eleições para o Assembleia Legislativa Regional da Região Autónoma dos Açores que, se não surgirem imprevistos até à última hora, ir-se-ão realizar no próximo dia 25 de outubro, coincidente com o dia proposto pela maioria das forças políticas com representação parlamentar regional e haverá excecionais exigências de saúde pública para não gerarem focos de contaminação pelo coronavírus SARS-Cov2.

Apesar das eleições, o que me preocupa é não estarem a surgir ideias novas, válidas e importantes nos vários partidos sobre o que pretendem para o futuro socioeconómico dos Açores, de modo a entrarem na agenda da discussão dos Açorianos e no confronto da campanha. À falta de ideias, o que até agora tem surgido é um desfile de caras a integrar nas listas candidatas dos diferentes partidos às eleições regionais e, como de costume, repetem-se as mesmas situações do passado que são essencialmente as três seguintes:

  1. O partido que está no poder repete a maioria das caras do parlamento ou do governo anterior nos lugares potencialmente elegíveis e consegue uma grande quantidade novos nomes, como estrelas conquistadas e capazes de melhorar o exercício da governação destas ilhas, para posições não elegíveis. Os antigos não apresentam ideias novas, limitam-se a dizer que agora é a vez de fazer o que não fizeram antes e os recém-chegados assistem calados e sem juntar novas ideias. No passado e acabada as eleições, a grande maioria destes novos nomes caiu no esquecimento como simples estrelas cadentes de vida política curta ou foram premiados para ocupar um lugar de nomeação política, vivendo neste limbo sem brilho. Os membros da força no poder que ansiavam por lugares elegíveis e deixados fora ficam caladinhos para evitar retaliações, pois mantém a esperança que, repetida a vitória, sejam lembrados para cargos na próxima máquina governativa.
  2. O maior partido da oposição, por ter um número de membros bem superior aos lugares disponíveis com perspetiva de eleição, tem neste período de apresentação de caras a preocupação de preservar os nomes que já são da máquina. Contudo, aqui não há o silêncio de todos os que ficaram de fora das vagas elegíveis, este sofre sempre o problema de ouvir neste altura protestos na praça pública, pois, como há pouca esperança de surgirem alternativas de nomeação a seguir às eleições, não há período de nojo para os preteridos que desejavam ocupar esses espaços ou para aplacar ódios intestinos aos escolhidos. Como habitual neste confronto, não se discutem ideias, só nomes.
  3. Os partidos mais pequenos têm escassez de membros para completar a suas listas e como praticamente qualquer lugar só é elegível com alguma sorte. Então, poucos estão individualmente a contar de facto com o período pós-eleitoral para ser eleitos ou nomeados, o que vier de bom será bem-recebido. Deste modo reina uma maior união em torno das listas, mas mesmo assim, aqui as caras novas surgem bem antes de haver lugar a qualquer nova ideia a defender.

Assim, apesar da nova realidade da pandemia, o período pré-eleitoral do ano de 2020 parece igual aos do passado, onde não se discutiram ideias que seriam bem-vindas. Só desfilam caras, o que não garante nada de novo e há ainda quem se admire com a habitual elevada abstenção nos Açores.

Read Full Post »

Meu artigo de ontem no diário Incentivo

DESCULPAS FALSAS E MÁ-VONTADE

No meu primeiro artigo deste ano para esta coluna, quando ainda nem se pensava na pandemia, escrevi “para o ano novo de 2020 que agora começou, insisto que a prioridade do Faial se mantém: é a questão do aeroporto. É verdade que existem outras necessidades menores nesta ilha, úteis para o Governo nos desviar do essencial, mas a que serve de demonstração de que quem está no poder vai atender ao maior anseio dos Faialenses: é a pista do aeroporto da Horta”.

A última visita do Governo dos Açores ao Faial veio dar razão aos meus receios de que o executivo regional fez tudo para desviar atenções do essencial, ofertou-nos com um conjunto de projetos mais ou menos importantes e deixou de fora o principal: a ampliação da pista do aeroporto da Horta. Tal como deixou atrás aquela que talvez seja a mais antiga e a mais importante das restantes reivindicação da ilha: a conclusão da variante à cidade da Horta.

Na questão do aeroporto, há políticos no poder regional que continuam a vender a mentira de que os Açores não investem na ampliação desta pista por este ser de uma empresa privada, quando é falso! Só a gestão está concessionada à Vinci. Mas a infraestrutura é nacional, localizada nesta ilha e daqui ninguém a tira para a levar para outro lugar como aconteceu já com outros investimentos.

Vasco Cordeiro pode dar as voltas que quiser, a única verdade é que não disponibiliza verbas do orçamento regional para esta obra apenas porque: Não Quer! Não se esconde em desculpas reais de mau pagador, inventa uma falsa para a sua má vontade! Sei que há um coro de gente local que o acompanha sabendo a verdade toda, mas propaga a mentira imposta e obedecendo espera um cargo para si em detrimento de defender o interesse geral dos Faialenses.

Quanto à variante, gostei de ler um artigo na passada semana no Incentivo, escrito por um jornalista da ilha não envolvido com partidos. Este denunciava a falácia vendida pelo Governo dos Açores de que não podia completar a variante à Horta por o executivo do anterior Primeiro-ministro ter acordado que o financiamento de estradas tinha uma “prioridade negativa”. Isto quando precisamente este governo regional, que usava tal desculpa, acabava de anunciar a construção de duas variantes na ilha de São Miguel. Aprendam: para nós a desculpa de que o tipo de projeto não cabe nos financiamentos comunitários mas ao mesmo tempo cabem dois se for para outra ilha.

Assim vemos que as duas obras em que os Faialenses mais se envolveram nas suas reivindicações são precisamente as que o Governo dos Açores não atende. Tal deve-se apenas à falta de vontade do Governo Regional em resolver as necessidades maiores do Faial. Má Vontade, insisto, e algumas pessoas aqui residentes e encostadas ao poder repetem os falsos argumentos mandados de cima para nos enganar. Só não vê quem não quer ver a verdade. Mas em democracia somos livres até de apoiar a mentira e de nos deixarmos enganar.

Apesar da recusa de Vasco Cordeiro em atender ao essencial desta ilha, reconheço que o Governo dos Açores deu-nos um conjunto de outras prendas interessantes e benéficas para o Faial de modo a nos entretermos com isto e não darmos atenção ao essencial e estou convencido que muitos até ficam imensamente agradecidos e deixam-se levar neste engodo.

Cortar fitas de uma obra que ainda não sabemos quando e como vai entrar em funcionamento, assinar protocolos de cooperação com instituições da ilha e anunciar projetos foi de facto uma mão cheia de prendas que o Governo dos Açores no legou. Só faltou mesmo o mais importante: assumir comparticipar na ampliação da pista do aeroporto da Horta de modo a facilitar e a desbloquear a execução desta pretensão; e assegurar a construção da segunda fase da Variante à Horta, uma infraestrutura fundamental para o bom desempenho do projeto do Município e já em implementação de arranjo e reordenamento da frente-mar da cidade.

Para já há quem continue a tentar tapar-nos os olhos e a camuflar a verdade dos factos, enquanto outros conscientemente não querem ver a verdade, mas a democracia tem destas coisas.

Read Full Post »

O meu artigo de hoje de opinião quinzenal no diário da Horta “Incentivo”:

DO FIM DA EMERGÊNCIA À ABERTURA EXTERNA DO FAIAL

O período de emergência começou no Dia do Pai e, curiosamente, terminou à chegada do Dia da Mãe, vários objetivos foram alcançados: baixou-se o pico da pandemia, não houve rotura dos serviços de saúde e não se atingiu o descalabro de mortos como nalguns países. Mas não se teve números tão bons como em muitos outros países de que não se fala, nem se protegeu bem muitos dos nossos lares de idosos. O contágio do Nordeste é a situação que sujou o sucesso dos Açores.

No Faial estamos agora a viver o melhor período desde a declaração da pandemia pela OMS. Apenas tivemos situações importadas sem nenhuma cadeia de contaminação local, o último caso já ocorreu há mais de 28 dias e continuamos com as nossas ligações ao exterior fechadas. Assim, até à abertura do porto e do aeroporto a zonas onde existe o vírus em circulação, a nossa ilha parece protegida do aparecimento de novos doentes.

Para já há muitos heróis para este sucesso no Faial: quem tinha poder e teve coragem de impor medidas duras de contenção deste vírus contra argumentos de certas vozes; os elementos das oposições que se comportaram com responsabilidade quando lhes apetecia questionar ações dúbias para não enfraquecer a luta; os muitos Faialenses que acataram com dificuldade a regra de ficar em casa, uns a teletrabalhar com crianças e em condições não ideais mas a cumprir as suas funções e a evitar transmissões locais; o pessoal de saúde e de serviços essenciais que assumiram a tarefa de se preparar para o pior e manter as condições de vida na ilha que como humanos não estavam imunes nem à doença nem ao medo; e o grupo pouco lembrado dos próprios doentes Covid-19 que vivem nesta ilha e se comportaram exemplarmente, de tal modo que não contaminaram nem uma pessoa nesta terra além de si pois cumpriram a higiene e o isolamento rigidamente. Noutros locais houve gente que se sabia estar infetada e não cumpriu tão bem, até saiu e pôs outros em risco.

Apesar deste período de acalmia que o Faial desfruta, mais dia menos dia a ilha vai ter de se abrir novamente ao exterior e, mesmo com fases iniciais de quarentena, o perigo de futuras contaminações vai voltar e não vale a pena pensar que esta terra pode viver num gueto a esperar até ao dia, que não se sabe quando, a ciência descubra um tratamento e vacina eficaz. A humanidade é uma entidade social e nós também fazemos parte desta sociedade.

Alguns já foram intensamente prejudicados nos seus rendimentos, mas a acalmia que vivemos na ilha só foi possível porque houve portas e atividades económicas fechadas e se não tivesse sido assim estaríamos agora a chorar os nossos mortos que nos pesariam na consciência por não termos feito mais. Mas, não se pense que com ligações ao exterior o turismo, onde os Açores investiu tanto em detrimento de outros setores, se regulariza rápido. Não! Muitos potenciais turistas têm medo de viajar, de passar por aeroportos e instalar-se em hotéis com gente que eles não sabem de onde virá e nem todas as pessoas estão disponíveis a acolher de braços abertos gente que vem de fora que pode trazer escondido o SARS-Cov-2. Eis uma sequela dura desta crise para tratar com tempo.

Haverá muitas coisas que nós Faialenses teremos de agir face aos menores rendimentos de vizinhos e amigos a quem temos de dar a mão; há o facto de nem todos os idosos viverem isolados em lar, uns vivem na sua própria casa e outros partilham-na com a família que trabalha ou vai à escola e temos de protegê-los a todos. Esta ilha sempre dependeu do seu porto a que, nos tempos mais recentes, se juntou o aeroporto e temos sido reivindicativos de mais ligações diretas ao exterior e não ao contrário. Na fase que aí vem, os Faialenses terão de continuar a ser heróis e tudo fazer para se ultrapassar estes problemas sem deitar a perder tudo o que se conseguiu até agora.

Read Full Post »

Meu artigo publicado hoje no diário Incentivo da cidade da Horta

COMPETÊNCIA NÃO BASTA

No passado dia 13 os Açorianos conheceram o nome do novo Presidente do Conselho de Administração da SATA: Luís Rodrigues, nomeado pelo dono do grupo: o Governo dos Açores.

O escolhido tem no seu currículo o desempenho de cargos de Administrador Executivo e de Presidente do Conselho de Administração de empresas do Grupo TAP, o que à partida garante ter conhecimentos na área de gestão financeira e comercial de transportes aéreos de passageiros, ao contrário do seu antecessor que numa declaração infeliz durante uma entrevista no início do seu mandato deixou transparecer a sua ignorância para a matéria em que fora empossado.

Se tal currículo pode dar garantias de potencial capacidade individual do nomeado para o cargo em questão, infelizmente tal não afiança que Luís Rodrigues possa gerir convenientemente o grupo SATA. Pois, além do novo líder desta administração ter de articular uma boa gestão financeira e comercial das empresas envolvidas com as necessidades a prover ao nível de serviço público de transporte aéreo de passageiros, cargas e acessibilidades aos Açores, ele continuará sujeito aos riscos resultantes dos interesses políticos dos governantes da Região e seus devaneios irracionais ao tutelarem esta empresa pública.

Desengane-se desde já quem acima perspetivou uma pretensão a defender a privatização, no todo ou em parte, do grupo SATA. Nada disso. Sobre esta opção não me pronuncio neste artigo, aliás, quem já pretendeu vender a privados a empresa Azores Airlines foi o socialista Governo dos Açores e as críticas que então lhe enderecei nesse campo foi do desastroso modo como conduziu o processo e escondeu aos Açorianos o fiasco daí resultante nas negociações com os pretendentes islandeses.

O que quero realçar é o facto de que no passado a SATA já teve administradores competentes e afastados dos cargos pelas interferências absurdas impostas pela tutela e com denúncias de erros crassos nas opções estratégicas de gestão e compra de equipamento que o Governo dos Açores impunha à empresa pública. Situações cujo tempo veio dar plena razão aos primeiros sem nenhum mea culpa (máxima culpa mesmo) assumida pelo Excetivo Regional, o que desembocou no descalabro financeiro do grupo e na degradação colossal da qualidade do serviço de transporte de passageiros e carga ao Arquipélago com reflexos negativos bem evidentes nas ilhas do Faial e Pico.

Lembro-me dos avisos públicos havidos ao anúncio de rotas não rentáveis que nem interessavam aos Açorianos e na compra de aviões que não se adequavam a vários aeroportos das ilhas, quando já era necessário melhorar o serviço e cujos encargos daí resultantes só agravaram o que estava mal. Infelizmente não foram esses bons administradores que levaram água ao seu moinho, mas sim a teimosia irracional de certos governantes que ainda vão tutelar Luís Rodrigues e os mais recentes administradores que foram sobretudo subservientes à irracionalidade destes políticos que continuam a mandar sem nunca terem sido responsabilizados pelo descalabro que provocaram na SATA.

Assim, embora a carreira do novo administrador indicie capacidades para implementar uma boa gestão na SATA, tal não garante que possa tapar os gigantes buracos feitos e muito menos impor-se às vontades irracionais de certos governantes regionais e não é justo apagar agora da memória os bons administradores afastados do cargo por teimosia dos políticos que têm destruído a SATA.

Read Full Post »

Meu artigo de hoje no diário “Incentivo”:

LORENZO E A IMPORTÂNCIA DA PREVENÇÃO E DA INFORMAÇÃO

Ao longo de quase uma dezena de dias, através de sites de instituições internacionais e nacionais, acompanhei o evoluir duma instabilidade meteorológica nascida perto da Guiné-Bissau até ela se transformar em tempestade e furacão tropical batizado de Lorenzo. Assisti ao seu crescer até à categoria 5 (o máximo da escala Saffir-Simpson) e ao seu posterior e lento decréscimo de força perturbado por alguns impulsos e fui lendo os comunicados das modelações da sua trajetória em que ia aumentando probabilidade deste fenómeno meteorológico adverso afetar os Açores.

Como bom conhecedor destas ilhas, sobretudo do Faial, e desperto para os riscos naturais por formação técnica, cedo percebi os perigos a que nos estávamos a expor. Fui dando conhecimento das minhas observações e recomendando o acompanhar dos comunicados da Proteção Civil. Todavia ouvia alguns afirmarem que os Açores sempre sofreram este tipo de tempestades, que tudo era normal e a informação apenas alarmava as pessoas habituadas a estas ocorrências.

Na verdade, os Açorianos ao longo da sua história enfrentaram muitas catástrofes naturais e se para algumas ainda não há hipótese de tomar medidas preventivas de curto-prazo por ser imprevisível a data de ocorrência, outras, a tecnologia já permite emitir alertas para nos acautelarmos.

Assim, estudando os danos das catástrofes históricas é possível questionar sobre quantos sofrimentos, prejuízos e vítimas os nossos antepassados teriam evitado se tivessem tido a sorte que nós hoje temos de saber com antecedência a ocorrência de um furacão, chuvadas ou um vulcão?

Quantas pessoas teriam planeado a sua vida de forma diferente se tivessem sido informadas adequadamente e com a devida antecedência sobre os riscos de ter uma moradia num local mais exposto a inundações, movimentos de terras ou um maior perigo sísmico?

O planeamento do território com zonas de risco, as medidas preventivas, o acompanhamento da informação e os serviços de intervenção de proteção civil estão para a segurança das populações como as vacinas, as regras de higiene, as consultas de medicina preventivas e os serviços de urgência estão para a saúde dos cidadãos. Nenhum destes aspetos deve ser desprezado sob o risco de se reduzir a proteção pessoas e bens a curto, médio ou longo-prazo.

O lançamento de dúvida à conveniência de se cumprirem planos de vacinas levou a que muitos pais desrespeitassem esta via de imunizar os filhos e fez ressurgir doenças que já consideradas erradicadas por cá que já provocaram mortes evitáveis, tal como o descrédito e resistência lançado às zonas de risco que levou a deixar caducar medidas preventivas a elas associadas pode conduzir a que no futuro ocorram danos materiais e humanos escusáveis e não sei se com a atribuição de responsabilidades politicocriminais a quem poderia a tempo corrigir esta situação.

Todos temos de facto de viver com erros passados: na saúde, os abusos de práticas de vida; no terreno, as construções já feitas em locais arriscados, não sismorresistentes, etc. Nalguns casos o acompanhamento técnico e medidas de remediais ou preventivas pode ser a forma de reduzir a ampliação de uma doença ou os efeitos de uma catástrofe natural, mas o importante é aproveitar todos os meios disponíveis para se minimizar dentro do possível as consequências dos perigos a que estamos expostos que nunca passam a zero. Agora um furacão, amanhã uma chuvada, noutro dia uma avalanche, sismo ou vulcão, para tudo isto se exige planeamento, identificação de zonas de risco, medidas preventivas ou corretivas e informações dadas a tempo para a nossa segurança.

Read Full Post »

Meu artigo de hoje no diário Incentivo:

DA SEMANA DO MAR AO REGRESSO DA TAP

Mais uma Semana do Mar passou e não sendo 2019 um ano de autárquicas não seria de esperar um cartaz de arromba como o de há dois anos atrás para os concertos em terra e, pelo que ouvi, no mar o festival foi programado como habitualmente.

Nunca escondi que gosto da Semana do Mar e mesmo sem ter seguido a grande maioria dos concertos e apesar do espaço ter sido encolhido (devido às obras na Praça do Infante) coube toda a gente que quis vir à festa. Entre o que mais apreciei este ano encontra-se o desfile coreográfico “Sambódromo do Mar Profundo”, trouxe cor, luz e novidade numa hora acessível a todos os que não podem estender a sua participação pela madrugada fora e foi portador de uma mensagem sobre a problemática dos oceanos e do ambiente, tema pertinente neste festival: o mar; mais ainda nos tempos que correm.

Apesar de a meteorologia não ter sido a melhor, pelas reportagens e conversas, tal pouco afetou as tasquinhas e os restaurante, sinal da importância da Semana do Mar para o convívio das pessoas, que ultrapassam o obstáculo da chuva e se juntam para o encontro de amigos e famílias em partilha gastronómica, importância que esta festa, à semelhança das do Espírito Santo, não perdeu, ao contrário de muitas outras tradicionais desta ilha onde a afluência dos Faialenses tem vindo num progressivo decréscimo, sobretudo dos mais jovens.

Contudo a notícia da semana foi a que o Diretor Executivo da TAP, cargo atualmente conhecido pela sigla CEO, Miguel Frasquilho, comunicou à Câmara do Comércio da Horta de que o regresso ao Faial da transportadora aérea nacional “é uma possibilidade a ter em conta”. Não sendo uma promessa garantida – aliás, falta de garantias em boas notícias é o que a população desta ilha está habituada – não deixa de ser uma oportunidade a que todas as forças-vivas desta terra se devem associar para que não esmoreça e mais uma vez se gore esta pretensão de tantos Faialenses.

Não estou certo se a melhor solução para os aeroportos do Triângulo, mais especificamente os do Pico e da Horta, seja a liberalização do espaço aéreo a estas infraestruturas, como se deduz da notícia. Mas estou seguro que a situação atual de serviço prestado pela Azores Airlines não serve os interesses desta zona dos Açores e até despromoveu este destino devido à falta de qualidade e de garantias das ligações entre estas ilhas e Lisboa ao longo dos últimos anos.

Assim, queiram tanto os grupos profissionais do turismo, comércio e indústria; como os representativos dos cidadãos aqui residentes, eleitos nos mais diferentes órgãos políticos, ter engenho, arte e espírito de cooperação para levar a bom porto, ou a bom aeroporto neste caso, a resolução deste assunto para bem de todos.

Desejo uma solução que não coloque as gentes do Triângulo reféns de ninguém. Uma solução capaz de planear a sua atividade a longo-prazo para que seja viável, não só aos turistas que nos queiram visitar, como também aos que cá residem e à diáspora destas ilhas, programar as suas deslocações com a devida distância ou proximidade temporal adequada aos tempos atuais. Uma solução que seja do interesse da própria transportadora dinamizar as ligações ao Faial e ao Pico através das suas gateways sem querer desviar os passageiros para outras portas de entrada e saída dos Açores.

Read Full Post »

Meu artigo de hoje no diário Incentivo

O BOM É GARANTIR QUE AVANCEM OS DOIS RAPIDAMENTE

Após a saída do anúncio de que Vasco Cordeiro pedira um estudo para avaliar a ampliação da pista do aeroporto do Pico e as condições de operacionalidade daquela infraestrutura logo houve pessoas que me disseram o seguinte: Viste?… para o Pico o Presidente do Governo dos Açores já mandou fazer um estudo! Eu, repetidamente, fui respondendo: Ainda bem! O bom é que o aumento nos dois aeroportos avance rápido! E a garantia de execução destes projetos tem de vir antes das legislativas.

Efetivamente, depois do consenso e união que se viu a 11 de fevereiro no programa da RTP-Açores “Sem meias palavras”, entre gente do Faial e do Pico relativamente à complementaridade dos aeroportos situados em cada uma destas duas ilhas, o mau era logo a seguir recomeçarmos uma guerrilha bairrista. Pois tal só enfraqueceria cada uma destas reivindicações.

Contudo, não sou ingénuo que não exclua que nesta medida até possam coexistir duas maldades políticas ocultas: o eleitoralismo pelas eleições que se aproximam e sementes intencionais de preocupações no Faial e regozijo no Pico para acender rivalidades, dividir as duas ilhas e enfraquecer o conjunto.

Não seria a primeira vez que palavras vindas de ilhas maiores transportavam argumentos para alimentar bairrismos por estas bandas e logo a seguir serviram para prejudicar os povos do Canal e beneficiar interesses das mais populosas, fortalecendo ainda mais o centralismo que há muito se tornou na marca dominante da Autonomia, disfarçado por cedências estratégicas à Terceira.

É verdade que logo a seguir à notícia quem viu certos comentários nas redes sociais apercebeu-se do aparecimento de arautos da desunião a despejarem argumentos de rivalidade. Confesso que não me deixo levar por marionetas que em nome da sua ilha a enfraquecem face a quem tira proveito dessa discórdia à distância do nosso Canal. Mantenho o desejo que avancem os dois rapidamente!

Só que este “ainda bem não ingénuo” preocupa-se com o facto de neste momento termos apenas notícias que em si não garantem qualquer concretização da ampliação de nenhuma das pistas destes dois aeroportos. No Pico temos um estudo, não é uma deliberação de obra e há muito que me habituei que quando não se quer fazer algo encomenda-se um estudo.

No Faial há referências no orçamento sem um projeto concreto, nem indicação de quem executa o quê, nem de quem paga. Não me esqueço que para a Horta já vi obras orçamentadas e apresentadas durante anos seguidos que não se executaram e até saíram depois dos orçamentos e quem disse e desdisse continua impune no exercício do pôr e dispor à sua vontade contra esta ilha. Por isso estejam atentos, se nada se tornar efetivo antes das eleições é porque foi um fogacho eleitoralista.

Assim, bom seria que Faialenses e Picoenses se mantivessem unidos e pressionassem os poderes executivos em conjunto para que se conseguir fazer com que os políticos não tivessem hipótese de recuo em nenhum dos dois aeroportos e unidos conquistássemos aquilo a que temos direito. Pois já há muitos anos que por manigâncias politiqueiras vemos as nossas justas reivindicações serem transformadas em instrumentos para enganar as gentes deste Canal que unidas têm um potencial social e económico que assusta a quem nos divide por fora. Prazo de certificação desta promessa: as eleições legislativas. Se até lá nada ficar de concreto, é indício de nos estarem a enganar novamente.

Read Full Post »

Meu artigo de hoje no diário Incentivo:

A PRIORIDADE DO FAIAL PARA 2019

O ano de 2019 chegou e muitos dos velhos problemas da ilha do Faial mantêm-se sem resolução, outros, após longa e intensa pressão de Faialenses, entretanto já se resolveram, mas ainda é provável que novos surjam ao longo dos próximos 12 meses.

Sobre os novos é cedo para se saber da sua importância, mas entre os antigos há dois fulcrais para o futuro desta ilha: a qualidade do serviço da SATA nas acessibilidades aéreas ao Faial e a questão das obras das pistas do aeroporto da Horta. No que concerne ao primeiro, embora seja uma questão importantíssima a resolver, há que ter em consideração que um mau serviço no presente em princípio pode ser melhorado no futuro, logo, mesmo deixando feridas, é algo reversível.

Contudo, no que se refere às obras nas pistas, uma má ou insuficiente intervenção pode tornar-se num problema irreversível, ou seja, ficaremos com restrições de operacionalidade definitivas para o Faial e muito provavelmente sem viabilidade de corrigir num horizonte temporal à vista.

Assim há que estar atentos, pois uma intervenção que não atenda aos justos anseios de muitos Faialenses, só para se dizer que se fez obra, embora pelos mínimos, e sem satisfazer as já reais necessidades do Faial ou que venha a inviabilizar a expansão económica da ilha corre o risco de tornar-se noutra oportunidade perdida para esta terra.

Importa agora não repetir o mesmo erro de há uma década atrás que resultou na aceitação da redução do cais norte do porto da Horta. Então ergueram-se algumas vozes no Faial em protesto pela diminuição da nova baía. Só que estas foram silenciadas pelas instaladas no poder da ilha que lançaram então o boato de que esses críticos estavam contra uma obra e um investimento nesta terra e, em paralelo, as autoridades regionais argumentaram de que o novo projeto diminuído não comprometia a atracação dos cruzeiros que vinham para cá. Uma mentira que muitos engoliram e o projeto encolheu e os culpados não foram castigados

Infelizmente, logo após a inauguração viu-se que os cruzeiros de maior dimensão ficam fora dos molhes, isto quando não são “desviados” para a Praia da Vitória por falta de condições na Horta, animando aquela terra às custas do investimento insuficiente no Faial.

Assim, apesar de vários outros problemas por resolver, na minha opinião o projeto que é prioridade absoluta para o Faial é o conjunto das obras na pista da Horta e tudo indica que 2019 poderá ver as decisões sobre o tipo de intervenções a fazer naquela infraestrutura, só que agora os Faialenses têm de estar atentos a estes dois aspetos: se a obra terá as características suficientes para satisfazer as necessidade sem comprometer o futuro e se depois desta salvaguarda fica garantida de facto a sua construção ainda antes das eleições de 6 outubro.

Portanto há que salvaguardar não só as características necessárias nas obras das pistas do aeroporto da Horta, como garantir que a construção se tornou irreversível antes das eleições. Caso contrário, tal como em 2009, os Faialenses perderão outra oportunidade de passar aos seus filhos uma ilha em condições para se desenvolver, deixando-se enganar por quem tem poder de nos atirar areia para os olhos e ainda beneficiar com isso. Bom Ano Novo para todos.

Read Full Post »

Meu artigo publicado hoje no diário Incentivo.

PISTA: APÓS APROVADAS AS RESOLUÇÕES, NADA DE BAIXAR OS BRAÇOS

Em Lisboa, no passado dia 18, a Assembleia da República, por unanimidade de todas as bancadas e em conjunto, aprovou na generalidade 4 propostas a recomendar a ampliação e melhoramento da capacidade operacional da pista do aeroporto da Horta, resoluções apresentadas pelo PS, o PSD, o CDS-PP e o PCP. Fiquei contente, mas ainda é cedo para qualquer foguetório.

Dei-me ao trabalho de procurar no portal da Assembleia da República o teor de cada uma das propostas apresentadas. Na introdução são diferentes, é normal, pois metem-se aí as considerações estratégicas e as visões do partido que a apresenta. Contudo, também ao nível do conteúdo recomendado verifiquei que as propostas não recomendam todas o mesmo, isto já requer maior atenção, pois, passada esta fase de propaganda, terá ainda de haver um entendimento para que haja uma proposta final com um mínimo de consenso na especialidade para ser definitivamente aprovada no Parlamento e, como muitas vezes acontece, o diabo esconde-se é nos pormenores.

Acredito que se houver boa vontade em todos os partidos será possível ultrapassar as diferenças e chegar a consensos que salvaguardem os principais objetivos dos Faialenses. Mas, se estivermos perante uma manobra política, sobretudo de quem tem de desembolsar o dinheiro e não quer gastá-lo, receio que alguns pormenores abram as portas para esta unanimidade vir a esbarrar em desentendimento que sirva para culpar outros de teimosia e resultar na inviabilização do projeto, permitindo a seguir propagar a ideia de o poder estar inocente por não se virem a reunir as condições finais para viabilizar a ampliação da pista e deste modo não desembolsar as verbas para a obra e acusar outros por não se fazer e ainda não perder votos. Alguns dirão: Isto seria maquiavélico! Mas na política deste País já vi situações do mesmo género, logo isto não seria nade de novo.

Assim, nem todos propõem o aumento da pista para 2050 metros, embora o acordo nesta pretensão talvez possa ser fácil de alcançar através do ponto da recomendação de se assegurar a concretização da ampliação da pista tendo em conta a categoria de aeroporto intencional da Horta obtida em 2001.

Igualmente deduz-se de todas as propostas que as intervenções na pista deverão ser discutidas na renegociação do Governo da República com a VINCI dos termos do acordo de concessão da ANA (dona do aeroporto), contudo, nada é dito sobre a possibilidade desta empresa não aceitar todos os custos do aumento da pista para além dos metros necessários à criação das zonas de segurança RESA (Runway End Safety Area) e, neste cenário e da leitura das introduções de algumas propostas, parece que certos partidos discordam totalmente que os executivos da República ou dos Açores comparticipem em tal investimento. Falta assim saber se na especialidade haverá abertura para se possibilitar como último recurso a comparticipação de dinheiros públicos, nacionais e ou comunitários, para não se criar impedimentos ao projeto de ampliação desejado pelos Faialenses.

Foi bom ter esta unanimidade, os protestos dos Faialenses obrigaram já a cedências, mas importa não esquecer: um voto de recomendação, mesmo unânime, não obriga o governo, não impõe nada, é um conselho que o executivo pode ignorar. Por isso, apesar da aparente boa-vontade de todos os partidos agora, até dos que apoiam o poder que terá a palavra final, os Faialenses não podem baixar a guarda, é cedo para qualquer festa, pois a ampliação não ficou ainda assegurada e já vi anúncios mais fáceis ficarem por cumprir e sem as perspetivas de desculpas que estas diferenças permitem

Read Full Post »

P 3 10 17

Subscrevo na generalidade todo o artigo de Pedro Duarte, apesar de me parecer que neste momento ninguém vai conseguir que se pare para pensar… Infelizmente penso que vai ser o costume: a mera tentativa de arregimentar peões para eleger barões via que raramente leva a bom porto o quer que seja para mal do futuro do País.

Read Full Post »

Older Posts »

%d bloggers like this: