Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for 4 de Julho, 2016

SONY DSC

Imagem Wikipedia

4 Julho, dia da cidade da Horta, pela sua elevação de vila a cidade neste dia em 1833. A Horta já não tem a importância internacional que teve como plataforma logística de apoio aos navios de transporte marítimo internacional de mercadorias durante quatro séculos. Hoje, o seu porto limita-se a ser um espaço de acolhimento de cruzeiros turísticos e de iates que atravessam o Atlântico Norte, porque, se a tecnologia passou a dispensar esta base, esta cidade mar, altar debruçado sobre o oceano defronte da montanha do Pico, preservou a sua beleza e maravilha ainda todos os que por aqui passam.

Na realidade, como muitas cidades que foram encruzilhadas do comércio internacional, ficam sujeitas a qualquer mudança das redes de circulação mundiais e podem, repentinamente, perder o seu papel fulcral como um dos nós dessa malha global, a Horta foi vítima desta fragilidade.

Nos primórdios da aviação, quando os hidroaviões  ainda tinham um papel importante, o porto da Horta ainda subsistiu como “hidroaeroporto”, mas com a vitória das viagens apenas com estruturas em terra e o aumento da autonomia das aeronaves, esta cidade ficou fora da estratégia económica das rotas comerciais e hoje é a sua beleza que atrai visitantes de todo o mundo, não perdendo nunca o seu cosmopolitsmo, mas recuando no seu potencial de infraestrutura económica.

Infelizmente, à semelhança de outras terras muito expostas aos caprichos externos, a Horta ainda não soube criar alternativas para dinamizar a sua economia. No último século viu definhar quase todas as suas maiores atividades económicas e unidades fabris, estas últimas fecharam, sobretudo, nos mais recentes 30 anos: Sifal, sumos Primavera, baleação, fábrica de conservas de peixe, fábrica de laticínios Martins & Rebelo e subsiste a laboral a tempo parcial a CALF e das novas a única de dimensão familiar, mas com potencial exportador e de crescimento, é a do célebre queijo “Morro”.

O Turismo tem sido aposta local, mas atentados fraticidas têm criado dificuldades, o aeroporto virou a internacional mas não tem ligações ao estrangeiro, a TAP foi-se, a SATA usa e abusa de cancelamentos para a Horta e os reencaminhamentos são pouco divulgados ou atrofiados por falta de lugares disponíveis, além de esforços de divisão do Triângulo para não potenciar o desenvolvimento do turismo desta zona dos Açores.

Muitos Faialenses deixam-se deslumbrar com elogios de políticos locais sobre a integração desta terra na associação da cidades com as baías mais belas do mundo, mas que pouco eco faz no exterior ou como se isto não fosse resultado das condições naturais, pois tal beleza não resultou do trabalho humano mas sim da própria natureza, e outros deixam-se levar por festas institucionais que não resolvem os problemas básicos da Horta e assim a economia vai progressivamente definhando perante a indiferença de muitos.

Apesar de tudo isto, a Horta é a cidade onde escolhi trabalhar, o concelho onde vivo e a terra que dedico, a contra ventos e marés, tempo a defender e pela qual me apaixonei e continuo a amar: Parabéns cidade da Horta.

Read Full Post »

%d bloggers like this: