Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘Francisco’

Meu artigo de hoje no diário Incentivo com reflexões múltiplas de ocorrências num dia ímpar.

REFLEXÕES SOBRE UM DIA MEMORÁVEL PARA PORTUGAL

Treze de maio de 2017 deve ficar na história como o dia em que os Portugueses mais extravasaram o seu brio Lusitano na sua história. Houve motivos de contentamento de âmbito global e transversais a várias áreas que fazem vibrar o íntimo das pessoas: a fé, para os que são crentes; a cultura, para os amantes da língua de Camões; a arte, para os que vibram com uma bela canção e a emotividade, para os fãs do futebol e do clube que mais adeptos tem no País.

A conquista do título europeu de futebol para a seleção nacional foi transversal às clubites, mas limitou-se sobretudo aos amantes de futebol. O 13 de maio de 2017 foi bem mais abrangente.

No campo religioso, o convite à oração para a Paz Mundial e Conversão das Pessoas que emanara de Fátima precisamente há 100 anos é ainda o fenómeno de fé de maior projeção do mundo Católico saído de Portugal no século XX e a celebração deste centenário com a vinda ao nosso País do Papa mais popular e consensual dos últimos tempos, não apenas tocou o íntimo de muitas consciências, como foi um evento de cobertura mediática global, colocando os Lusitanos nos holofotes à escala planetária e isto ajuda o ânimo dos Portugueses.

O fenómeno de Fátima não gera consensos no seio dos católicos, demais crentes e ateus e, se algumas críticas são feitas de forma honesta, igualmente existem ataques às movimentações e aproveitamentos em torno de Fátima cujo único objetivo é desvalorizar a força deste apelo à Oração para a Paz e Conversão retransmitido ao mundo por três crianças. Algo que incomoda muitos, não só pela sua exigência aos cristãos, como também, pela sua adversidade às razões antirreligiosas.

Sim, há discrepâncias entre a mensagem da Igreja e a prática seus fiéis, mas a razão de ser do apelo à Conversão em Fátima justifica-se precisamente por isso, porque os Cristãos não são perfeitos e existem essas contradições a corrigir e é bem mais difícil a luta permanente para se corrigir o mal, que tende a crescer em nós crentes como cogumelos em madeira podre, do que colocar-se de fora a apontar os males que com frequência aqueles são vencidos. Não deixa de ser claro que muita denúncia orgulhosa vinda fora das falhas dos cristãos serve para incentivar o abandono da fé, mas também para branquear a consciência de alguns agressores que desistiram dessa conversão.

Ainda no campo religioso, a canonização de Jacinta e Francisco Marto também me cria problemas na luta contínua de conversão. Formado e ligado às ciências da natureza sou por convicção defensor de explicações naturais e é bem mais fácil rejeitar qualquer milagre, dizendo que no futuro a ciência o explicará, do que do que ter a humildade de aceitar que a fé move montanhas que a física não consegue, lembro-me do agnóstico Sam Harris, que passou a ser desprezado por ateus após reconhecer que sempre houve e haverá fenómenos que a ciência não consegue cobrir e deveria ter a humildade de mesmo sem acreditar não combater a religião por preconceito. O que é bem diferente de desistir de procurar o esclarecimento dos fenómenos estranhos que ocorrem na natureza

No domínio da música, este grande dia 13 fica na memória pela primeira vitória de Portugal no festival da eurovisão da canção em 53 anos de presença nacional neste tipo de evento. Não só com uma composição que foge ao populismo de uma melodia fácil e banal, mas também com a coragem de a cantar em Português entre tantos países que desprezaram as suas línguas maternas para irem na onda da língua franca inglesa numa sessão cujo lema era a diversidade. Neste mundo que se deixa dominar pela epidemia contagiosa que confunde cultura com o comercial fácil que a globalização vende, foi uma lição dada por Luísa e Salvador Sobral não ter medo de serem eles próprios e de mostrar ao mundo a sua língua contra a maré da moda subserviente do pop anglo-saxónico.

Por fim, numa matéria que também não gera unanimidade: o tetracampeonato do Benfica foi um motivo de alegria para os adeptos do futebol do clube que reúne maior número de simpatizantes em Portugal. Os festejos celebraram-se de forma civilizada e cordial. Isto não é um antídoto suficiente para o envenenamento continuado que lavra no desporto nacional a partir de líderes e comentadores desportivos que passaram a época a semear ódios e a alimentar suspeitas de desonestidade dos adversários que podem germinar em discórdia e violência entre adeptos em competição doentes.

A competição e a rivalidade até podem ser saudáveis, pois criam dinâmicas no enfrentar o dia-a-dia. Pode-se fazer críticas aos adversários para os obrigar a melhorar a sua prestação, a política presta-se a esta conduta. Pode-se sobrevalorizar as nossas cores para incentivar as nossas equipas perante os concorrentes. Agora, semear ódios e desconfiança na honestidade dos oponentes e outros intervenientes que regulam uma competição ultrapassa a decência e as exigências da ética. Por isso se é enorme a alegria que o Benfica me deu, não deixo de respeitar os que não venceram e protesto contra esta tática que se está a generalizar em Portugal do envenenar permanente da competitividade desportiva com ódios para criar uma rivalidade doentia que desperta violência.

Anúncios

Read Full Post »

Sou cristão mas não um mariano profundo, mas reconheço que a mensagem de oração pela Paz no Mundo e Conversão das Pessoas saída há 100 anos da minúscula dolina da Cova da Iria, da rural freguesia de Fátima, no pequeno país marginal Portugal propagou-se por toda a Terra com uma energia imparável contra todas as forças poderosas antirreligiosas que dominam a civilização global, um fenómeno.
Fatima_Pope

É verdade que há notícias de mais aparições marianas e movimentos populistas em países e locais muito maiores e centrais que aquela comunicada por três crianças pobres, incultas que até aquele momento nada as distinguia de outras da região. Fátima não se impôs ao Mundo, só abraça a Mensagem quem quer, mas foi uma multidão de muitos milhões que abraçou Fátima e se aproximou: pobres, ricos, incultos e cultos, sendo necessário apenas humildade e coragem para não rejeitar publicamente a Fé dos que sentem acreditar para espanto de muitos outros que não compreendem o que é ser-se crente.

recinto

Depois dos descobrimentos iniciados por génios Portugueses, nada mais teve tal impacte global a partir de Portugal que a comunicação destas três crianças de terem visto Maria, a senhora do Rosário, a Mãe de Jesus, que Este disse para aceitarmos como nossa Mãe também, em 13 de Maio de 1917, faz hoje precisamente 100 anos.

Pastorinhos

Imagens todas retiradas da Wikipédia.

Read Full Post »

“Disse-lhe Jesus: Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens, e dá-o aos pobres, e terás um tesouro nos céus; depois vem e segue-me. O jovem, porém, ouvindo estes preceitos, retirou-se triste; porque tinha muitos bens.” (Mt. XVIII, 21,22). A mensagem de partilhar a riqueza vem de Cristo e quem conhece a doutrina social da Igreja sabe que está escrita oficialmente no Catolicismo. Agora, tal como Jesus convidou o jovem rico à partilha e o deixou livre para recusar e tristemente se afastar, também a Igreja não força nenhuma classe, quer a conversão das pessoas, não a revolução política.

Agora o convite para esta conversão não está dissociado da denúncia da injustiça social que se assiste e é mesmo um método para convidar o Mundo para uma mudança, à conversão para seguir Jesus. Só que, tal como o jovem rico, são as pessoas que compõem o mundo que, livremente, tristes ou alegres, recusam esta Mensagem ou a aceitam respetivamente.

No julgamento de Jesus, Pilatos deixou ao mundo duas escolhas alternativas: a proposta pacifista de partilha e conversão interior com repercussões no indivíduo de Cristo ou a ação revolucionária de Barrabás, com o assalto forçado aos bens em detrimento do convite à partilha voluntária da riqueza. O resultado desta votação é conhecido e o mundo de hoje, frequentemente, não é muito diferente.

Entre a Mensagem Cristã e os discursos revolucionários populistas de qualquer lado ideológico há uma distância enorme, mesmo quando a imperfeição humana impede o crente de ser plenamente como Jesus pedia ou o do ativista político não ver o papel da conversão livre na sua busca da Justiça.

O grande dilema da Mensagem do Papa Francisco, e ele não esconde que sente isso nas entrevistas que estão na base do livro “Esta economia mata“, pois percebe que com o seu discurso quer apresentar Cristo ao Mundo para este se converter e seguir Jesus, mas o Mundo tende a interpretar a denúncia como um apelo para seguir a via de Barrabás, mas já há quase dois mil anos que este desencontro existe e suspeito que isto nos caracteriza como Homens imperfeitos sujeitos ao erro.

Bem-vindo Papa Francisco a Fátima e, como tal, a Portugal.

Read Full Post »

economiamata

O livro “Papa Francisco – Esta economia mata” da autoria dos jornalistas católicos e vaticanistas: Andrea Tornielli e Giacomo Galeazzi, procura esclarecer o que está na mente do Papa Francisco ao criticar duramente o sistema económico capitalista atual: será uma ideologia política ou uma mensagem evangélica?

A obra esclarece a dúvida se por detrás de Jorge Mario Bergoglio se esconde um marxista, não só informando as razões da escolha do nome Francisco, como a sua opção estratégica de centrar a mensagem na preferência pelos pobres. Depois expõem-se diversas declarações e ações deste papa que geraram desconfiança em católicos conservadores e simpatias em fações políticas de esquerda, centrando-se sobretudo na sua exortação apostólica Evangelii Gaudium.

No livro  destaco as seguintes abordagens: (1) o enquadramento da Evangelii Gaudium em todas as anteriores encíclicas da doutrina social da Igreja, iniciada por Leão XIII com a Rerum Novarum no século XIX, evidencia-se que Pio XI há 80 anos foi bem mais duro que Francisco e já Bento XVI apontou o caminho atual; (2) expor as críticas dos setores conservadores católicos que pensam o capitalismo como a via económica mais cristã; (3) entrevistar estudiosos economistas italianos que se reveem nas palavras de Bergoglio; (4) mostrar as razões da via ambientalista que foi o tema da encíclica mais recente Laudati Si e já posterior à publicação desta obra e,  (5) uma entrevista direta ao Papa sobre as dúvidas levantadas nos crentes pelas suas palavras discutidas nesta obra.

O livro não só revela o pensamento de Francisco, como demonstra que a doutrina social da  Igreja há mais de um século é crítica de um capitalismo que idolatra o dinheiro e não tem como primazia o homem e o bem comum; que não olha aos meios para alcançar os fins e acredita na recaída favorável que não se verifica na prática nos países desenvolvidos. Contudo o discurso do Papa radica-se apenas no Evangelho, não numa ideologia ou teoria económica, inclusive opõe-se ao consumismo como alternativa, dispensa Deus para a realização do Homem e acredita que se alcança o céu na terra, a nossa casa comum, pela posse de bens.

Um pequeno livro que abana consciências e se centra no apelo de Francisco para a mudança de paradigmas económicos que têm orientado a civilização nas últimas décadas. Recomendo a todos os que se preocupam com a sociedade, o cristianismo e a justiça social no mundo atual.

Read Full Post »

Foi preciso uma nova perseguição aos Cristãos, desta vez aos grupos minoritários no médio oriente muçulmano e uma ameaça de guerra que se serve do Islão para um combate ao ocidente tradicionalmente cristão mas de gestão preferencialmente laica, para que o líder Católico Romano e o líder Ortodoxo Russo se encontrassem ao fim de um milénio de costas viradas entre si. Mas mais vale tarde do que nunca!

Como Cristão de fé ligado ao catolicismo, talvez mais por cultura e tradição do que por particularidades dogmáticas pois não sou um fundamentalista de dogmas que foram surgindo ao longo dos séculos na Igreja, faz-me confusão como modos de expressão religiosa diferentes e relativos a um mesmo credo inicial, que professa um Deus de Amor, se separem por questões dogmáticas depois do credo estabelecido durante a passagem do império romano de pagão a cristão e fiquem de tal modo antagonizados que mais se combatam entre si do que se aliem durante tanto tempo no anúncio da Boa Nova que acreditam ambos.

Como ecuménico que sou, espero que esta seja uma oportunidade para que as duas grandes confissões mais antigas do cristianismo sejam capazes de no futuro possam vir a andar como irmãos que no essencial acreditam em Jesus Cristo como o Filho do Deus Único, que se fez Homem, pregou, morreu e Ressuscitou por Amor à Humanidade… convencidos deste cerne não percebo divisões substanciais

Read Full Post »

Não tenho complexo em assumir-me crente e cristão nesta Europa e Portugal secularizado onde assumir a fé e dizer-se em público praticante, que se reza e vai à missa não é algo muito frequente.

Assumo que conheço mais textos oficiais do beato João Paulo II e de Bento XVI do que do atual papa Francisco, mas este último reuniu num ano à sua volta uma unanimidade de apoio popular e uma visibilidade na Comunicação Social que levou anos a ser alcançada pelo papa polaco e nunca conseguida pelo emérito.

Assumo também que do que li publicado por Papa Francisco na sua exortação apostólica a comunicação social divulgou com maior intensidade as ideias mais populares e deixou cair as mais incómodas, falou-se muito de que esta economia mata, mas esqueceu-se que também criticou a visão consumista desta e que temos de dizer não à nova idolatria do dinheiro.

É também verdade que por palavras atos o Papa Francisco tem tido atitudes que diferem do tradicional conservadorismo de costumes da igreja: a frase “não existe mãe solteira mas apenas mãe”, ele mesmo batizou crianças de pais em união de facto, não ostracizou os homossexuais, abandonou um conjunto de ostentações de luxo da cúria e tem tido palavras muito duras para os que na Igreja ocultaram a pedofilia.

Todavia, a verdade é que em matéria de fé não alterou nada dos seus antecessores, as exigências do catolicismo mantém-se nas questões de fundo: a Igreja continua a não tratar igual a Mulher, a quem não lhe é reconhecido a possibilidade para receber o sacramento da ordem como  ao homem; tem-se furtado a falar abertamente do aborto ou da eutanásia e se há condições em que estas ações sejam aceitáveis na doutrina ou o que dirá sobre o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo… quando falar abertamente destes temas o que acontecerá?

Gosto do papa Francisco, mas há que reconhecer que desde a génese da Igreja foram as verdades incómodas que lhe marcaram o caráter, não o consenso e a popularidade, e Jesus foi condenado à morte pelas perturbações que introduzia na sociedade, tanto nas críticas aos poderosos, como no apelo à mudança em todos os outros, como é evidente com aquela frase à adúltera “vai e não voltes a pecar”…

Por enquanto prevalece o populismos… veremos se o Papa será capaz de trazer a mudança às pessoas que hoje o aplaudem nas coisas populares e  se manter-se-á sempre tão popular perante as exigências da Lei ou, como no caso jovem rico, então muitos lhe virarão as costas, pois se Cristo era tolerante, as suas exigências não eram fáceis e populistas.

Read Full Post »