Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Turismo’

O meu artigo de hoje no diário Incentivo:

TURISMO – O PORQUÊ DO FAIAL EM MÁ MARÉ

Quando se alterou o regime de ligações aéreas entre os Açores e o Continente há cerca de três anos, abrindo-o às empresas de aviação de baixo-custo nos aeroportos de Ponta Delgada e da Terceira com reencaminhamento para outras ilhas a custo zero e mantendo-se o serviço-público para as restantes “gateways” da Região: Horta, Pico e Santa Maria; perspetivou-se que o turismo nos Açores iria crescer substancialmente em São Miguel e que este “boom” se propagaria por todo o Arquipélago. Infelizmente, várias notícias recentes têm deixado claro que a realidade se tornou bem diferente das previsões de então para o Triângulo e, sobretudo, para o Faial.

Sou de opinião que se os princípios estratégicos iniciais tivessem sido seguidos, talvez a abrangência regional daquele crescimento se concretizasse, mas a política de transportes e de promoção turística que se fez a seguir nos Açores, com o apoio do Governo Regional, subverteu descaradamente as premissas daquele projeto de ligação aérea entre a Região e o exterior.

Efetivamente, as campanhas para se visitar a Região centraram-se quase só em São Miguel. Mais, quando se consulta rotas entre o Continente e os Açores fica-se com a ideia de que os preços anunciados são da ligação entre Lisboa/Porto para Ponta Delgada e sem os reencaminhamentos a custo zero para outras ilhas. Pior ainda, com muita frequência se deduz que a empresa pública regional SATA oferece no portal aos passageiros que queiram chegar ou partir da Horta preços mais baratos se estes fizerem escalas noutros aeroportos regionais e no fim entrar ou saírem dos Açores através do aeroporto João Paulo II, tornando assim menos apelativa a opção Horta ou Triângulo como destino turístico final a quem consulta e não está previamente informado das regras do sistema de transportes aéreos entre o Continente e este Arquipélago.

Mesmo assim, na internet continua-se a ver micaelenses a criticar investimentos estruturais no Faial, como o do aeroporto, com o argumento de que a sua grande ilha vai financiar esses custos, como se os Açorianos das restantes ilhas já não estivessem a contribuir no dinheiro injetado na promoção centrada em São Miguel, nas suas estradas e marinas vazias e ainda as rotas deficitárias da SATA entre Ponta Delgada e o estrangeiro sem nada ter a ver com a nossa diáspora ou como se a solidariedade para aquela ilha fosse obrigatória e de sentido único.

Assim, não admira que neste período de férias da Páscoa, mesmo depois da maior oferta de camas em São Miguel, a RTP-Açores na Sexta-feira Santa informasse que a ocupação hoteleira nesta ilha rondava os 90%, enquanto o Faial se quedava por 60% nos maiores hotéis, ficando mesmo por uns míseros 10% em certas residenciais. Estes maus resultados, infelizmente, não são acidentais, são mesmo fruto desta estratégia do Governo de concentrar o turismo, sobretudo, em Ponta Delgada.

Se é certo que o canal televisivo não fez referências naquele dia a outras ilhas, nomeadamente do Triângulo, a verdade é que circularam noutros espaços dados estatísticos dos últimos tempos referentes ao crescimento do número de passageiros nos aeroportos do Arquipélago e onde Faial, Pico e São Jorge apresentam dinâmicas muito abaixo da média regional e, claro está, esta é bem inferior ao grande aumento observado em São Miguel.

Estes dados não seriam ofensivos se a culpa fosse só nossa e houvesse uma estratégia promocional dos Açores onde o Faial e o Triângulo fossem tratados em pé de igualdade com outras ilhas, mas eles são fruto de um tratamento desigual. onde, não só a Horta, como o Pico e São Jorge, além de ignorados, são até desfavorecidos em termos de preços e de ligações diretas e ainda assistimos aos esforços da SATA em reduzir o número de ligações aéreas a esta ilha, até com recurso a estatística de ocupação dos aviões com critérios selecionados para maltratar o Faial.

Alerto que este mau tratamento ao Faial também teve cúmplices nesta ilha, mas também me parece que a maioria dos Faialenses já despertou e viu isso e mesmo muitos dos que antes pactuaram nesta estratégia agora sentem-se na obrigação ou, no mínimo, forçados a reivindicar mais alto por esta terra e sub-região turística para estancar o enfraquecimento económico a que assistimos ao longo dos últimos anos ou segurarem votos em futuras eleições.

Esta mudança de comportamento de alguns nos últimos meses talvez já não apague todas as sequelas das atitudes subservientes do passado, mas, arrependidos no seu íntimo ou apenas em fachada, importa que os Faialenses reúnam todas as forças para reverter o mal, antes que seja demasiado tarde, porque os adversários do Faial são muitos e estão até em quem governa os Açores.

Read Full Post »

Novamente um cruzeiro de turistas foi para o cais de mercadorias, pois para se poupar se encolheu o cais norte, para se poupar, também não se desassoreia a sua baía, mas apostou-se num grande terminal de passageiros de trânsito local que, na mentalidade de alguns, se for bem gerido, o Faial pode ficar a ganhar, algo assim como encolher no estratégico regional e internacional para apostar na pequenez local como se fez na feira Açores… Certo? 😜

Read Full Post »

Não admira que haja um menor crescimento do turismo no Triângulo do que na Região, com tantas dificuldades que são colocadas na realização de reservas da Azores Airlines diretamente para a Horta, no embuste que foi o charter para Pico destinado a enganar Picoense e na calendarização tardia das ligações marítimas entre estas três ilhas; só um milagre é que este crescimento no Triângulo estaria acima do do Arquipélago.

Pior, este crescimento inferior é mesmo estrategicamente fomentado, não só pelo que acima foi dito, como também nas omissões de informação dos reencaminhamentos gratuitos, na tentativa de redução da rota Horta-Lisboa e nos esforços que a SATA tem feito para desunir Faialenses e Picoenses nas exigências de cada um em mais ligações nas suas ilha ou no uso dos seus dois aeroportos como alternativos e descaradamente evidenciado de quando há promoções turísticas dos Açores a imagens favorecem automaticamente a maior ilha da Região onde a transportadora aérea regional quer concentrar os passageiros.

São Jorge sofre também por tabela por muitas das indecisões que tem sempre que é convidada a reforçar a sua união ao Triângulo e vacila pelas sua histórica ligação à Terceira herdada do passado e do tempo da ditadura e, efetivamente, há quem alimente esta incerteza que prejudica a ilha geograficamente central dos Açores… mas muitos Jorgenses ainda não se aperceberam disso.

O Triângulo só confirmará todo o seu potencial quando unido vencer todos os que têm medo da sua força e criam barreiras ao turismo integrado do Faial, Pico e São Jorge.

Read Full Post »

A forma como foi programada a realização de visitas com descida ao fundo da Caldeira devidamente acompanhada por guias habilitados para o efeito de modo a dar a conhecer o espaço e a garantir a proteção do património natural levou a que o Parque Natural da Ilha do Faial recebesse mais um prémio de reconhecimento da gestão desta área protegida: Experiência da Natureza.

Saber colocar as características naturais desta ilha ao serviço do turismo, da economia e das populações sem prejuízo da conservação do património natural e de forma integrada com os residentes da ilha e fomentando emprego tem sido uma linha de referência neste Parque que dignifica o Faial e melhora a qualidade da oferta a potenciais interessados a esta terra.

Nem todas as boas ideias são caras e implicam grandes verbas, embora possam gerar receitas e eis um bom exemplo. Parabéns!

Read Full Post »

Ontem, devido ao nevoeiro na Horta, a SATA divergiu para a Terceira e os passageiros ficaram alojados em casas particulares no Faial por o alojamento hoteleiro estar esgotado. Compreendo que um avião não pode aterrar com más condições de visibilidade e segurança, mas o jornal é omisso sobre as condições no aeroporto do Pico e talvez esta omissão não seja inocente e isto sim: merece ser questionado.

Como alguém me dizia à dias: “Felizmente que os dois aeroportos do Canal estão com exposições opostas aos nevoeiros orográficos que fustigam o Faial e o Pico, pois assim, quando uma destas infraestruturas está com neblina por ser a sua costa a batida por este fenómeno meteorológico, a ilha em frente, muitas vezes está com boa visibilidade!”. Mesmo assim, têm sido raras as vezes que tenho ouvido a SATA ter divergido para a ilha ao lado, antes prefere a Terceira para maiores incómodos dos passageiros. Não sei se esta foi mais uma das vezes em que esta má preferência se concretizou.

Cada vez tenho mais suspeitas que seja estratégico este evitar que os aeroportos do Pico e da Horta sejam alternativas entre si sempre que tal seja técnica e meteorologicamente possível, pois a SATA parece que prefere irritar os passageiros ou desencorajar visitantes para as ilhas do Canal e divergi-los para a Terceira sem dar uma segunda hipótese de os fazer chegar a esta zona no dia programado.

Isto em nada alivia a pressão que há a fazer para que sejam instaladas nestes aeroportos as melhores e mais modernas tecnologias de apoio à navegação, quer sejam projeto RISE, ILS ou outra, mas, em paralelo, há também que, sem temor ou bairrismo, lutar pela complementaridade do Faial e do Pico como destino dos passageiros que para aqui vêm, de modo a que as coisas funcionem como numa terra desenvolvida e não com a desorganização de uma região terceiromundista. Claro que se houver a tal má intenção que suspeito cada vez mais, isto já não é uma questão de terceiromundismo… mas pura maldade!

Mesmo assim, os hoteis estavam cheios no Faial, talvez também no Pico…  quanto mais atraente seria o Triângulo sem este mau comportamento no serviço da SATA?

Read Full Post »

Através do Incentivo, soube-se que cerca de 40 empresários dos Açores defenderam a ampliação da pista do aeroporto da Horta, sendo que esta antiga reivindicação foi assumida não apenas por Faialenses, mas pelas próprias Câmaras do Comércio e Indústria da Região, dando assim um cariz regional a esta pretensão faialense. O que justifica que a notícia também fosse replicada no Correio dos Açores.

Há muito que esta é uma das principais, se não a principal reivindicação do concelho da Horta e já mereceu numerosas posições das instituições representativas das populações do Faial, tanto no domínio político, como económico, desde a Câmara e Assembleia Municipal, partidos, Conselho de Ilha, até à Câmara de Comércio.

Este assunto junto com os investimentos no domínio da segurança das aproximações de aeronaves, de modo a evitar os cancelamentos por fatores meteorológicos e a viabilizar aterragens sem tantas penalizações no transporte de carga e passageiros ou dimensões doas aparelhos, são fundamentais ao desenvolvimento economicossocial do Faial e do Triângulo.

Paralelamente, numa perspetiva de integração adequada do Triângulo, como zona unida e um destino turístico específico dentro dos Açores, este assunto não pode continuar desligado do facto desta pista ter de ser e passar a ter sempre que possível como alternativa o aeroporto do Pico, assegurando que quem vem para o Triângulo não acaba depois reencaminhado para fora dele ou com regresso à origem sem chegar com facilidade ao Faial, ao Pico ou São Jorge devido a condições meteorológicas (como este nevoeiro que teima em nos visitar), arbitrariedades da empresa de transportes aéreos ou outras penalizações e incógnitas várias.

Todavia a complementaridade de alternativa entre estes dois aeroportos implica também que quando existirem desvios de aparelhos entre estas pistas, por razões várias, haja imediatamente um sistema de reencaminhamento dos passageiros para os seus destinos pretendidos: Faial ou Pico, sem estes ficarem reféns dos horários das ligações marítimas regulares no canal e da inexistência de transportes em terra, levando a esperas demoradas que desincentivam novas visitas ao Triângulo. Aspeto que tem de começar a fazer parte das preocupações da forças vivas destas duas ilhas e apresentação de soluções integradas de ambos os lados do canal.

 

Read Full Post »

Apesar de persistirem nuvens negras no horizonte da finanças públicas e economia nacional, não haja dúvida, a não haver engenharia financeira, a redução do défice em 453 milhões de euros nos primeiros 5 meses de 2016 face ao ano passado é uma boa notícia, não só politicamente para o Governo e seus apoiantes como para a generalidade dos Portugueses.

É curioso ver que apesar de um conjunto de medidas despesistas tomadas por este Governo estas não se refletem significativamente na despesa do Estado, enquanto os impostos indiretos crescem sem crescer a economia, mas com o tempo, estou certo, ir-se-á compreendendo o que se está de facto a passar.

Por último, falta agora saber qual será de facto o efeito Brexit na economia nacional, mas novamente só o tempo esclarecerá, um país dependente da conjuntura externa muitas vezes não resiste aos problemas internacionais e Portugal tem neste campo uma fragilidade enorme.

Read Full Post »

Older Posts »